Como a humanidade desaparecerá? O que a ciência diz

Alguns dos fenômenos que podem marcar o fim da vida humana na Terra podem ocorrer em milhares de anos.

Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 31 de jul. de 2023, 09:59 BRT
Estrela Eta Carinae expele gás e poeira.

Estrela Eta Carinae expele gás e poeira.

Foto de NASA

Ao longo de sua história, a Terra testemunhou uma variedade de cataclismos, desde grandes erupções vulcânicas até colisões de asteroides. Mas como as pessoas poderiam desaparecer? Algumas teorias apontam para possíveis eventos que poderiam acabar com o mundo: o impacto de grandes asteroides, a desoxigenação, uma explosão de raios gama ou o fim do Sol. 

Como um asteroide gigante poderia acabar com a vida na Terra

O impacto de um asteroide neste planeta tem efeitos conhecidos. Há 66 milhões de anos, uma rocha gigante do tamanho de uma cidade atingiu o Golfo do México e exterminou os dinossauros. Acredita-se, de acordo com a revista Astronomy, publicação especializada no tema, que um asteroide gigante poderia gerar efeitos semelhantes novamente e exterminar a humanidade.

Entretanto, a revista ressalta que é improvável que isso aconteça em breve. De acordo com o registro geológico de impactos cósmicos, a Terra é atingida por um grande asteroide aproximadamente a cada 100 milhões de anos. 

De acordo com a Astronomy, seria necessária uma rocha espacial realmente gigantesca para chegar a erradicar a humanidade. Somente asteroides como o Pallas e o Vesta, os maiores do Sistema Solar, são grandes o suficiente para isso. Além disso, uma colisão com um objeto tão grande é improvável.

A falta de oxigênio pode significar o fim da vida na Terra

Os seres humanos não poderiam viver sem oxigênio. Um período chamado de grande oxidação, que ocorreu há quase 2,5 bilhões de anos, encheu a atmosfera de oxigênio e possibilitou a vida humana.

No entanto, uma das grandes extinções da Terra – um evento de 450 milhões de anos atrás chamado extinção em massa do Ordoviciano Tardio – provavelmente aconteceu porque ocorreu o oposto, informa a Astronomy.

De acordo com a publicação, o planeta sofreu uma queda repentina nos níveis de oxigênio que durou vários milhões de anos. Embora a causa exata desse fenômeno não seja conhecida, sabe-se que mais de 80% da vida na Terra desapareceu neste período.

Se isso aconteceu, poderia acontecer novamente hoje? Um estudo da Nature Communications citado pela Astronomy aponta que a mudança climática já está reduzindo os níveis de oxigênio nos oceanos, o que poderia acabar com as espécies marinhas.

Explosões de raios gama podem desencadear a extinção

As explosões de raios gama (GRBs) são eventos misteriosos que parecem ser as explosões mais violentas e energéticas do cosmos, e os astrônomos suspeitam que elas estejam ligadas a estrelas supernovas extremas, que até agora só foram registradas em outras galáxias.

Se uma explosão de GRB ocorresse na Via Láctea, como provavelmente ocorreu no passado, poderia causar uma extinção em massa na Terra. De acordo com a publicação, um GRB apontado na direção deste planeta poderia destruir pelo menos metade da camada de ozônio da Terra em apenas 10 segundos. 

Assim, a remoção da camada de ozônio em uma escala suficientemente grande causaria estragos nas cadeias alimentares e mataria um grande número de espécies. Por sua vez, isso eliminaria as formas de vida que vivem nos níveis superiores do oceano, que atualmente contribuem com quantidades significativas de oxigênio para a atmosfera. 

Além disso, os raios gama decompõem o oxigênio atmosférico e o nitrogênio em dióxido de nitrogênio (popularmente conhecido como smog). O excesso de smog na Terra bloquearia a luz do Sol e daria início a uma era glacial global.

O fim do Sol significaria o fim da humanidade

Em cerca de um bilhão de anos, a maior parte da vida na Terra morrerá por falta de oxigênio, diz um estudo publicado na revista Nature Geoscience em 2021. De acordo com a Astronomy, a atividade solar fará com que o oxigênio atmosférico caia para o nível em que se encontrava antes da grande oxidação.

Chegará um ponto em que o dióxido de carbono atmosférico se decomporá e as plantas e organismos produtores de oxigênio que dependem da fotossíntese serão extintos. 

Embora o momento exato e o período de tempo necessário (o processo de desoxigenação pode levar até 10 000 anos) dependam de uma ampla gama de fatores, os autores argumentam que esse cataclismo é inevitável para o planeta.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados