Planeta ou Plástico?

Sacola plástica encontrada em fossa oceânica mais profunda do planeta

Mesmo um dos lugares mais remotos da Terra não conseguiu escapar do grave problema ambiental que é o lixo plástico. Quarta-feira, 16 Maio

Por Sarah Gibbens

A FOSSA DAS MARIANAS, ponto mais profundo do mar, estende-se por 2,5 mil quilômetros em uma parte remota do fundo do Oceano Pacífico. Mas se você imagina que a ela escaparia da ofensiva global da poluição por plástico, está enganado.

Um estudo recente revelou que uma sacola plástica, como aquelas oferecidas em supermercados, é agora o pedaço de lixo plástico mais profundo já encontrado. O material estava a uma profundidade de 10 quilômetros dentro da Fossa das Marianas. Cientistas a encontraram através do Banco de Dados de Resíduos em Águas Profundas, uma coletânea de fotos tiradas em 5.010 mergulhos feitos nos últimos 30 anos, que acabou de ser divulgada.

Dos resíduos classificáveis registrados no banco de dados, o plástico era o predominante, e sacolas plásticas em específico constituíam a maior fonte de lixo plástico. Outros resíduos vinham de materiais como borracha, metal, madeira e tecido, e alguns ainda não foram classificados.

A maior parte do plástico, impressionantes 89%, era do tipo de plástico utilizado apenas uma vez e depois jogado fora, como garrafas plásticas de água ou utensílios descartáveis.

A Fossa das Marianas pode até parecer um buraco negro sem vida, mas ela abriga mais vida do que você imagina. A embarcação NOAAS Okeanos Explorerrevistou as profundezas da região em 2016 e encontrou diversas formas de vida, incluindo espécies como corais, águas-vivas e polvos. O recente estudo também constatou que 17% das imagens de plástico registradas no banco de dados mostravam interações com algum tipo de vida marinha, como animais emaranhados nos resíduos.

De onde veio o plástico?

Este novo estudo é apenas um entre muitos que mostram o quão predominante se tornou a poluição plástica no mundo. Plásticos descartáveis estão praticamente em todo lugar, e eles podem levar centenas de anos ou mais para se decompor na natureza.

Em fevereiro de 2017, outro estudo constatou que a Fossa das Marianas tem níveis mais altos de poluição em certas regiões do que a maioria dos rios mais poluídos da China. Os autores do estudo teorizaram que os poluentes químicos na fossa podem ter originado, em parte, da decomposição do plástico na coluna de água.

Recentemente, o plástico tem recebido maior atenção no movimento ambiental, tendo grande destaque neste último Dia da Terra, por exemplo. Enquanto o plástico pode entrar diretamente no oceano, como lixo que voa das praias ou que é descartado de navios, um estudo publicado em 2017 constatou que a maior parte dele entra nos oceanos a partir de 10 rios que correm por regiões altamente povoadas.

Equipamentos de pesca descartados também são uma grande fonte de poluição plástica, e um estudo publicado em março constatou que o material formava o grosso da Grande Ilha de Lixo do Pacífico, que flutua entre o Havaí e a Califórnia e é do tamanho do Texas.

Enquanto o oceano claramente tem muito mais plástico do que uma única sacola plástica, o item passou de uma metáfora para indiferença soprada pelo vento a um exemplo do enorme impacto que os humanos podem causar no planeta.