Fungo mortal se espalha pelo mundo

O cogumelo invasor "death cap" (chapéu-da-morte) se propaga pela América do Norte. Embora possa ser difícil diferenciá-lo de um cogumelo comestível, não se engane: ele pode te matar.

O cogumelo chapéu-da-morte é o fungo mais mortal do mundo, responsável por 90% dos envenenamentos relacionados a cogumelos todos os anos. Nativos da Europa, os cogumelos death caps se espalharam pelo mundo no último século.

Foto de Yves Lanceau Nature Picture Library
Por Emily Martin
Publicado 4 de set. de 2023, 12:06 BRT

O próprio nome é alarmante e autoexplicativo: cogumelo chapéu-da-morte ou death cap.  

Cientificamente conhecido como Amanita phalloides, o cogumelo mortal é responsável por 90% das mortes relacionadas a cogumelos que ocorrem todos os anos, o que o torna o cogumelo mais letal do mundo. O infame fungo foi recentemente noticiado depois que três pessoas na Austrália morreram após ingerir o que os investigadores suspeitam ser o cogumelo death cap

O cogumelo é originário do Reino Unido e de partes da Irlanda, mas, no último século, ele se espalhou pela Austrália e América do Norte. 

Desde que chegou à Costa Oeste dos Estados Unidos, o cogumelo invasor se espalhou rapidamente por toda a Califórnia e apareceu até mesmo no norte da Colúmbia Britânica, mas muito sobre sua chegada permanece um mistério. Por que o cogumelo death cap se espalhou tão rapidamente, quando exatamente ele chegou e como ele afetará o ambiente em que cresce são tópicos de pesquisas em andamento.  

Veja a seguir o que você precisa saber sobre esse cogumelo mortal e como identificá-lo, caso ele surja em uma floresta perto de você. 

Como o cogumelo death cap ganhou esse nome

Esse cogumelo despretensioso pode crescer até 15 cm de altura, com um chapéu de tamanho semelhante, às vezes tingido de amarelo ou verde. Sob o chapéu, há guelras brancas e um caule esbranquiçado, características que dificultam a distinção de um cogumelo comestível.  

No entanto, diferentemente de um cogumelo comestível, o chapéu-da-morte pode causar danos extremos ao fígado e aos rins ou, em alguns casos, a morte. 

Isso ocorre porque os cogumelos contêm um conjunto exclusivo de toxinas, afirma o patologista de plantas do Departamento de Agricultura dos EUA, Milton Drott. Embora seja seguro ao toque, o cogumelo death cap contém amatoxinas, que impedem que as células criem proteínas, causando a morte celular e a falência dos órgãos.  

Drott observa que essas toxinas podem ter permitido que a espécie que se espalha pelos EUA prosperasse, servindo de defesa contra qualquer novo predador que o fungo encontre em seu ambiente.  

Mas estudar o cogumelo chapéu-da-morte pode ser difícil. É um desafio reproduzir as condições ambientais ideais para um cogumelo em um laboratório, e o estudo de cogumelos colhidos requer um complexo sequenciamento de DNA. 

Alguns fungos podem danificar o meio ambiente, como o fungo que dizimou castanheiras americanas, mas até o momento não há evidências sólidas de que os cogumelos death caps sejam uma ameaça para seus novos ambientes. De fato, as árvores e outras plantas se beneficiam de sua presença. 

Os death cap são fungos micorrízicos, o que significa que eles formam uma relação com as plantas que é mutuamente benéfica tanto para a planta quanto para o fungo. A planta recebe nutrientes do solo que o fungo extrai, enquanto o fungo recebe açúcares da planta. 

A viagem do cogumelo ao redor do mundo

É quase impossível identificar o momento exato em que o cogumelo chapéu-da-morte chegou ao oeste dos EUA e por que exatamente ele continuou a se espalhar desde então, diz Anne Pringle, micologista da Universidade de Wisconsin-Madison e uma das maiores especialistas em death caps.  

Cientificamente conhecidos como Amanita phalliodes, os death caps foram vistos pela primeira vez na Califórnia na década de ...

Cientificamente conhecidos como Amanita phalliodes, os death caps foram vistos pela primeira vez na Califórnia na década de 1930. Alguns cientistas acreditam que eles foram importados do solo das árvores de cortiça, usadas para fazer rolhas para os fabricantes de vinho da Califórnia.

Foto de Yves Lanceau Nature Picture Library

O registro mais antigo do cogumelo na Califórnia é da década de 1930. Alguns pesquisadores teorizam que os cogumelos death caps imigraram no solo de uma árvore de cortiça transportada da Europa para a Califórnia a fim de produzir rolhas para o então florescente setor vinícola. Outros dizem que o cogumelo pode ter pegado carona em uma planta misteriosa importada para embelezar os campus universitários.  

Independentemente disso, Pringle e Drott dizem que a única coisa de que têm certeza é que o fungo provavelmente estava dormente – e, portanto, escondido dos olhos humanos – no solo de uma planta importada. 

"Quando eles plantaram a árvore no solo, também plantaram o fungo. Então, quem fez isso e quando é algo que nós nunca saberemos de fato", destaca Pringle. 

Pringle não sabe dizer ao certo o que torna o estado da Califórnia um habitat tão amigável para a espécie invasora, mas ela observa que o fungo pode tolerar diferentes ambientes em toda a Europa, crescendo até o norte da Suécia e até o sul da França.  

Desde sua chegada, Pringle diz que sua extensão geográfica cresceu e se espalhou para outros estados; mais recentemente, apareceu em Idaho.  

Refazendo os passos do cogumelo death cap

Quando os cientistas avistaram pela primeira vez os chapéus-da-morte nos EUA, pensaram que eles poderiam ser nativos da região, devido à sua grande distribuição.  

Em 2009, Pringle foi a primeira a classificar a população da Califórnia como invasora, uma descoberta que ela fez ao inspecionar o DNA dos cogumelos. 

“Quando eles plantaram a árvore no solo, também plantaram o fungo. Então, quem fez isso e quando é algo que nós nunca saberemos de fato”

por ANNE PRINGLE

E quando os cientistas perceberam que o cogumelo death cap havia se espalhado recentemente pelos EUA, não havia nenhum dado preexistente que fornecesse pistas sobre onde exatamente ele entrou na América do Norte e com que rapidez se multiplicou.  

"Há tantas ideias para testar que é difícil até mesmo saber por onde começar", pondera Pringle. 

A pesquisa sobre fungos invasores no meio ambiente é bastante nova, diz Pringle, portanto, as respostas às perguntas sobre por que os cogumelos chapéu-da-morte estão se espalhando e seu impacto nos ecossistemas locais ainda podem demorar alguns anos. 

Drott acredita que o cogumelo pode estar se proliferando porque se desenvolve bem em seu novo solo e com suas plantas adotivas, ou pode haver uma falta de predadores nesses novos habitats para manter as populações de death caps sob controle. 

A pesquisa de Drott revelou pelo menos uma pista: os genes responsáveis pela produção de toxinas dos cogumelos chapéu-da-morte norte-americanos são extremamente exclusivos, distintos de seus primos genéticos na Europa, e podem ser a chave para entender como a planta invasora prosperou na América do Norte.   

No início deste ano, os cientistas publicaram uma pesquisa preliminar sugerindo que o cogumelo chapéu-da-morte pode se reproduzir com e sem um parceiro, e que um único fungo pode ter uma vida longa e reprodutiva.   

Encontrando o cogumelo death cap

A detecção de um cogumelo death cap exige vigilância. 

"É assustador que esses cogumelos se passem por deliciosos", comenta Drott.  

Ele acrescenta que, além de uma aparência física inofensiva, as toxinas dos cogumelos chapéu-da-morte não têm cheiro nem oferecem nenhuma outra indicação óbvia. Suas toxinas também são extremamente estáveis quando aquecidas e não se decompõem quando cozidas, ao contrário de outros fungos comestíveis que só são perigosos quando consumidos crus. 

É por isso que os cientistas sugerem que se tenha cuidado e que se evite a coleta de cogumelos. Pringle também enfatiza a importância de conhecer as plantas de seu ambiente local.

"Se você consegue distinguir acelga de espinafre, pode aprender a diferença entre cogumelos comestíveis e venenosos", acredita Pringle, enfatizando as diferenças pequenas, mas reconhecíveis, entre as duas verduras. "As pessoas querem uma regra mágica, mas não há nada que eu possa explicar em uma frase ou parágrafo." 

Em vez disso, ela diz que identificar as diferenças físicas entre os cogumelos venenosos e os cogumelos seguros pode se tornar mais fácil com o tempo. 

Conscientização sobre os cogumelos

Muitos cogumelos chapéu-da-morte foram encontrados em parques nacionais, incluindo o Point Reyes National Seashore, na Califórnia, onde Pringle ajudou em um estudo sobre a invasão da espécie em 2010.  

O consultor científico do Serviço Nacional de Parques (NPS, na sigla em inglês) Ben Becker observa que os parques estão constantemente vendo novas espécies invasoras com o movimento frequente de pessoas, e o cogumelo death cap é um bom exemplo de como os seres humanos podem transportar minúsculos invasores fúngicos ao redor do mundo. 

Becker diz que o NPS trabalha com grupos locais que estudam os cogumelos, como a Bay Area Mycological Society, para conscientizar o público sobre os perigos da coleta de cogumelos.  

Se estiver preocupado com algo que comeu, vá ao pronto-socorro e, se possível, leve pedaços do cogumelo que comeu para identificação.  

E, como dizem muitos coletores de cogumelos e cientistas, não os coma com base no que você ouviu falar. 

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados