Conheça o controverso plano para reintroduzir guepardos na Índia

Os guepardos africanos importados serão os primeiros a vagar pela Índia em décadas, mas os críticos do projeto dizem que os grandes felinos têm poucas chances de sobrevivência sem intervenção humana contínua.

Por Rachel Nuwer
Publicado 23 de set. de 2022 10:18 BRT
Os guepardos (na foto, um animal na Reserva de Caça Phinda, na África do Sul) foram ...

Os guepardos (na foto, um animal na Reserva de Caça Phinda, na África do Sul) foram vistos pela última vez na Índia na década de 1940.

Mesmo como estudante, Yadvendradev Jhala sonhava com o dia em que os guepardos voltariam a vagar pela Índia. Os grandes felinos anteriormente compartilhavam a paisagem com tigres, leopardos, leões e lobos, mas desapareceram há 70 anos, à medida que o desenvolvimento humano e a caça aumentaram.

“Este é o único animal grande que perdemos na Índia independente”, destaca Jhala, reitor do Instituto de Vida Selvagem da Índia. “Sempre tive interesse em reintroduzir os guepardos na Índia.”

Se tudo correr conforme o planejado, Jhala poderá em breve ver seu plano tornar-se realidade. Oito guepardos estão programados para chegar à Índia da Namíbia no final deste mês, em comemoração ao aniversário do primeiro-ministro Narendra Modi. Mais 12 devem chegar da África do Sul, por volta de 10 de outubro, no Parque Nacional Kuno, uma área protegida de 748 quilômetros quadrados, a cerca de 320 quilômetros ao sul de Delhi.

À esquerda: No alto:

Um guepardo e seu filhote vagam pela Reserva de Caça Phinda em KwaZulu-Natal, África do Sul. Essas reservas privadas fornecerão grande parte da população indiana de guepardos recém-estabelecida.

À direita: Acima:

Um guepardo fica dentro de uma caixa de transporte enquanto voa da Reserva de Caça Tswalu Kalahari, na África do Sul, para o Aeroporto Grand Central, em Midrand, África do Sul, em junho de 2022. O animal está entre o primeiro grupo de guepardos a ser solto na Índia.

Os defensores do projeto dizem que a presença dos guepardos fortalecerá os esforços de conservação e a economia local. 

“O guepardo é um animal magnífico, é um grande ímã para o ecoturismo”, diz Jhala. “Se você trouxer guepardos, o governo investirá fundos na reabilitação e recuperação desses sistemas, e toda a biodiversidade prosperará.”

O projeto também será potencialmente uma benção para a espécie em geral: apenas cerca de 7100 guepardos permanecem na natureza hoje, e Jhala e outros dizem que adicionar a Índia na lista de países que contam com o animal ajudará a aumentar o número de grandes felinos. Os guepardos asiáticos, subespécie que antes habitava a Índia, agora sobrevivem apenas em uma pequena população no Irã.

Alguns especialistas afirmam, no entanto, que o plano de reintrodução é prematuro. Quaisquer guepardos soltos no parque rapidamente se desviarão de seus limites, alertam eles, onde os grandes felinos provavelmente serão mortos por pessoas ou cães, ou sucumbirão à fome.

“Não sou contra o projeto, sou contra essa visão de apenas trazer guepardos e jogá-los no meio da Índia, onde há 360 pessoas por quilômetro quadrado”, diz Ullas Karanth, diretor emérito do centro sem fins lucrativos para Estudos da Vida Selvagem e especialista em grandes carnívoros. “É colocar a carroça na frente dos bois.”

“Não há nenhuma chance de termos populações de guepardos de vida livre agora”, acrescenta Arjun Gopalaswamy, um cientista de conservação independente que conduziu pesquisas sobre grandes felinos na África e na Índia. Os guepardos na Índia “pereceram por um motivo”, diz ele, e esse motivo – a pressão humana – só piorou nos 70 anos desde que a espécie desapareceu. “Então, a primeira pergunta é: por que essa tentativa está sendo feita?”

À esquerda: No alto:

Muitas espécies da vida selvagem indiana, incluindo guepardos, adornam uma ilustração que data de 1590 a 1620, durante a dinastia Mughai.

À direita: Acima:

Pessoas capturam guepardos em uma ilustração do século 16 do Paquistão e da Índia.

A subespécie de guepardo asiática é menor e mais magra do que a espécie africana, como visto nesta aquarela do início do século 19.

Jhala contesta, no entanto, que esse tipo de perspectiva está muito focada nos detalhes “minuciosos” em vez do bem maior que os guepardos podem trazer para a Índia, como aumentar o investimento e a proteção em ecossistemas que sustentam os grandes felinos e construir economias locais.

“É um projeto de restauração e renaturalização do planeta”, acredita. “Não vejo nada que possa ser uma contradição a um objetivo tão nobre.”

Guepardos na Índia: um sonho de décadas

Como muitos predadores, os guepardos hoje ocupam apenas uma fração de seu alcance histórico. Há pouco mais de um século, eles rondavam as pastagens e florestas abertas de grande parte da África, Arábia e Índia. Os guepardos são mais dóceis do que a maioria das outras espécies de grandes felinos e, na Índia, a realeza os usava para caçar – o equivalente felino de falcões ou cães.

Em meados do século 19, o número de guepardos da Índia havia diminuído severamente – a ponto de serem importados da África para caça. Alguns foram capturados ou baleados por esporte, mas, principalmente, parece que a crescente população humana foi responsável pelo declínio da espécie. 

As pessoas retaliaram contra os grandes felinos por matarem cabras e ovelhas, e cães atacaram guepardos filhotes e adultos. Em 1947, o marajá de Korawi abateu três guepardos – provavelmente o último avistamento definitivo da espécie na Índia.

 

Uma vista aérea mostra a cerca elétrica e os portões de um recinto onde os guepardos africanos ficarão em quarentena por um mês antes de serem soltos no Parque Nacional de Kuno, no estado indiano de Madhya Pradesh.

À esquerda: No alto:

Um grupo de trabalhadores deixa um recinto eletrificado construído para guepardos no Parque Nacional de Kuno. O local tem 10 compartimentos que variam em tamanho, com o maior medindo cerca de 1 metro quadrado.

À direita: Acima:

Guarda florestal do Parque Nacional de Kuno, Deepti Arora caminha perto do portão do recinto dos guepardos.

Em 1952, políticos e cientistas indianos pediam uma “experimentação ousada para preservar o guepardo”, de acordo com registros da primeira reunião do conselho de vida selvagem do país. As autoridades indianas chegaram perto de reintroduzir os guepardos na década de 1970 ao negociar a troca de alguns dos leões da Índia por guepardos do Irã, mas o acordo desmoronou no período que antecedeu a Revolução Iraniana.

Em 2009, a ideia foi revivida e, eventualmente, iluminada, quando a Índia organizou uma reunião fechada de autoridades e cientistas para discutir a volta dos guepardos. Os proponentes disseram que a reintrodução da espécie restauraria um nicho ecológico agora vago. 

Enquanto leopardos, tigres e leões emboscam suas presas – atacando o animal mais próximo a eles, independentemente de seu nível de condicionamento físico – os guepardos se especializam em matar os animais mais fracos. Esse tipo de predação, que mantém as populações de presas saudáveis ​​eliminando os indivíduos mais doentes, está em grande parte ausente na Índia desde que os guepardos desapareceram, dizem os defensores. 

Mesmo em 2009, porém, nem todos eram a favor de seguir em frente com o plano. “Alguns de nós apontaram que não é ecologicamente viável”, lembra Karanth, que não foi convidado para a reunião, diz ele, porque criticou o plano. 

“Mas há alguns conservacionistas que realmente estão pressionando isso, e eles convenceram o ministro do Meio Ambiente anterior de que ele se tornará muito famoso se trouxer o guepardo de volta.”

À esquerda: No alto:

Um guepardo da Reserva de Caça Tswalu Kalahari, da África do Sul, emerge de uma caixa de transporte para a Reserva de Caça Phinda, onde viverá temporariamente antes de ser enviado para a Índia.

À direita: Acima:

Um guepardo aparece em um outdoor na estrada perto do Parque Nacional de Kuno, em agosto de 2022. As comunidades ao redor do parque esperam ver dólares de turistas que querem ver guepardos.

Motociclista viaja ao longo da cerca do recinto dos guepardos no Parque Nacional de Kuno. A área ao sul de Delhi não é cercada, então os guepardos introduzidos provavelmente vagarão fora dos limites do parque.

“É muito difícil entender a motivação deste projeto do ponto de vista científico”, acrescenta Gopalaswamy. “Mas do ponto de vista da busca de atenção, posso ver muito sentido.”

Jhala responde que o projeto está sendo conduzido por mais do que apenas relações públicas, mas “quaisquer que sejam os motivos, não importa, desde que a conservação esteja acontecendo no terreno”.

Encarregados de identificar locais para uma possível reintrodução, Jhala e colegas se concentraram em Kuno e, em 2012, as negociações estavam em andamento com a Namíbia para importar um primeiro lote de guepardos. Mas então, a Suprema Corte indiana interveio, aprovando um julgamento afirmando que Kuno deveria ser priorizado para reintroduzir leões asiáticos em vez de guepardos, e que quaisquer guepardos eventualmente trazidos para a Índia deveriam vir do Irã, não da África.

A sentença se mostrou impossível de ser executada. Apenas cerca de 600 leões asiáticos permanecem na Índia, todos vivendo em apenas um estado, Gujarat. Especialistas concordam que ter todos os leões em um só lugar deixa a espécie vulnerável à extinção, e que seria prudente expandir seu alcance para outras partes do país. 

Mas “no típico estilo indiano”, diz Karanth, os políticos de Gujarat não estavam dispostos a abrir mão de seu monopólio sobre a espécie e compartilhar leões com outro estado. O Departamento Florestal de Gujarat não respondeu a um pedido de comentário.  

Os leões estavam atrás de Kuno, e a reintrodução de guepardos iranianos no parque também foi um beco sem saída. Os cerca de 30 guepardos asiáticos selvagens no Irã provavelmente serão extintos em breve, até porque os seis principais cientistas de guepardos do Irã foram presos em 2016 sob acusação de espionagem.

Para o plano de reintrodução, então, seriam guepardos africanos ou nada. Em 2020, a Autoridade Nacional de Conservação de Tigres, o grupo governamental encarregado de gerenciar os tigres da Índia, solicitou à Suprema Corte permissão para avançar com o plano estimado de US$ 28 milhões para trazer guepardos africanos para a Índia. O tribunal consentiu. Depois de décadas de esforço, a Índia, ao que parecia, finalmente veria guepardos novamente.

Quando Jhala entrou em contato com Vincent van der Merwe, um conservacionista sul-africano de guepardos, sobre a possibilidade de adquirir guepardos da África do Sul, van der Merwe concordou entusiasticamente em colaborar. 

“Foi um projeto de prestígio”, diz ele. “Os guepardos costumavam estar na Índia e devem estar de volta à Índia.”

Um guepardo é solto dentro da Phinda Game Reserve, em junho de 2022.

Na época, van der Merwe trabalhava para o Endangered Wildlife Trust, uma organização sem fins lucrativos sul-africana, onde dirigia o Cheetah Metapopulation Project. O projeto surgiu como uma forma de manter os guepardos em uma paisagem dominada pelo homem que, de outra forma, não permitiria sua sobrevivência. 

Em grandes áreas protegidas sem cercas, como o Serengeti, na Tanzânia, e a Reserva Nacional Masai Mara, no Quênia, os guepardos contam com áreas de até mil quilômetros quadrados, com apenas um ou dois animais por 100 quilômetros quadrados. 

Na maioria dos lugares da África do Sul, no entanto, o desenvolvimento impede a dispersão natural da espécie. Reservas cercadas e fortemente gerenciadas, pagas pelo turismo, que van der Merwe chama de “abordagem da fortaleza” para a conservação – tem sido o “segredo do sucesso”, diz ele. “Se não for cercado, eles não se reproduzem e se mudam.”

O trabalho de Van der Merwe envolve mover guepardos de um lugar para outro para substituir indivíduos que morrem e garantir um fluxo gênico saudável. “Sou como uma torre de controle”, diz ele. De 2011 a 2022, ele ajudou a aumentar o Cheetah Metapopulation Project de 217 guepardos em 40 reservas para 504 guepardos em 69 reservas.

Uma vista do topo de uma colina na Reserva de Caça Hluhluwe-iMfolozi, que abriga guepardos.

À esquerda: No alto:

Autoridades da vida selvagem sedam um guepardo destinado à Índia na Reserva de Caça Tswalu Kalahari, no Cabo Setentrional, África do Sul.

À direita: Acima:

Veterinários sul-africanos examinam um guepardo sedado, que mais tarde será devolvido à Phinda Game Reserve.

Para van der Merwe, que também é explorador da National Geographic, expandir o projeto para a Índia foi uma chance de aproveitar esses sucessos. Foi também uma solução para o desafio interminável de o que fazer com o excesso de guepardos nascidos em reservas com capacidade de carga limitada, ou com aqueles que vagam em fazendas e precisam ser realocados. “As pessoas estão me ligando o tempo todo, 'Tem muitos guepardos aqui'”, diz ele. “Estou sob pressão constante para mover animais.” 

Como van der Merwe aprendeu rapidamente, no entanto, mesmo na África, “a comunidade conservacionista está muito dividida por essa reintrodução”.

Van der Merwe originalmente esperava obter alguns guepardos para o projeto da Índia no Parque Nacional Liwonde, no Malawi, onde ele e seus colegas reintroduziram a espécie em 2017. “O Malawi é bastante exuberante, com uma semelhança com a Índia”, diz ele.

Um guepardo observa à distância depois de ser solto na Reserva de Caça Phinda, na África do Sul.

Mas ele rapidamente se deparou com a oposição de outros conservacionistas e, em julho, decidiu se demitir do Endangered Wildlife Trust. 

Van der Merwe então fundou sua própria organização sem fins lucrativos, a Metapopulation Initiative, para continuar seu trabalho com os guepardos e a colaboração com Jhala e colegas. “Eu queria a liberdade de executar meu próprio projeto e expandir conforme necessário”, explica. 

Van der Merwe foi específico sobre os 12 guepardos sul-africanos que ele selecionou para serem a população fundadora da Índia, escolhendo animais que nasceram na natureza, cresceram ao lado de outros predadores e estavam acostumados a ser monitorados por humanos a pé ou de veículo. Esses guepardos, com, provavelmente, outros oito da Namíbia (os números ainda estão sendo confirmados), estavam originalmente programados para fazer a viagem à Índia em agosto. Mas a data foi adiada várias vezes.

A realocação está agora provisoriamente agendada para meados de setembro para os guepardos da Namíbia e outubro para os da África do Sul (o governo sul-africano ainda precisa aprovar o projeto). Se tudo correr conforme o planejado, os 20 guepardos ficarão em uma área cercada em Kuno por mais ou menos um mês antes de serem soltos no parque. “Quando abrimos os portões, cada guepardo está sozinho”, diz van der Merwe.

Uma vez soltos, porém, os grandes felinos quase certamente sairão do parque sem cercas, “e então terão um grande problema”, diz Karanth. “Os guepardos serão destruídos e mortos muito rapidamente, porque não há nada fora de Kuno – são aldeias, cães e fazendas.”

SP Yadav, o diretor geral adicional da Autoridade dos Tigres da Índia, aponta que todos os guepardos serão equipados com coleiras de rastreamento e monitorados 24 horas por dia, 7 dias por semana. “Então, se eles forem embora, nós os traremos de volta”, garante.

As comunidades ao redor do parque estão de acordo com o plano de reintrodução, acrescenta, porque os guepardos devem trazer um influxo de dólares turísticos. Eles “esperam uma reviravolta na economia”, diz Yadav.

No entanto, van der Merwe não contestou a previsão de Karanth. “Vamos perder uma quantidade enorme de animais, sabemos disso”, diz ele.

Dada essa probabilidade, continua ele, o foco na Índia deve estar no plano de longo prazo de fornecer regularmente guepardos da África até que a espécie se estabeleça – uma meta que exigirá um mínimo de 500 a mil indivíduos. Se uma população de guepardos for estabelecida com sucesso na Índia, então, dada a densidade de humanos lá, os guepardos do país terão que ser fortemente manejados, com animais trocados entre reservas e até continentes.

Gopalaswamy, no entanto, critica essa abordagem como sendo insustentável. “Esse tipo de arranjo temporário envolve esse processo muito caro e complexo de translocação contínua de animais individuais, essencialmente tentando imitar a natureza”, pondera. “Na minha opinião, está bem distante do que é a conservação do guepardo.”

Mas para van der Merwe, é simplesmente a realidade da conservação da vida selvagem hoje. Na maioria dos lugares, ele ressalta, “há muito tempo sumiram os espaços abertos para a vida selvagem circular livremente”, e o manejo intensivo é a única solução para manter grandes predadores lá. “Acredito que essas primeiras reintroduções na Índia têm o potencial de abrir portas para os esforços de conservação dos guepardos, para criar um espaço consideravelmente mais seguro para a espécie”, diz ele. “Claro, há um risco muito real de fracasso, mas sinto que vale a pena o risco.”

Quanto a Jhala, ele não ouviu nenhuma oposição de políticos indianos ou do público ao projeto – apenas de colegas conservacionistas. “Os piores inimigos da conservação são os conservacionistas”, reclama. “Uma vez feito e as pessoas verem o sucesso disso, acho que todos eles vão voltar.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
População de tigres quase triplicou no Nepal – mas a que preço?
Animais
Por que o muro na fronteira dos EUA é um problema para as onças-pintadas?
Animais
Borboletas-monarcas agora são espécie ameaçada de extinção
Animais
Conheça a corrida para salvar os leões da África Ocidental em perigo de extinção
Animais
Como uma pequena ilha está se unindo para salvar um papagaio criticamente ameaçado

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados