O ano de 2024 pode trazer as melhores auroras boreais dos últimos 20 anos

Nosso Sol está atingindo o pico de seu ciclo de aproximadamente 11 anos, quando as luzes do norte são mais visíveis. O último pico foi o mais fraco em um século – será que o ano de 2024 poderá compensar isso e trazer belas auroras boreais?

As auroras boreais são comuns na Islândia, como esta acima do vilarejo de Vik. Durante o máximo solar, o alcance geográfico e visual das auroras pode se estender muito mais ao sul do planeta.

Foto de Ben Horton, Nat Geo Image Collection
Por Terry Ward
Publicado 2 de jan. de 2024, 07:55 BRT

Três décadas se passaram desde que o fotógrafo Wesley Luginbyhl viu as luzes do norte (mais conhecidas como aurora boreal) em seu estado natal, o Texas, nos Estados Unidos. Então, na primavera deste ano, ele as fotografou duas vezes.

Uma tempestade solar particularmente intensa – erupções que impulsionam partículas eletricamente carregadas em alta velocidade para longe do Sol – fez com que a aurora boreal fosse vista em latitudes muito mais ao sul do que o normal, com avistamentos nos estados norte-americanos da Virgínia, Texas e Arizona e no sul da Espanha.

O fotógrafo Luginbyhl diz que não esperava captar mais do que um leve brilho vermelho no horizonte em fotos durante o evento de abril, mas enquanto dirigia para o norte, de Amarillo a Texahoma, "todo o horizonte norte tinha um brilho", conta. Ele capturou cores incrivelmente brilhantes – azul, rosa, vermelho e verde – da aurora boreal, que, segundo ele, estava praticamente acima de sua cabeça.

Em 2024, os especialistas dizem que poderemos ver ainda mais auroras em regiões onde elas normalmente não são vistas. Isso ocorre porque o Sol está atingindo o pico (chamado de "máximo solar") de seu ciclo de aproximadamente 11 anos, no qual a atividade solar será maior. 

Mas esse máximo tem ainda mais entusiasmo do que o normal porque o último, em 2014, foi o mais fraco em um século, diz Mark Miesch, cientista pesquisador do Centro de Previsão do Tempo Espacial da NOAA em Boulder, Colorado. Isso significa que 2024 verá as melhores auroras dos últimos 20 anos? Aqui, abaixo, está o que você precisa saber.

À esquerda: No alto:

Um moinho de vento é emoldurado pelo suave brilho vermelho de uma aurora boreal em Dalhart, no Texas, Estados Unidos.

À direita: Acima:

Diferentemente de muitas auroras vistas ao sul de sua região típica, essa aurora apresentou cores vibrantes de laranja e verde junto com o vermelho.

fotos de Wesley Luginbyhl

Como ver a aurora boreal durante o máximo solar?

As auroras boreais aparecem em uma região ao redor do polo magnético da Terra, chamada de "oval auroral" ou "zona auroral", explica Don Hampton, professor associado de pesquisa do Instituto Geofísico da Universidade do Alasca em Fairbanks, Estados Unidos. 

Mas essa região muda e flutua o tempo todo, dependendo da força do vento solar, um fluxo de partículas carregadas da atmosfera do sol que pode ser fortalecido por tempestades. Durante o máximo solar, os especialistas esperam que os episódios em que a zona auroral cresce e fica mais ativa ocorram com mais frequência.

"Quando há mais energia do Sol, [a zona auroral] fica mais espessa e se expande mais ao sul", diz Hampton. "Não acho que seja uma previsão muito ousada dizer que as pessoas no meio-oeste dos Estados Unidos e talvez até no meio-oeste inferior (paralelo 40) terão uma boa chance de ver a aurora boreal uma ou duas vezes durante esse ciclo solar, mas não há garantias", diz ele. Nos Estados Unidos, o paralelo 40 passa por Provo, Utah; Boulder, Colorado; norte de Indianápolis; e Columbus, Ohio.

Aplicativos de previsão de auroras, como o Space Weather Prediction Center da NOAA, Aurora AlertsMy Aurora Forecast & Alerts, podem ajudar os caçadores a prever quando será melhor ver a aurora boreal, bem como até que ponto ao sul o oval auroral se estenderá após a atividade solar. Em média, as auroras são mais frequentes por volta dos equinócios de março e outubro, afirma Magnus Wik, cientista do clima espacial do Instituto Sueco de Física Espacial.

Há mais a se considerar quando se trata de horário e local – céus nublados ou poluídos pela luz dificultam ou impedem a observação das auroras. Para escapar da poluição luminosa causada pelo homem, considere a possibilidade de pesquisar no DarkSky.org os locais certificados internacionalmente como céu escuro em todo o mundo.

direção em que você olha também é importante, dependendo de sua localização em relação ao oval da aurora. "No Alasca, se tivermos uma grande tempestade solar, olhamos para cima ou para o sul", disse Hampton. "No Meio-Oeste, encontre um campo e olhe para o norte e veja o que você consegue ver."

Nem toda visualização de aurora boreal é criada da mesma forma, adverte Miesch. "Nas raras ocasiões em que é possível vê-la bem nos Estados Unidos contíguos, geralmente é um brilho vermelho fraco no horizonte – nem de longe tão dramático quanto em fotos e filmes", diz ele.

A área escura na parte superior do sol nesta imagem tirada em outubro de 2015 é um buraco coronal, uma região onde o campo magnético está aberto para o espaço. Um fluxo de vento solar de alta velocidade que se originou desse buraco coronal resultou em várias noites de auroras na Terra.

Foto de NASA, eyevine, Redux

Atividade solar e o máximo solar

ciclo atual do Sol, o Ciclo Solar 25, começou em dezembro de 2019. Espera-se que a atividade em nossa estrela mais próxima atinja o pico mais cedo e mais forte do que a Noaa previu anteriormente no início do ciclo.

Explosões solares, ejeções de massa coronal e manchas solares são apenas alguns dos eventos solares que devem aumentar em frequência e força em 2024, diz Wik.

As manchas solares são áreas mais escuras e frias na superfície do Sol, onde a força magnética é significativamente maior do que em qualquer outra parte do sol. Hampton diz que esse ciclo já registrou mais manchas solares do que os últimos ciclos solares. Tanto as erupções solares quanto as ejeções de massa coronal (CMEs) ocorrem com frequência perto dessas áreas e ambas expulsam energia para o espaço.

"O máximo solar significa mais tempestades e, durante as tempestades, as luzes do norte ocorrem com mais frequência, são mais intensas, duram mais e podem se estender a latitudes mais baixas do que o normal", explica Slava Merkin, físico espacial e diretor do Centro de Tempestades Geoespaciais do Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins. 

As auroras boreais são causadas pela interação do vento solar (um fluxo de gás quente magnetizado chamado plasma) com a magnetosfera (a região do espaço ao redor da Terra na qual o campo magnético do nosso planeta é dominante), diz Miesch. Há dois tipos de emissões de plasma do Sol que causam auroras: CMEs e fluxos de vento solar de alta velocidade que também podem causar tempestades geomagnéticas mais fracas.

Como as tempestades solares afetam a Terra?

Embora muitas tempestades solares enviem rajadas de vento solar em outras direções, aquelas que atingem a Terra podem comprimir e distorcer nossa magnetosfera, a bolha magnética protetora que envolve o planeta, afirma Miesch.

As condições em nossa atmosfera externa, inclusive a magnetosfera, afetam a tecnologia na Terra de várias maneiras, diz Bill Murtagh, coordenador do Programa do Centro de Previsão do Clima Espacial da NOAA, inclusive interrompendo as funções do GPS e interferindo nos satélites em órbita baixa.

Com os atuais níveis de atividade solar mais altos do que nos últimos 20 anos e aumentando em 2024, isso significa mais tempestades com as quais aprender, diz Miesch. 

"Quanto mais observarmos esses fenômenos, melhor os entenderemos e, quanto melhor os entendermos, melhor podemos prevê-los."

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados