Qual o impacto dos protetores solares nos ecossistemas?

A partir de um campo de pesquisa ainda a ser explorado, os cientistas alertam que a bioacumulação de substâncias tóxicas de protetores solares em ecossistemas pode causar alterações hormonais e reprodutivas.

O aumento da temperatura do mar torna intoleráveis ​​as condições de que os corais precisam para sobreviver. Os recifes – um ecossistema vital e um refúgio para inúmeras espécies – estão em grave perigo. Pesquisas apresentadas em 2020 sugerem que 70% a 90% dos recifes de coral estarão mortos até 2040. Os recifes existem em uma simbiose delicada com as algas que os fornecem nutrientes. Se a temperatura ficar muito alta, as algas – chamadas zooxanthellae – não podem colonizar o coral, e as estruturas de carbonato de cálcio "branqueiam". Aqui, o fotógrafo David Doubilet mostra o contraste entre um recife de opala saudável na Grande Barreira de Corais da Austrália, em 2010, versus 2019. O dano foi provavelmente devido a um aumento nas temperaturas do oceano em 2016.

Foto de David Doubilet National Geographic Image Collection
Por Cristina Crespo Garay
Publicado 22 de set. de 2022 10:32 BRT

A lembrança do verão geralmente é acompanhada de um aroma característico do mar, salitre, umidade, bronzeado... e protetor solar. Todos os anos, 25 000 toneladas de protetor solar chegam aos oceanos, de acordo com a organização ambientalista Green Cross

Esse creme, tão necessário para a nossa pele, inclui compostos à base de protetores solares ou filtros ultravioleta para bloquear os raios nocivos do sol. Esses compostos químicos também estão presentes em muitos dos materiais que utilizamos como matéria-prima, como os plásticos, para evitar sua degradação diante da radiação solar.

No entanto, o acúmulo de algumas dessas substâncias em ecossistemas marinhos e de água doce, como a oxibenzona e o octilmetoxicinamato, provoca alterações no ambiente e pode causar distúrbios hormonais e reprodutivos em espécies como os recifes de corais, que são especialmente afetados. De acordo com um estudo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), quase 80% dos corais do Caribe desapareceram nos últimos 50 anos.

De fato, um estudo publicado na revista científica Science Direct em 2020 encontrou filtros ultravioleta em vários níveis da cadeia alimentar. Os pesquisadores alertaram que, como é o caso dos microplásticos , essas substâncias podem estar nos alimentos que nós humanos comemos diariamente e até chegar à nossa corrente sanguínea.

"Embora tenham sido desenvolvidos métodos analíticos para sua quantificação em diferentes matrizes ambientais, faltam informações sobre esses compostos em termos de seu destino e comportamento no ambiente marinho e, especificamente, sobre sua bioacumulação e toxicidade em espécies aquáticas", explica a especialista em ecotoxicologia, Araceli Rodríguez-Romero.

Um dos problemas na determinação de soluções é que os protetores solares ainda pertencem ao grupo dos chamados poluentes emergentes, sobre os quais ainda não existe legislação vigente além das substâncias incluídas na diretiva Marco da Água. Entre esses contaminantes emergentes estão em objetos do cotidiano, como detergentes, cosméticos e produtos de higiene, medicamentos, hormônios e produtos farmacêuticos.

Entre esses novos produtos químicos, muitos deles estão relacionados a produtos de higiene pessoal e cuidados com a pele (por exemplo, filtros ultravioleta, antimicrobianos, antissépticos e microesferas plásticas), que chegam ao ecossistema costeiro principalmente através das estações de tratamento de águas residuais.

Por não terem medidas e proteções específicas para estudar essas substâncias por meio de sua motorização em ecossistemas aquáticos, esses elementos chegam ao mar por meio de descargas, pois as estações de tratamento não estão preparadas para sua eliminação.

Vários relatórios de instituições como a Water Joint Programming Initiative, a  União Europeia e a Unesco alertam para o aumento da presença destes contaminantes na água. No entanto, no caso das substâncias que filtram os raios ultravioletas, não é necessário procurar o canal de entrada nos ecossistemas através das descargas, mas sim em cada um de nós, que ao usarmos protetores solares poluímos as águas onde tomamos banho.

Consequências para a vida aquática

Embora o efeito na flora e fauna dos nossos ecossistemas ainda esteja a ser estudado em profundidade, vários relatórios já alertaram para a sua presença em mamíferos, peixes, algas e moluscos. O Conselho Superior de Pesquisa Científica (CSIC, na sigla em espanhol) encontrou essas substâncias mesmo nos ovos de aves selvagens. “Esse achado é relevante porque mostra que, se está no ovo, antes que a ave se desenvolva e tenha sido exposta ao ambiente, é porque a mãe transferiu o contaminante antes da postura”, explicam.

Um dos maiores riscos relacionados a esse problema é que essas substâncias podem causar problemas hormonais por serem desreguladores endócrinos e, portanto, afetar a capacidade de reprodução das espécies, agravando a situação de fragilidade da biodiversidade global.

“O monitoramento da poluição oceânica se tornou um dos principais desafios para as próximas décadas”, alerta Rodríguez-Romero. “Isso está de acordo com as prioridades estabelecidas por autoridades internacionais como a Comissão Europeia, que destacou o monitoramento de poluentes como um aspecto fundamental da estratégia europeia para oceanos limpos e saudáveis”.

(Artigo relacionado: Para salvar os oceanos, você deveria parar de usar glitter?)

A crise climática levou à detecção de poluentes em ecossistemas aquáticos exigindo procedimentos complexos de amostragem, tratamento e medição que exigem novas estratégias e instalações. Apoiadas no desenvolvimento de tecnologias mais acessíveis, algumas alternativas para a detecção mais simples e sustentável de poluentes marinhos estão atualmente em desenvolvimento.

Apesar do enorme esforço que já foi feito para melhorar o nosso conhecimento sobre a composição e poluição dos oceanos, ainda há muito por estudar. As dificuldades que esta pesquisa enfrenta são a baixa concentração de produtos químicos em amostras marinhas e a complexidade da coleta de amostras. 

Você pode se interessar pelo próximo vídeo:

Fezes de pepinos do mar são fundamentais para ecossistemas marinhos
Existem mais de 1,2 mil espécies de pepinos do mar nos oceanos do mundo, e esta é a Thelenota anax. Sim, ela está fazendo o que você está pensando.

“Isso é particularmente importante no caso de contaminantes metálicos e orgânicos, incluindo contaminantes emergentes que estão presentes em concentrações de ultratraços, que exigem procedimentos complexos para seu estudo”, explica Rodríguez-Romero, especialista da revista científica Frontiers.

"Para lidar com essas limitações, novas estratégias foram propostas nos últimos anos para o estudo de sistemas marinhos, desde a amostragem até a aquisição de dados, incluindo a preparação de amostras. Essas estratégias incluem o uso de drones como coletores de amostras remotas, o desenvolvimento de amostragem passiva de métodos e o aprimoramento de métodos instrumentais mais robustos e sensíveis".

Cremes solares biodegradáveis

No entanto, se o uso dessas substâncias é essencial para nossa saúde, como podemos garantir que nossa escolha seja sustentável para o meio ambiente? Alguns lugares paradisíacos que são exemplos de biodiversidade, como Havaí ou Palau, proibiram o uso de alguns dos filtros UV mais agressivos para proteger seus recifes de coral. No entanto, uma proibição mundial é uma medida muito complicada e demorada, razão pela qual os cientistas apoiam a mudança nas formulações para alternativas biodegradáveis ​​e naturais.

Segundo a BBC, a International Coral Reef Foundation apoiou que os produtos químicos proibidos por Palau são “conhecidos contaminantes ambientais” e que “a maioria deles é incrivelmente tóxica para os estágios juvenis de muitas espécies selvagens”.

O uso de cremes sem esses compostos e rotulados como não poluentes do meio marinho está ao nosso alcance e, ao contrário do que possa parecer, os cientistas enfatizam que o papel de cada indivíduo é essencial. O peso das pequenas decisões diárias na escolha dos produtos que compramos move o mundo de forma furtiva, mas implacável.

"Quando a sociedade exige o uso de produtos sustentáveis ​​e uma indústria consciente de seu impacto, as empresas são obrigadas a se comprometer com a transformação, como está acontecendo com os plásticos ou parabenos."

De acordo com os especialistas, quando há uma conscientização geral da sociedade e as decisões de cada indivíduo se movem com base na ética e na sustentabilidade, o mercado se transforma para responder a essa demanda e oferecer as alternativas que buscam. Além de evitar mergulhar na água assim que você aplicar o protetor solar, essas alternativas biodegradáveis ​​nos oferecem uma opção simples para não apenas nos protegermos, mas também nossos ecossistemas.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Julho sem plástico: essas são as leis que buscam transformar a indústria
Meio Ambiente
Microplásticos estão em nossos corpos. Quanto eles nos prejudicam?
Meio Ambiente
Nações finalmente concordam em resolver a crise da poluição plástica
Meio Ambiente
Nat Geo Podcast | Episódio 4: Além do oceano
Meio Ambiente
Como viver com menos plástico: dicas de especialistas para diminuir o consumo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados