6 vitórias ambientais que nos deram esperança em 2022

De um novo parque marinho próspero a regras para conter a poluição plástica, 2022 nos deu vários motivos para estarmos otimistas com o futuro do planeta.

Um mergulhador nada sob um cardume de Caranx latus na Reserva Natural de Cabo Pulmo, em Baja, no México. As reservas naturais são faixas de terra reservadas para proteger a natureza. A pesquisa está começando a mostrar como eles podem beneficiar a vida selvagem e as pessoas.

Foto de Josh Humbert Nat Geo Image Collection
Por Sarah Gibbens
Publicado 28 de dez. de 2022 09:05 BRT

O mundo agora tem oito bilhões de pessoas, de acordo com as Nações Unidas. O marco, alcançado no final deste ano, ocorre em um momento em que a mudança climática está perturbando cada vez mais a vida na Terra como a conhecemos. 

Incêndios florestais e secas continuam a assolar o oeste americano. As inundações estão destruindo cidades. As ondas de calor estão tornando os verões mortais, e as emissões de gases de efeito estufa que pioram esses desastres estão aumentando

A esperança, no entanto, não está perdida para todos os oito bilhões de nós.

Os cientistas estão criando novas formas de coexistirmos com a natureza, desde hackear o genoma das plantas até criar reservas marinhas que protegem as pessoas e o planeta. Politicamente, o meio ambiente também obteve algumas vitórias importantes este ano. 

Aqui estão seis vitórias ambientais de 2022. 

1. Acordo climático global aborda injustiça de longa data

Alguns dos países mais afetados pela mudança climática foram os que menos fizeram para causá-la. É por isso que os líderes mundiais em uma conferência climática global – COP27 – em novembro concordaram com um sistema de financiamento que ajudaria as nações em desenvolvimento a acessar assistência financeira para se adaptar e se recuperar das mudanças climáticas. 

O acordo está sendo saudado como um reconhecimento histórico de uma crescente injustiça climática global. Os países que buscam restituição viram suas reivindicações reforçadas pelo que é chamado de “ciência da atribuição” – a ciência de vincular tempestades individuais, ondas de calor e outros desastres climáticos às mudanças climáticas globais. 

Por exemplo, quando o Paquistão foi atingido por inundações catastróficas e mortais neste verão, a pesquisa mostrou que as inundações foram agravadas pelas mudanças climáticas. Embora o Paquistão tenha contribuído com menos de um por cento das emissões de carbono do mundo que impulsionaram o desastre, o país estava sujeito a bilhões em danos.

2. Proteger a natureza traz benefícios surpreendentes para nós  

Áreas marinhas protegidas são trechos do oceano que limitam a atividade humana para proteger espécies animais e vegetais. Os cientistas dizem que essas reservas são importantes para limitar a rápida taxa de extinção que ocorre como resultado das mudanças climáticas e atividades humanas como perfuração, mineração e navegação.

A maior reserva marinha do mundo, Papahānaumokuākea Marine National Monument no Havaí (EUA), mostrou que não apenas protege a vida marinha nos limites do parque, mas também ajuda a vida marinha que vive fora de suas fronteiras a florescer. E, como um bônus adicional, também nos ajuda.

Um estudo sobre a reserva publicado em outubro descobriu que os barcos que pescam espécies lucrativas de atum fora dos limites do parque capturam mais atum desde que o parque foi criado. Os cientistas acham que essas taxas de captura são resultado do “efeito de transbordamento” das reservas marinhas – ou seja, quando as populações de peixes no parque florescem, elas “transbordam” para as áreas próximas. 

Evidências de que áreas protegidas como essas podem beneficiar tanto as pessoas quanto a natureza mostram que formas mais sustentáveis ​​de fazer negócios são possíveis. 

3. Investimento histórico no combate às mudanças climáticas 

Nos EUA, o Inflation Reduction Act (IRA) foi uma vitória política para o planeta. Lei assinada em agosto, o IRA investiu US$ 369 bilhões em projetos de energia limpa e incentivos para tecnologia de eficiência energética, como veículos elétricos. 

“Esta é a peça da legislação dos EUA para o clima de maior importância de todos os tempos”, disse à National Geographic, na época, Richard Newell, executivo-chefe da Resources for the Future, uma organização sem fins lucrativos de pesquisa de energia.

A análise científica do projeto de lei mostrou que ele poderia ajudar os EUA a fazer uma transição mais rápida para a energia renovável. Até o final da década, 81% da energia do país poderá vir de fontes como a eólica e a solar. O projeto de lei também introduziu discretamente a primeira taxa do país sobre um gás de efeito estufa – o metano, uma fonte mais potente de poluição do planeta do que o dióxido de carbono. 

4. Hackeando o poder tecnológico das plantas 

À medida que os humanos lançam mais poluição de dióxido de carbono na atmosfera, as plantas – de gramíneas a árvores de floresta tropical – desempenham um papel essencial na remoção desse carbono do ar e no seu armazenamento no subsolo. Usando a tecnologia de edição de genes Crispr, os cientistas estão embarcando em um projeto de pesquisa de US$ 11 milhões para tentar hackear a fotossíntese para sugar o carbono do ar com mais eficiência.

Um homem trabalha para cultivar folhas verdes em um substrato reutilizável feito de garrafas plásticas recicladas. Fazendas verticais como essas são uma maneira inovadora de os produtores de alimentos experimentarem o cultivo de mais alimentos frescos para uma população crescente.

Foto de Luca Locatelli Nat Geo Image Collection

Além do armazenamento de carbono, os cientistas também estão mudando a forma de como as plantas são cultivadas para alimentação. Viver em um planeta cada vez mais populoso significa que precisaremos de novas maneiras de alimentar mais pessoas com alimentos nutritivos cultivados em ainda menos espaço. Para fazer isso, os cientistas estão avançando na inovação alimentar que rivalizam com a ficção científica. 

Uma pesquisa publicada em junho mostrou que era possível cultivar algumas plantas comestíveis – incluindo algas, leveduras comestíveis e cogumelos – sem fotossíntese. Este primeiro passo promissor para o cultivo de alimentos no escuro pode ser útil para os astronautas que viajam pelo espaço ou como uma visão de como fazer as plantações crescerem com mais eficiência na Terra. 

Os cientistas também estão construindo estufas experimentais no fundo do mar para economizar água e energia. As fotografias publicadas recentemente pelo fotógrafo Luca Locatelli mostram uma fazenda subaquática na Itália. 

5. Reprimindo o plástico  

O plástico está em toda parte – em nossa água, ar e até mesmo em nosso sangue. É por isso que os governos, internacionalmente e em nível local, estão tentando reduzir a quantidade de plástico que flui para o meio ambiente. 

Em março, 175 delegados das Nações Unidas concordaram em negociar um tratado global até 2024 que reduziria o fluxo de plásticos. O tratado exigiria legalmente que os países limpassem sua poluição plástica, uma estrutura mais rígida do que as reduções voluntárias de emissões que os países fazem sob o Acordo Climático de Paris. 

E em junho, a Califórnia aprovou uma lei de plásticos revolucionária que visa reduzir a quantidade de plástico em produtos descartáveis ​​em um quarto nos próximos 10 anos. Restringir a produção, em vez de melhorar a reciclabilidade, é uma mudança significativa na forma como os governos lidam com a poluição plástica.

6. Encontrar maneiras de proteger e restaurar a natureza 

Nos recifes de corais tropicais do Havaí, a natureza está encontrando uma maneira de se adaptar às mudanças climáticas. Duas espécies de coral comumente encontradas podem ser capazes de viver com sucesso em temperaturas oceânicas mais quentes, de acordo com uma pesquisa publicada em março. 

Essa adaptação oferece alguma esperança de que os recifes, que sofrem grandes mortes durante as ondas de calor, possam sobreviver ao aumento das temperaturas.  

Enquanto isso, os humanos estão dando uma grande ajuda à natureza por meio do movimento de reflorestamento. Rewilding é vagamente definido como o processo de trazer de volta espécies perdidas de plantas e animais. A Escócia, que está empenhada em se tornar a primeira “nação reflorestada” do mundo, está trazendo de volta à vida florestas que foram perdidas por séculos. 

Na Califórnia e na Louisiana, permite-se que a natureza corrija seu próprio curso. Uma agência federal de energia aprovou recentemente um plano para demolir quatro represas ao longo do rio Klamath, na Califórnia, para restaurar habitats críticos de salmão. Ao longo da costa do Golfo, a Louisiana deu um grande passo em direção ao seu plano de alterar o fluxo do delta do rio Mississippi e desviar os sedimentos rio abaixo – um último esforço para restaurar a linha costeira do estado que está desaparecendo.

No radar de 2023: novos regulamentos para água potável

A Agência de Proteção Ambiental tem até o final do ano para propor uma nova regra de água potável para lidar com produtos químicos chamados PFAS. Abreviação em inglês de “substâncias per e polifluoroalquil”, PFAS é tecnicamente uma classe de produtos químicos que inclui até 9000 iterações diferentes da substância. 

Elas estão nos utensílios domésticos do dia a dia: capas de chuva, carpetes, cortinas e panelas antiaderentes, por exemplo. Mas estudos mostram que a maioria de nós também tem isso no sangue – e estamos apenas começando a aprender sobre as consequências a longo prazo para a saúde. A regra da EPA regularia dois tipos de PFAS chamados PFOS e PFOA.

Um padrão de água potável seria um grande passo para regular o PFAS em nossa água encanada e uma vitória ambiental para o próximo ano.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Como as mudanças climáticas afetam o ser humano?
Meio Ambiente
O que causa o aquecimento global?
Meio Ambiente
O que é a COP27 e por que ela é relevante para a agenda climática?
Meio Ambiente
Mudanças climáticas aumentam casos de doenças como dengue e chikungunya
Meio Ambiente
Mudança climática: o que é, como é causada e o que você pode fazer para revertê-la

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados