Qual é a origem de Mercúrio, o primeiro planeta do Sistema Solar?

A composição química de Mercúrio sugere que ele pode ter estado em outro ponto do Sistema Solar antes de ficar localizado mais próximo ao Sol.

Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 9 de jan. de 2024, 15:00 BRT
Uma foto do planeta Mercúrio iluminado pelo Sol e obtida pela espaçonave MESSENGER.

Uma foto do planeta Mercúrio iluminado pelo Sol e obtida pela espaçonave MESSENGER.

Foto de Mosaic by NASA

Mercúrio é um dos quatro planetas rochosos que compõem o Sistema Solar, juntamente com Vênus, Terra e Marte. De acordo com a Agência Espacial Europeia (ESA), sua estrutura interna é composta por um enorme núcleo de ferro e ele é um dos menores planetas da galáxia (com cerca de 4.879 quilômetros de diâmetro). 

Esse planeta é o mais próximo do Sol. De acordo com a ESA, Mercúrio está localizado a 58 milhões de quilômetros da estrela, razão pela qual leva apenas 88 dias terrestres para orbitá-la. No entanto, o planeta leva 58 dias para girar em seu próprio eixo. A cada dois anos, Mercúrio gira um total de três vezes.

Entre outras características do planeta, sua proximidade com o Sol faz com que a temperatura máxima atinja até 450°C durante o dia-180°C durante a noite. Nos polos do planeta, onde há menos luz solar, pode haver um pouco de gelo de água,como informa a Agência Espacial. 

(Talvez você se interesse por: Evidências apontam para um nono planeta no Sistema Solar)

Onde se formou o planeta Mercúrio?

superfície de Mercúrio é pontilhada de crateras, algumas das quais são tão profundas que permanecem ocultas da luz solar e cujas sombras registram as temperaturas mais baixas do planeta

Essas características geográficas são evidências de um passado de atividade vulcânica, distúrbios nas placas tectônicas e um ambiente espacial que moldou sua localização no Sistema Solar. Um artigo publicado pela Agência Espacial Europeia afirma que Mercúrio pode ter estado localizado em outro lugar do Sistema Solar antes que um impacto com outro objeto espacial o aproximasse do Sol. 

De acordo com dados da espaçonave Messenger da Nasa, que orbitou Mercúrio entre 2011 e 2015, há potássio em excesso no planeta. O potássio (K) é um elemento químico volátil que, juntamente com o tório radioativo (Th), constituem dois dos elementos químicos abundantes na superfície de Mercúrio. 

Como o potássio é mais volátil e evapora mais facilmente do que o tório, que resiste a altas temperaturas, os cientistas esperam que haja mais tório nos planetas próximos ao Sol. O oposto é verdadeiro para Mercúrio: ele tem tanto potássio em sua composição quanto Marte, o planeta vizinho da Terra. 

Por essa razão, os cientistas que analisaram a composição do planeta suspeitam que Mercúrio pode ter se formado muito mais longe do Soltão longe quanto Marte (que está a cerca de 228 milhões de quilômetros), e pode ter sido empurrado para mais perto da estrela por uma colisão com outro corpo espacial

A ESA afirma que, após o impacto que levou Mercúrio para o Sistema Solar, o antigo planeta pode ter sido o corpo misterioso que se acredita ter colidido com a Terra há cerca de 4,5 bilhões de anos. Essa colisão pode ter fragmentado uma grande quantidade de detritos que mais tarde levaram à formação da Lua.

(Talvez você se interesse por: Qual é a origem da água na Terra de acordo com a ciência?)

Por que Mercúrio é um dos planetas mais difíceis de explorar?

Mercúrio é um planeta rochoso e o menos explorado do Sistema Solar – em grande parte devido à sua distância do Sol e às condições climáticas extremas que isso implica. 

De acordo com a ESA, foi somente em 2011 que a sonda Messenger, da Nasa, foi colocada na órbita de Mercúrio pela primeira vez. Da Terra, é muito difícil de observar o planeta devido à luz ofuscante do Sol. 

Telescópio Espacial Hubble é capaz de capturar imagens de objetos tão distantes quanto possível na galáxia. Ele é um dos mais poderosos observatórios astronômicos, de acordo com a Agência Espacial Europeia, mas nunca tirou uma foto de Mercúrio por medo de danificar sua óptica. Por esse motivo, a ESA considera o planeta um dos mais difíceis de observar.

Por fim, Mercúrio é quente demais para que diferentes agências espaciais ousem enviar sondas e satélites para orbitar de perto o planeta. Embora as missões Messenger e Mariner 10 da Nasa tenham conseguido se aproximar de 300 a 200 quilômetros do planeta, a ESA adverte que seus encontros foram breves e não permaneceram continuamente nas proximidades do calor da região. A luz do Sol é tão intensa que é dez vezes maior que a da Terra.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados