Por que o solo de envasamento pode ser uma ameaça ao meio ambiente?

Terra utilizada para cultivar plantas em vasos parece perfeita, mas esconde alguns problemas preocupantes para o meio ambiente e nossa saúde.

Por Cait Etherton
Publicado 14 de nov. de 2022 10:42 BRT
potting-soil

Terra usada para plantar sementes e encher os canteiros dos jardineiros urbanos contém uma pegada de carbono colossal em seus principais ingredientes.

Foto de Nival Anne-Sophie Hans Lucas, Redux

Quase todas as plantas que você comprou brotaram antes em algo chamado solo de envasamento, uma mistura que geralmente não contém terra nem adubo. Em vez disso, muitas mudas de viveiro são plantadas em misturas estéreis, sem sujeira de musgos exóticos, fibras e minerais. Nestas misturas, há ingredientes que escondem doenças pulmonares, desperdício de água e uma pegada de carbono colossal.

Então, por que usá-lo? A demanda por solo de envasamento nos Estados Unidos explodiu; o número de horticultores urbanos aumentou 30% nos últimos 30 anos, e viveiros e estufas são as duas indústrias agrícolas que mais crescem no país. Alguns jardineiros afortunados podem cultivar diretamente no solo, mas a terra é muito pesada e fica muito compactada para canteiros elevados e bandejas de sementes.

Essa demanda cresce rapidamente e aumentou a necessidade de três ingredientes-chave da terra para vasos: vermiculita, musgo de turfa sphagnum e coco. Todos eles representam riscos para a saúde ambiental e humana. No momento, a maior conscientização sobre esses riscos é incentivar soluções mais sustentáveis de plantio.

“Cultivar plantas não é rápido nem fácil”, diz Linda Chalker-Scott, professora da Universidade Estadual de Washington, que escreve o blog Horticulturalist Myths. “Se você quer ter um sistema sustentável, precisa fazê-lo corretamente.”

Estes são os três ingredientes mais problemáticos do solo para envasamento.

1. Vermiculita

Valorizada na horticultura por sua textura semelhante à pipoca, a vermiculita mineral é extraída e depois cozida a mais de 500°C para ficar em forma de migalhas que vemos no solo para vasos. Mas as minas de onde a vermiculita é extraída, as máquinas pesadas e as usinas de produção que dependem de propano causam estragos ao meio ambiente, assim como a vermiculita contaminada com amianto afeta à saúde humana.

A maior mina de vermiculita dos EUA, em Libby, Montana, foi contaminada com amianto e fechou em 1990 por causa do envenenamento na comunidade. Após 70 anos de operação contínua, a mina de Libby já tinha produzido 80% da vermiculita do mundo. Sua distribuição contaminou centenas de misturas de envasamento, produtos de paisagismo, pastilhas de freio, sistemas de filtragem de cloro, tetos de gotelé e o isolamento de 35 milhões de casas nos EUA. As minas contaminadas com amianto ainda operam na Virgínia, Carolina do Sul e África do Sul.

Felizmente, nem toda vermiculita contém amianto. “O fato de não vermos mais casos de mesotelioma em jardineiros e agricultores é uma prova da baixa porcentagem de contaminação”, pondera Michelle Whitmer, especialista em amianto do Centro de Mesotelioma, “mas a exposição repetida, mesmo a uma pequena quantidade, é perigosa. ”

Os regulamentos de segurança para o consumidor são inexistentes para a maioria dos materiais hortícolas vendidos nos Estados Unidos. E uma proibição completa do amianto pela Agência de Proteção Ambiental ainda está em fase de proposta, 22 anos depois da descoberta de vermiculita contaminada em produtos de jardinagem e gramado de quase 20 diferentes marcas de varejo.

2. Turfa

Feita de camadas esponjosas e encharcadas de matéria vegetal em decomposição lenta, a turfa é o principal ingrediente para os maiores fabricantes de misturas para vasos do mundo. Orgânica, abundante, estéril, leve e não tóxica, pode conter 20 vezes seu peso em água.

Mas as turfeiras também são o maior armazenador terrestre de carbono do mundo, ainda mais do que as florestas. Embora cubram apenas 3% da terra, e as florestas 30%, as turfeiras armazenam o dobro de carbono.

As zonas úmidas, nas quais as turfeiras estão incluídas, estão sofrendo um declínio de 35% desde 1970. O sistema atual de colheita de turfa pode remover mil anos de musgo de turfa sphagnum em apenas uma ou duas décadas. Somente na América do Norte, entre 3 e 5 milhões de toneladas métricas de turfa canadense são enviadas anualmente para o sul no mercado de horticultura dos EUA. Isso não inclui a pegada ambiental que produz o processamento, a embalagem e o transporte, diz Justin Freiberg, do Laboratório de Contenção de Carbono de Yale.

Na Europa, a turfa tem sido colhida durante séculos, principalmente como combustível. Mas hoje, a colheita comercial de turfa é proibida na Irlanda; e o Reino Unido proibirá todas as misturas de envasamento à base de turfa até 2024. O Canadá e os EUA (onde a turfa é extraída em 11 estados diferentes) não têm proibições.

3. Fibra de coco

Hoje, a alternativa mais popular à turfa é a fibra de coco, feita a partir da casca fibrosa deixada para trás após a colheita do leite e da fruta de coco. A fibra de coco pura é neutra, absorvente e renovável. Valorizada como um produto fibroso por mais de um século, 90% da fibra de coco do mundo é enviada do Sri Lanka e da Índia, onde, apesar de uma histórica crise de água, deve ser repetidamente embebida e enxaguada durante o processamento. Uma vez que os tijolos de coco desidratados chegam ao seu destino, eles novamente requerem grandes quantidades de água para reidratação.

Além do desperdício de água, a indústria deste ingrediente é famosa pelos baixos salários, trabalho infantil e condições de trabalho perigosas. Um estudo recente das fábricas de fibra de coco do Sri Lanka revelou uma taxa de 1063 lesões a cada 1000 trabalhadores por ano.

Alternativas

Estamos entrando no “terceiro paradigma da mistura de envasamento”, alerta o cientista de solo Charles Bethke. “De solos pesados ​​de jardim esterilizados a vapor para a turfa, passando pelo modelo de fibra celulósica de lignina reciclada”. 

Qual dessas fibras é a mais promissora? De acordo com Brian Jackson, professor e atual diretor do Laboratório de Substratos Hortícolas do Estado da Carolina do Norte (EUA), “todas as organizações profissionais da Europa e da América do Norte acreditam que tanto a fibra quanto os produtos de madeira são os materiais com maior potencial para substituir a turfa”.

Mas a madeira não é a única opção. De talos de milho a cascas de amendoim, de urtigas a mandioca, da grama de praia até o papelão reciclado, há muitas coisas que podem ser transformadas em substrato para cultivo. Essa diversidade de insumos também facilita a mudança do transporte de longa distância para os centros de produção locais.

Chalker-Scott incentiva o foco em recuperar o solo sob nossos pés. “Cem anos atrás, não tínhamos mistura de envasamento”, diz ela. “As plantas se saíram muito bem sem ele. ”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Mineração é um negócio poluente. A tecnologia pode limpá-la?
Meio Ambiente
São vários os projetos de plantio de árvores. Qual você deve apoiar?
Meio Ambiente
Microplásticos estão em nossos corpos. Quanto eles nos prejudicam?
Meio Ambiente
O que causa o aquecimento global?
Meio Ambiente
O que é a COP27 e por que ela é relevante para a agenda climática?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados