A corrida para minerar as profundezas dos mares começou – mas os cientistas estão cautelosos

Alguns dos maiores depósitos de ferro, cobre e elementos raros estão no meio do Pacífico. Extraí-los tem um custo alto.Thursday, September 20, 2018

Por Jon Letman
Nódulos polimetálicos como este, feitos de camadas de ferro e manganês, ficam no fundo do mar. As empresas de mineração de alto-mar estão procurando esses nódulos para uso na indústria de tecnologia, mas os cientistas estão preocupados com os danos que poderiam ser causados ao fundo do mar e a seus habitantes durante a extração.

Mais perto que a lua, mas menos mapeadas do que Marte, as profundezas do mar abrigam criaturas sobrenaturais dignas de um filme de ficção científica. Seu habitat remoto chamou a atenção dos seres humanos, que estão se preparando para começar a mineração das profundezas do mar azul.

À medida que a tecnologia e a infraestrutura impulsionam a demanda por minerais, e os recursos terrestres se tornam mais difíceis de extrair, os materiais nas profundezas do oceano estão começando a parecer cada vez mais atraentes para países e empresas.

“A mineração em águas profundas pode acabar tendo a maior pegada de todas as atividades humanas no planeta em termos de área de impacto”, diz o oceanógrafo da Universidade do Havaí, Craig Smith.

As atividades já estão em andamento: as escavações pioneiras em Papua Nova Guiné e no Japão se aproveitaram dos avanços em veículos operados remotamente, robótica e tecnologia de comunicações para explorar as escavações. E empresas como a subsidiária da Lockheed Martin, a Seabed Resources do Reino Unido, estão prontas para embarcar em uma nova bonança em águas profundas.

Mais de um milhão de milhas quadradas de planície abissal de 12 mil a 18 mil pés de profundidade são salpicadas de nódulos polimetálicos - vastos campos de depósitos minerais em forma de batata, irregulares e pretos.

Os nódulos variam em tamanho, desde o tamanho de uma ervilha até uma bola de futebol e são ricos em manganês, ferro, cobre, níquel, cobalto e elementos raros, embora possam levar milhões de anos para crescer alguns milímetros.

A ideia de minerar esses nódulos, em parte, levou à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS) de 1982. Isso também resultou no estabelecimento da Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISA), que supervisiona as reivindicações de exploração em águas internacionais.

Mais da metade dessas reivindicações, cerca de 29 mil milhas quadradas, se encontram na Zona Clarion-Clipperton (CCZ), uma região que equivale a 75% da área dos Estados Unidos continentais que se estende por 3 mil milhas através do Pacífico equatorial oriental entre o Havaí e o México. No total, o ISA reconhece 29 reivindicações, embora a mineração ainda não tenha começado. Atualmente, toda a atividade na CCZ está na fase experimental ou exploratória.

Uma reserva de biodiversidade

Craig Smith, da Universidade do Havaí, liderou recentemente uma expedição para estudar a vida no fundo do mar no CCZ ocidental. "Esses ecossistemas são contra intuitivos para nós", diz Smith, descrevendo um ambiente rico em biodiversidade.

Smith explica que aproximadamente metade dos animais que vivem em cima dos nódulos estão relacionados à mineralogia. Se você minerar esses nódulos, você removerá o habitat das espécies antes que elas sejam descobertas.

Essas criaturas oferecem recursos potenciais para produtos farmacêuticos e podem fornecer novos insights sobre o início da vida. Smith os chama de "matéria-prima da evolução". Mas eles evoluíram em águas de até 18.000 pés, que estão livres das correntes oceânicas, luz, vibração e ruído que resultariam da mineração.

Além disso, a mineração produzirá camadas de sedimentos que podem inibir a vida no fundo do mar e outros habitats em profundidades variadas.

"É notório que essa mineração terá impacto inevitável em áreas muito grandes do fundo do mar", diz Smith, observando que modificá-la também pode ter impactos de longo prazo sobre como o oceano regula o clima.

O sequestro de carbono e a modulação da acidez oceânica ocorrem no CCZ e em outros lugares. Cobrir grandes áreas do fundo do mar com sedimentos pode afetar a capacidade do oceano de se proteger contra a mudança climática.

"Não é possível dizer que isso é ambientalmente benigno", diz Smith. "A sociedade pode decidir que é um impacto aceitável, dadas as compensações, mas não é benigno."

Smith alega que a hora de estabelecer áreas protegidas e integrá-las à gestão de reinvindicações de mineração em águas profundas é agora. De acordo com ele, o fundo do mar representa os maiores ecossistemas do planeta, acrescentando: “Pode ser que [mineração em águas profundas] possa ser feito de uma maneira que não cause extinção de espécies ou grande perda de ecossistemas, embora ainda não tenhamos informações suficientes para poder dizer isso.”

Outros se preocupam com os efeitos aos seres humanos. Uma resolução da ONU aprovada na década de 1970 colocou os minerais de águas profundas em águas internacionais fora da jurisdição de qualquer país, limitando o poder dos países – particularmente de nações insulares - que podem sofrer com os efeitos mais potentes da poluição e detritos marinhos.

“Enquanto os efeitos nocivos da mineração em águas profundas no ambiente marinho estão cada vez mais documentados, muito menos atenção está sendo dada aos efeitos potenciais da mineração em águas profundas no ambiente humano, especificamente nas pessoas que vivem ao longo da costa dos estados-nações das ilhas do Pacífico”, diz Julian Aguon, advogado ambientalista de Guam.

As profundezas desconhecidas

Cindy Van Dover, bióloga de mar profundo e professora do Laboratório Marinho da Duke University, e Daniel Dunn, do Laboratório de Ecologia Geoespacial da Duke, fazem parte de uma equipe internacional que desenvolveu diretrizes para ajudar a ISA a estabelecer uma estratégia de conservação para a mineração em águas profundas do cume atlântico e outros locais.

Adotando uma abordagem de precaução, eles esperam ver de 30% a 50% das áreas potenciais de mineração separadas como zonas “sem mina” para proteger a biodiversidade do fundo do mar, enquanto ainda permitem alguma mineração.

“Nossa grande preocupação se dá pelo fato de sabermos tão pouco sobre o que está acontecendo no fundo do mar e sobre as espécies que lá habitam”, diz Dunn.

Sem entender a conexão entre as espécies, tanto ele quanto Van Dover alertam sobre o risco de danificar seriamente a biodiversidade.

"Não tenho certeza se sabemos como a indústria compensará os danos ao meio ambiente", diz Van Dover. "Porque claramente isso vai prejudicar o meio ambiente."

Continuar a Ler