Os 5 fatos que você não sabia sobre o orangotango, um dos primatas mais inteligentes

Seu nome significa "pessoa da floresta" e eles habitam apenas o continente asiático. No dia deles, descubra mais sobre esses animais incríveis.

Um orangotango macho adulto de Bornéu (Pongo pygmaeus wurmbii) no Parque Nacional Gunung Palung, província de Kalimantan Ocidental, Bornéu, Indonésia.

Foto de Tim Lamán
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 18 de ago. de 2023, 10:03 BRT

Os orangotangos fazem parte dos grandes símios, que também incluem gorilas, chimpanzés, bonobos e humanos. São animais fantásticos, cuja  necessidade de conservação é destacada todo dia 19 de agosto, no Dia Mundial do Orangotango.

Eles são nativos da Indonésia e da Malásia e são encontrados apenas nas ilhas de Bornéu e Sumatra, na Ásia. Seu nome deriva da frase malaia e indonésia "orang hutan", que significa "pessoa da floresta", explica a Great Apes Survival Partnership (Grasp), uma agência lançada em 2001 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

A ciência demonstrou que os seres humanos compartilham 97% de seu DNA com os orangotangos, com os quais têm um ancestral comum do qual divergiram há cerca de 15 milhões de anos, diz o Jane Goodall Institute (JGI) Argentina, uma organização que se concentra na pesquisa da vida selvagem, na conservação de espécies e de seu ambiente, bem como na educação e conscientização do público.

1. Existem três espécies de orangotangos

Há três espécies de orangotangos, observa o IJG. São elas: o orangotango de Bornéu (Pongo pygmaeus), que habita as províncias malaias de Sabah e Sarawak e as províncias indonésias de Kalimantan; o orangotango de Sumatra (Pongo abelii), que é encontrado no norte da Ilha de Sumatra; e o orangotango de Tapanuli (Pongo tapanuliensis), descoberto em 2017, que também habita o norte de Sumatra. 

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), as três espécies de orangotango estão criticamente ameaçadas de extinção. Elas também estão no Anexo 1 da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (Cites), que lista as espécies mais ameaçadas.

De acordo com o Jane Goodall Institute, os seguintes fatores são responsáveis pelo declínio da população: extração excessiva de madeira para plantações de óleo de palma, queimadas intencionais, mineração ilegal, matança de orangotangos que vagam em busca de alimento, tráfico de indivíduos vivos para animais de estimação e a indústria do entretenimento.

(Veja também: Os 5 animais que podem viver no frio extremo)

2. Os orangotangos são animais solitários

Esses grandes símios preferem a solidão, em comparação com seus pares gorilas ou chimpanzés. Eles tendem a passar a maior parte do tempo em árvores. Os laços sociais ocorrem principalmente entre as mães e seus filhotes, que permanecem juntos até a adolescência, explica a Grasp.

Orangotangos órfãos de Bornéu (Pongo pygmaeus) são reunidos em um carrinho de mão no Borneo Animal Rescue International, província de Kalimantan Ocidental, Indonésia.

Foto de Tim Lamán

As fêmeas mantêm um vínculo de profunda dependência com seus filhotes que dura até os oito anos de idade. Isso se deve ao fato de as mães transmitirem a eles todo o conhecimento que possibilitará a vida adulta. Elas os ensinam a distinguir os alimentos, onde encontrá-los e como se comportar diante do perigo, diz o Instituto Jane Goodall.

3. As frutas são o alimento favorito dos orangotangos

Sim! Aproximadamente 60% da dieta dos orangotangos consiste em frutas, diz a agência da ONU. Outros alimentos que eles comem incluem: folhas, brotos, sementes, cascas de árvores, insetos e ovos de pássaros.

(Talvez você se interesse por: As 5 curiosidades que você não sabia sobre os lagartos, o grupo mais diversificado entre os répteis)

4. Dormir mal não é uma opção para os orangotangos

Os orangotangos estão entre os primatas mais inteligentes, diz o IJG Bélgica. Eles usam uma variedade de ferramentas sofisticadas e constroem ninhos elaborados com galhos e folhagens para dormir todas as noites. Além disso, segundo o instituto, foram relatadas evidências de fabricação e uso de ferramentas sofisticadas na natureza.

O instituto acrescenta que há relatos de que orangotangos selvagens em Bornéu usam folhas para amplificar o som de beijo que fazem. Essa é uma ferramenta de comunicação acústica para enganar outros animais, fazendo-os pensar que são maiores.

5. Os orangotangos seguem normas culturais

Um macho de orangotango Tapanuli (Pongo tapanuliensis) usa um galho frondoso como guarda-chuva improvisado, província de Sumatra do Norte, Indonésia.

Foto de Tim Lamán

Como em outros macacos e animais, há tradições reconhecidamente aprendidas socialmente que constituem culturas, diz o IJG. Em algumas partes de Bornéu, os orangotangos usam punhados de folhas como guardanapos para limpar o queixo. 

Em outras partes de Sumatra, eles usam folhas como luvas para manusear frutas e galhos espinhosos, ou como almofadas de assento em árvores espinhosas.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados