Núcleo da Terra teria desacelerado, indica novo estudo

A esfera quente localizada no interior do nosso planeta está em constante movimento. Mas uma nova pesquisa científica defende que o núcleo da Terra pode ter parado de rotacionar.

A lava flui para o vale Meralir de uma erupção vulcânica em Reykjanes, na Islândia.

Foto de Chris Burkard
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 24 de jan. de 2023 18:15 BRT

Um estudo publicado no último dia 23 de janeiro pela revista Nature Geoscience, e intitulado Variação Multidecadal da Rotação do Núcleo Interno da Terra, sugere que a rotação da esfera quente localizada no interior da Terra parou recentemente – o que poderia gerar impactos em nosso planeta.

Originalmente, a Terra é formada por quatro camadas principais, como explica o site da Nasa. São eles o núcleo interno, o núcleo externo, o manto e a crosta.

O núcleo interno é uma esfera sólida feita de metais como ferro e níquel, e com cerca de 1,2 mil km de raio. Nesta região, a temperatura chega a 5400ºC, de acordo com a agência espacial norte-americana.

O núcleo interno da Terra gira mais devagar agora?

Ao estudar as ondas sísmicas registradas de 1960 a 2021, de dois pontos distantes da Terra, o Alasca e as ilhas Sandwich do Sul (perto da Antártida), os pesquisadores Yi Yang e Xiaodong Song, sismólogos da Universidade de Pequim (China), propuseram esta teoria de que o centro da Terra gira em uma direção e depois na outra, em ciclos de quase 70 anos.

Essa análise mostrou que todas as faixas que anteriormente apresentavam mudanças temporais significativas, mostraram poucas mudanças durante a última década. Segundo os pesquisadores, isso pode indicar que o núcleo de interno parou por volta de 2009.

(Conteúdo relacionado: As estrelas estão desaparecendo? O que dizem os cientistas)

Ilustração do manto e do núcleo da Terra.

Arte de CHUCK CARTER

Como a mudança da rotação do núcleo interno impactaria na Terra

“A mudança foi observada em vários pontos do mundo, o que – segundo os pesquisadores – confirma que se trata de um verdadeiro fenômeno planetário relacionado à rotação do núcleo. E não apenas uma alteração local na superfície do núcleo interno”, explica o artigo da Nature.

Além disso, os dados sugerem que o núcleo interno pode estar em processo de sub-rotação (girando mais lentamente que o manto). Caso isso esteja mesmo ocorrendo, continua a Nature, é provável que as forças magnéticas e gravitacionais, que impulsionam a rotação do núcleo interno, sejam influenciadas.

“Tais mudanças podem ligar o núcleo interno a fenômenos geofísicos mais amplos, como aumento ou redução na duração de um dia na Terra”, explica o artigo.

Os resultados da pesquisa, de acordo com a publicação científica, podem ajudar a esclarecer muitos mistérios da Terra profunda, “incluindo o papel que o núcleo interno desempenha na manutenção do campo magnético do planeta e em sua velocidade de rotação e, portanto, a duração de um dia”.

(Veja também: Telescópio James Webb da NASA descobriu um planeta do tamanho da Terra)

Existem diferentes teorias sobre a rotação do núcleo da Terra

"Desde a década de 1960, disseram os cientistas Xiaodong Song e Paul Richards, o tempo de viagem das ondas sísmicas geradas desses terremotos mudou, indicando que o núcleo interno está girando mais rápido que o manto do planeta", escreve a jornalista Alexandra Witze, em reportagem sobre o artigo no site da Nature.

(Pode lhe interessar: Campo magnético da Terra muda a uma taxa mais frequente do que o esperado)

Estudos posteriores concluíram que o núcleo interno gira mais rápido que o manto em, aproximadamente, um décimo de grau por ano. Outro estudo, no entanto, sugere que a super rotação ocorre principalmente em períodos distintos, em vez de ser um fenômeno contínuo e constante.

Por outro lado, a publicação lembra que "alguns cientistas argumentam que a super rotação não existe e que as diferenças nos tempos de viagem dos terremotos são causadas por mudanças físicas na superfície do núcleo interno".

Além disso, em junho de 2022, os pesquisadores John Vidale e Wei Wang usaram dados de ondas sísmicas geradas por explosões de testes nucleares dos Estados Unidos entre 1969 e 1971, e relataram que, entre esses anos, o núcleo interno da Terra teria girado mais lentamente que o manto. “Somente depois de 1971, dizem esses cientistas, ele ganhou velocidade e começou a girar excessivamente”, menciona o artigo.

No texto publicado pela Nature, os pesquisadores afirmam que o estudo que consta na Nature Geoscience “é apenas a mais recente contribuição de um esforço prolongado para explicar a rotação incomum do núcleo interno, e não pode ser a última palavra sobre isso”. Eles também esclareceram que ainda há muitas perguntas a serem respondidas sobre o tema.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Espaço
Ano Novo: quais são os primeiros e os últimos países a celebrá-lo
Ciência
Parte de antigo supercontinente descoberta sob a Nova Zelândia
Ciência
Quantos litros de água devem ser tomados por dia de acordo com a ciência
Ciência
Fatos que você precisa saber sobre a tabela periódica
Ciência
O que é a tabela periódica?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados