Fome, seca e crise castigam o Chifre da África

Falta de água, conflitos, instabilidade e aumento dos preços estão provocando níveis de insegurança alimentar sem precedentes na região.

Khadijo Ibrahim Abikar, de 50 anos, segura sua neta de dois anos gravemente desnutrida, Naima Adan Ali, em um centro médico amparado pela organização de ajuda humanitária Save the Children, em Baidoa, Somália. A fotografia foi tirada no décimo dia em que Naima recebeu tratamento e sua saúde estava melhorando. “Viemos por causa da seca”, diz Abikar. “Perdemos todo o nosso gado, e a fazenda foi afetada por gafanhotos. Antes tínhamos mais de 55 cabras e 45 gados. Agora temos apenas três camelos, e eles não dão leite porque estão desnutridos”.

Por LYNSEY ADDARIO
fotografias de Lynsey Addario National Geographic
Publicado 17 de jan. de 2023 10:22 BRT
Ahmed Ibrahim Yousef, de 75 anos, assiste a uma mãe desnutrida e desidratada com o nascimento ...

Ahmed Ibrahim Yousef, de 75 anos, assiste a uma mãe desnutrida e desidratada com o nascimento de um bebê camelo em um vilarejo perto da fronteira com a Somalilândia, no Chifre da África.

Carcaças de animais abandonados que morreram de desnutrição e falta de água por causa da atual seca nos arredores da aldeia de Usgure, no nordeste da Somália. Os animais pertenciam a uma família de pastores que possuía 200 cabras e ovelhas antes do fim das chuvas. “No início da seca, perdíamos duas ou três cabras por dia”, diz Iqro Jama, de 20 anos. “Logo mudamos para cá com cerca de 20 cabras, mas alguns dias atrás perdemos a última.”

Foto de Lynsey Addario National Geographic
À esquerda: No alto:

No centro, Hamso Mohammed Mousse, de 35 anos, enche recipientes de água para ela e outras famílias deslocadas depois que um caminhão pipa patrocinado pela Save the Children chegou ao acampamento em Puntland, Somália. “Nossa chance de sobrevivência é de 50%. Estamos entre a vida e a morte.”

À direita: Acima:

Famílias somalis recebem água em um novo acampamento para deslocados pela seca atual, perto da vila de Usgure, em Puntland, Somália. O país vive sua pior seca em quatro décadas; provocando a morte de milhares de cabeças de gado, deslocamento de famílias e a possibilidade de que a população enfrente uma crise de fome.

fotografias de Lynsey Addario National Geographic

Em um abrigo improvisado num dos muitos campos para deslocados pela seca implacável que castiga o Chifre da África, Edaba Yusuf observa o corpo minúsculo de seu filho de quatro anos, Salman Mohamed Abdirahman, que morreu naquela manhã de grave desnutrição e sarampo. Mãe de oito filhos, ele é o terceiro que ela perde para a fome em menos de quatro semanas.

Dois de seus filhos morreram em sua aldeia no sudoeste da Somália, o que levou a família a viajar para Baidoa – uma cidade cercada pelo grupo terrorista al-Shabaab, mas ainda acessível para agências humanitárias que fornecem comida, água e tratamento médico para ajudar a aliviar parte do desespero.

Em um acampamento em Baidoa (Somália), Edaba Yusuf está sentada ao lado do corpo de seu filho de quatro anos, Salman Mohamed, que morreu naquela manhã de grave desnutrição e sarampo. Mãe de oito filhos, ele é o terceiro que ela perde para a fome em menos de quatro semanas. “Eles estavam com fome e eu não tinha nada para vender”, diz Yusuf. "Pensei: 'deixe-me ir para onde possa obter assistência humanitária antes de perder o resto'."

Foto de Lynsey Addario National Geographic

Mulheres deslocadas pela seca procuram ajuda no acampamento Gabo Gabo, a cerca de 24 quilômetros de Jijiga, capital da região da Somália, Etiópia, em maio de 2021.

Foto de Lynsey Addario National Geographic

“Eles estavam com fome e eu não tinha nada para vender”, diz Yusuf. "Pensei: 'deixe-me ir para onde possa obter assistência humanitária antes de perder o resto'."

Hoje, três de seus cinco filhos restantes estão doentes com sarampo.

“Estávamos entre os pastores de gado nômades, mas a maioria do gado morreu nas secas. Vivemos à mercê de Deus e precisamos da ajuda de nossos irmãos.”

por HAFSA MOHAMED MUSA

Mulheres etíopes caminham após buscar água em um poço próximo. Por causa da seca prolongada, elas geralmente têm que caminhar por horas, ou até dias, para buscar água para beber, cozinhar e tomar banho. Estas mulheres fotografadas em maio de 2021 tiveram a sorte de ter um poço próximo construído por uma das organizações de ajuda da região.

Foto de Lynsey Addario National Geographic

Gaas Mohammed cava um buraco para coletar água da chuva em uma vila na região de Afar, na Etiópia, em maio de 2021. Como em outras partes do Chifre da África, a falta de chuva devido às mudanças climáticas levou a uma seca severa.

Foto de Lynsey Addario National Geographic, National Geographic

A falta de chuva, o conflito em curso, a instabilidade política e o aumento dos preços dos alimentos impulsionados pela guerra na Ucrânia estão provocando níveis críticos de fome e insegurança alimentar nos países da parte mais oriental do continente africano. Esta é a pior seca que atingiu a região em quatro décadas, e muitas comunidades estão enfrentando níveis de escassez de alimentos sem precedentes, o que estimula uma emergência de desnutrição em todo o Chifre da África, incluindo Quênia, Etiópia e Somália. Mais de 37 milhões de pessoas – incluindo cerca de sete milhões de crianças – estão à beira da fome, de acordo com várias organizações de assistência.

“A escala e a urgência da crise climática global é sem precedentes. É um momento de desânimo, mas é hoje que precisamos de uma ação coletiva ousada. Devemos salvar vidas e, ao mesmo tempo, apoiar as comunidades na linha de frente da crise climática global para se tornarem mais resilientes contra as mudanças climáticas que sabemos que continuarão a piorar nos próximos anos.”

por SEAN GRANVILLE-ROSS
DIRETOR REGIONAL DA MERCY CORPS ÁFRICA

A crise ocorre enquanto os líderes mundiais se preparam para se reunir em Sharm El Sheikh, Egito, em 6 de novembro, para a 27ª sessão da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). Na COP27, os países participantes negociam seus compromissos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa à medida que a Terra passa por desastres naturais cada vez mais devastadores e extinção de espécies, bem como a crescente demanda por alimentos e escassez de água.

Uma mulher somali deslocada constrói um novo abrigo no acampamento de Bolo Isaack Madow, em Baidoa (Somália). Mais de um milhão de pessoas foram deslocadas devido à atual seca no país.

Foto de Lynsey Addario National Geographic
À esquerda: No alto:

Ugaso Mohamed segura um balde para ordenhar uma de suas cabras enquanto sua filha, Yusra Abdulahi, ajuda a cuidar dos animais em uma fazenda nos arredores de Jijiga, na região somali da Etiópia, em maio de 2021. Antes da seca, os camelos forneceriam até oito jarros de leite, mas "agora não conseguimos encher um", diz Mohamed.

À direita: Acima:

Halima Awale passeia com vacas desnutridas em um vilarejo nos arredores de Jijiga, na Etiópia, onde a Mercy Corps está fornecendo ajuda humanitária.

fotografias de Lynsey Addario National Geographic

Şahan Omer Jibrin, de 28 anos, mãe de oito filhos, vive em um acampamento há três meses. Ela teve que fugir de sua casa em Ula, na Etiópia, para buscar ajuda por causa da seca.

Foto de Lynsey Addario National Geographic

“Em toda a África Oriental, estamos observando que as pessoas que menos fizeram para causar as mudanças climáticas são as que mais estão sofrendo seus efeitos”, diz Sean Granville-Ross, diretor regional da Mercy Corps para a África. “As comunidades estão enfrentando os graves impactos da crise climática de muitas formas, como secas severas. E, inversamente, em algumas áreas, inundações, mudanças nos padrões climáticos e seus impactos estão minando a produção de alimentos e os meios de subsistência tradicionais”.

“Quando eu cheguei, eles bebiam tanto leite... Eu vi meninos brincando e jogando leite uns nos outros... Hoje, a situação é tal que encontrar leite suficiente para encher uma xícara para fazer chá com leite é quase impossível.”

por VALERIE BROWNING
COORDENADORA DE PROGRAMA, NA AFAR PASTORALIST DEVELOPMENT ASSOC.

“A comunidade internacional deve agir rapidamente e fornecer fundos de emergência imediatos para sustentar e aumentar significativamente a resposta para ajudar a evitar que milhares de crianças morram de fome”, diz Said Mohamud Isse, consultor nacional de mídia e comunicação do escritório da Save the Children na Somália.

As cenas retratam uma situação calamitosa.

Fatuma Yassin, de 34 anos, abraça seu filho de três meses, Khalid, que está gravemente desnutrido, no Hospital Gardo em Puntland, Somália. Yassin e seus quatro filhos dependiam de parentes pastores para fornecer carne e leite dos animais. Mas como a seca persistiu, seus parentes se mudaram em busca de comida e água.

Foto de Lynsey Addario National Geographic

A Somália, que depende das importações de grãos da Ucrânia, está enfrentando as condições mais extremas, já que os preços dos alimentos e dos combustíveis continuam subindo com a guerra. A falta de chuva dizimou as colheitas, um grande número do gado está morrendo, mais de 500 mil crianças menores de cinco anos estão gravemente desnutridas, cerca de 300 mil pessoas estão enfrentando um nível catastrófico de escassez de alimentos, e estima-se que 1,1 milhão de pessoas estão deslocadas pela crise atual.

A National Geographic Society, comprometida em iluminar e proteger as maravilhas do nosso mundo, financia o trabalho da exploradora Lynsey Addario desde 2020. 

Arte de Illustration by Joe McKendry

Em Baidoa, estima-se que cerca de 600 mil pessoas deslocadas estão distribuídas em aproximadamente 500 campos diferentes. Em um deles, Khadija Muali se agacha na sombra quente com dezenas de outras mulheres e crianças que acabaram de chegar de uma localidade rural ao sudeste da cidade depois de caminhar por uma semana com seus filhos em busca de comida e água.

Muali tinha quatro filhos quando deixou Dinsor. Agora, ela tem dois: “Meus filhos morreram no caminho, de fome e fadiga”. Sua filha de três anos, Hawa Lul, faleceu no primeiro dia de sua caminhada; Abdul Rasaq, de sete anos, no quarto dia. Outros aldeões a ajudaram a enterrá-los ao longo do caminho.

“Quando você vê seu filho chorando por falta de comida, há conflito e não há possibilidade de trabalho ocasional, o que você faz?”, ela questiona.

Hafsa Mohamed Musa, mãe de cinco filhos, vive em um campo de deslocados há seis meses enquanto seu marido tenta ganhar uma renda em outro lugar.

“Estávamos entre os pastores nômades com gado, mas a maioria do gado morreu nas secas”, diz ela, acrescentando que a família já levava uma vida boa.

“Antigamente, havia abundância. Costumávamos ordenhar o gado, vendíamos alguns e sacrificávamos outros para obter carne. Então, veio uma seca consecutiva de dois anos. As cabras que tínhamos não conseguiam pastar”, ela lembra. “Depois que a seca começou, nossas vidas ficaram difíceis. Vivemos de esmolas de benfeitores. ”

Na Etiópia, que enfrenta uma violenta guerra civil no norte e efeitos devastadores das mudanças climáticas no sul, também está se desenvolvendo uma grave crise humanitária. A seca prolongada acabou com o gado, levou ao deslocamento e alterou a capacidade das famílias de ganhar a vida.

À esquerda: No alto:

Depois de ouvir rumores de chuva perto da fronteira com a Somália, esses pastores de camelos caminharam 12 dias para procurar pastagens, sem sucesso.

À direita: Acima:

A paisagem seca e árida de Puntland, na Somália, que atualmente enfrenta níveis críticos de insegurança alimentar, de acordo com a Save the Children.

fotografias de Lynsey Addario National Geographic

Pelo menos 5,2 milhões de pessoas precisam urgentemente de ajuda alimentar, cerca de três milhões de crianças correm o risco de desnutrição e mais de 3,5 milhões de pessoas não têm acesso a água potável.

“Quando eu cheguei, eles bebiam tanto leite... Eu vi meninos brincando, jogando leite uns nos outros”, lembra a enfermeira australiana Valerie Browning, coordenadora do programa da Associação de Desenvolvimento Pastoral de Afar na Etiópia, que viveu entre os nômades Afar por mais de três décadas. “Hoje, a situação é tal que encontrar leite suficiente para encher uma xícara para fazer chá com leite é quase impossível.”

Sadio Abdi Rahman Ahmed, de 50 anos, perto de sua barraca com três de seus seis filhos em um acampamento em Baidoa, na Somália. Da esquerda para a direita estão Faiso, de oito anos, Abdi Haffid, de três, e Ahalan, de cinco.

Foto de Lynsey Addario National Geographic
A fotojornalista Lynsey Addario passou recentemente nove dias na Somália para a National Geographic. Ela também viajou para Tigray, na Etiópia, no ano passado, para relatar como a violência estava afetando as pessoas que vivem lá. Siga-a no Instagram @lynseyaddario.
Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Quais são os benefícios e os danos do dióxido de carbono?
Meio Ambiente
Como as mudanças climáticas afetam o ser humano?
Meio Ambiente
Teremos mais arco-íris no futuro. Por que isso não é um bom sinal?
Meio Ambiente
Já somos 8 bilhões de pessoas no mundo!
Meio Ambiente
O que causa o aquecimento global?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados