Por que Elizabeth 2ª foi a rainha mais improvável do Reino Unido moderno

Por National Geographic Staff
Publicado 12 de set. de 2022 09:50 BRT
Crowned Monarchs

Elizabeth Alexandra Mary Windsor não deveria ter sido a rainha, mas acabou como a monarca com o reinado mais longo da Grã-Bretanha. Aqui, a princesa Elizabeth (centro) e o resto da família real cumprimentam a multidão após a cerimônia de coroação de seu pai, o rei George 6°, em maio de 1937.

Foto de Central Press Getty Images

A morte da rainha Elizabeth 2ª no dia 8 de setembro de 2022 encerrou o reinado mais longo de todos os tempos da monarquia britânica. Mas, embora fosse descendente da realeza, Elizabeth Alexandra Mary Windsor não deveria ter sido rainha – até que uma série de eventos históricos inesperados a colocou no comando da monarquia mais famosa do mundo.

Rainha Elizabeth: uma árvore genealógica real

A rainha Vitória reinou sobre o Império Britânico por quase 64 anos, a mais longa de todas as monarcas britânicas até que sua tataraneta Elizabeth 2ª a superou em setembro de 2015. A Rainha Elizabeth morreu após 70 anos de governo.

Foto de Science History Images Alamy

A tataravó de Elizabeth, Victoria, reinou sobre o Império Britânico por quase 64 anos, mais do que qualquer monarca britânico antes dela. E, assim como a tataraneta, ela não era a primeira na linha de sucessão ao trono. Victoria era a quinta na linha de sucessão, mas uma série de mortes a colocou no poder quando ela tinha apenas 18 anos.

O filho mais velho de Victoria, Edward 7°, foi herdeiro do trono por décadas, mas sua mãe longeva impediu sua ascensão ao trono até os 59 anos. Ele reinou por apenas nove anos antes de morrer. Até então, seu filho mais velho, o príncipe Albert Victor, havia morrido com apenas 28 anos, então o segundo filho de Edward, George, assumiu o trono.

George 5° teve um reinado de 25 anos e, após sua morte em 1936, seu filho mais velho, Edward 8° – tio de Elizabeth – assumiu o trono. Mas, quando se apaixonou pela socialite americana Wallis Simpson, duas vezes divorciada, decidiu abdicar.

O que levou Elizabeth à monarquia

Ao abdicar o trono, Edward 8° criou uma crise constitucional, e novamente a linha de sucessão mudou para outro braço da família. Se Edward tivesse seus próprios filhos, eles poderiam tê-lo sucedido. Em vez disso, o irmão do rei desonrado, George 6°, relutantemente assumiu o trono.

A princesa Elizabeth (à esquerda), mais tarde rainha Elizabeth 2ª, anda de triciclo em um parque de Londres por volta de 1935.

Foto de Keystone Getty Images

Como ele não tinha filhos (na época, os herdeiros do sexo masculino tinham precedência por causa do sistema de primogenitura masculina do país, uma tradição que terminou em 2013), sua filha primogênita, Elizabeth, tornou-se a primeira na linha de sucessão para a monarquia.

Na época da abdicação, Elizabeth tinha dez anos. Ela havia passado a infância em Londres e no interior, em cidades próximas. Embora sua casa em Londres, nos limites do Hyde Park, fosse elegante e grande, não tinha segurança suficiente para falar, agora, linha de sucessão direta do rei. A princesa foi educada em casa ao lado de sua irmã mais nova, Margaret, por uma variedade de tutores.

[Você pode se interessar: 6 lugares para visitar se você curte casamentos]

A vida de Elizabeth como princesa

“Se a princesa Elizabeth tivesse crescido e se tornado prima ou irmã do monarca, ela ainda teria assumido alguns deveres reais, mas também teria desfrutado de uma vida mais tranquila, com menos escrutínio da imprensa e mais tempo para perseguir seus próprios interesses”, diz a historiadora e comentarista real Carolyn Harris.

Em vez disso, a vida de Elizabeth mudou drasticamente em 1936, quando seu tio abdicou e seu pai se tornou o rei George 6°. De repente, ela morava no Palácio de Buckingham. Seus movimentos eram restritos; sua educação mudou. Embora sua governanta, Marion Crawford, tentasse dar a sua vida alguma normalidade, levando ela e sua irmã em passeios e até mesmo organizando um grupo de escoteiros entre os filhos de funcionários do palácio e uma variedade de amigos e parentes aristocráticos, a vida de Elizabeth era tudo, menos normal.

A monarquia da Rainha Vitória até Elizabeth

Esperava-se que a princesa dominasse as graças sociais de uma realeza e entendesse a história, os protocolos e as leis do país sobre o qual ela um dia reinaria. Ela estudou história com o arquivista real, recebeu aulas de religião com o arcebispo de Canterbury e tornou-se fluente em francês.

Especialistas discordam sobre a extensão de sua educação. Assumir o trono “deve ter sido extraordinariamente difícil para ela, principalmente porque ela nunca frequentou a escola e nunca teve aquela educação mais ampla que talvez agora tenhamos como certo”, disse o correspondente real Chris Shop ao jornal inglês Daily Express em 2019.

A princesa Elizabeth (à direita) e a princesa Margaret (1930-2002) trabalham em pinturas na sala de aula do Palácio de Buckingham, em Londres, em junho de 1940. Como filha mais velha de George 6°, Elizabeth subiu ao trono após sua morte em 1952.

Foto de Lisa Sheridan Studio Lisa, Getty Images

Seu pai, que apesar de sua timidez e gagueira, tornou-se uma figura nacional amada, o que também ajudou, diz Harris. “Elizabeth aprendeu seu futuro papel como soberana seguindo seu pai. George 6° não nasceu para ser rei e não se sentia à vontade para falar em público, mas se elevou para a ocasião”. O rei hesitante reinou até sua morte, em 1952, quando Elizabeth se tornou rainha.

[Veja também: O outro lado da história de Diana]

O dever chama: a coroação de Elizabeth II 

Uma amiga de infância, Sonia Berry, disse a Andrew Alderson, do Sunday Telegraph, em 2006, que a rainha Elizabeth provavelmente teria escolhido uma trajetória diferente para sua vida se tivesse a chance. “Acho que ela teria sido mais feliz casada e morando no campo com seus cães e cavalos”, disse Berry. “É um trabalho muito solitário porque, mesmo quando ela conhece bem as pessoas, ela ainda é a rainha, e ainda há uma barreira lá.”

[Veja também: A vida de príncipe Philip, Duque de Edimburgo, em fotos]

A rainha Elizabeth 2ª, sentada em um trono de ouro e usando a Coroa Real cravejada de joias, abre o Parlamento em 1960. A rainha Elizabeth abriu o Parlamento todos os anos de seu reinado, exceto em 1959 e 1963, quando estava grávida, e em 2022 devido a problemas de mobilidade.

Foto de Robert Goodman Nat Geo Image Collection

Quanto à série de eventos não planejados, mas fatídicos, que levaram Elizabeth 2ª ao trono, a exceção sempre foi a regra para a família real, diz Harris. Ela ressalta que, até recentemente, a sucessão muitas vezes seguia rumos inesperados por causa de morte, abdicação ou ausência de herdeiros diretos no ramo principal da família real.

“A atual sucessão real, onde há três gerações de herdeiros masculinos diretos [príncipe Charles, príncipe William e príncipe George], é relativamente rara na história real britânica”, diz ela.

[Relacionado: Fique atento a estes 8 elementos do casamento real]

Como aqueles que vieram antes dela, Elizabeth 2ª deixou claro que era seu dever servir. “Declaro diante de vocês que toda a minha vida, seja longa ou curta, será dedicada ao seu serviço e ao serviço de nossa grande família imperial, à qual todos pertencemos”, disse ela a seus futuros súditos durante um discurso de rádio proferido em seu 21º aniversário, em abril de 1947.

Mais de 75 anos depois, ela cumpriu essa promessa, mesmo que não fosse uma que ela queria fazer.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Exclusivo: veja fotos raras da Rainha Elizabeth dos arquivos de Nat Geo
História
Como a generosidade de um estranho na Segunda Guerra nos deu a teoria do Big Bang
Cultura
Neste país, redes sociais são usadas para suavizar passado brutal
História
Veja como a Rainha Vitória reconstruiu a monarquia britânica
História
Philip de Edimburgo, o primeiro amor da Rainha Elizabeth 2ª

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados