Chá de rooibos: o que é e quais os benefícios da bebida sul-africana?

Valorizado por suas qualidades medicinais, o chá de rooibos está ligado à história da África do Sul e à herança dos povos nativos.

Por Elizabeth Warkentin
Publicado 19 de ago. de 2022 12:00 BRT
Rooibos Farm

Fileiras de arbustos de rooibos alinham-se em uma fazenda na encosta de uma colina em Clanwilliam, África do Sul. O chá de rooibos, popular por seus benefícios à saúde, é um alimento básico em quase todos os lares sul-africanos, mas só cresce na região de Cederberg.

Foto de Christian Heeb Laif, Redux

Para os nativos khoi e san da África do Sul, o chá de rooibos é como o leite materno, diz Barend Salomo. Diretor-gerente da cooperativa Wupperthal Original Rooibos (Worc), Salomo diz que cresceu bebendo a bebida sem cafeína.

“Eu tinha seis irmãs e cinco irmãos. Todos nós fomos amamentados. Quando minha mãe estava ocupada alimentando um bebê, ela substituía seu seio por uma mamadeira de rooibos para o outro”, lembra Salomo.

“As crianças sul-africanas tomam chá de rooibos preto com mel antes de tomarem refrigerantes”, diz Antje Mouton, sul-africana nativa de Joanesburgo. “O gosto é ótimo e é reconfortante. Também ajuda para todos os tipos de doenças. Desidratado? Chá de rooibos. Febre? Chá de rooibos. Inflamação? Mais uma vez, rooibos.”

Na sala de chá Malaya em Alameda, Califórnia (EUA), uma colher cheia de folhas de chá de rooibos é misturada com coco e lavanda. O rooibos é amado em todo o mundo. Nelson Mandela o bebeu, assim como o arcebispo Desmond Tutu. Quando ele se aposentou da vida pública em 2000, Tutu, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, disse que queria mais tempo para beber chá com sua esposa.

Foto de Aric Crabb MediaNews Group, East Bay Times, Getty Images

Mouton, gerente de operações da Martin Meyer Safaris, treina cães para uso em unidades anti-caça furtiva K9. Ela até dá rooibos frios para seus dois malinois belgas depois de um longo dia fora. “Se estiver muito quente, damos a eles uma tigela cheia de gelo.”

Nos últimos anos, o rooibos (arbusto vermelho, em holandês), rico em antioxidantes, conquistou um culto de seguidores fora da África do Sul entre os defensores da medicina natural. Dentro do país, desenvolveu-se uma modesta indústria de turismo de chá, com o objetivo de atrair viajantes para além dos vinhedos e safáris da vida selvagem da África do Sul.

Em 2021, o rooibos recebeu o status de “denominação de origem protegida” (DOP) pela União Europeia. A designação garante a qualidade e salvaguarda o nome de um produto alimentar ou vitivinícola proveniente de uma determinada região e que segue um determinado processo tradicional. Rooibos é o único produto africano que foi adicionado ao registro, que inclui alimentos especiais como queijo parmigiano reggiano e champanhe.

Mas na África do Sul, o rooibos é mais do que uma bebida; é um modo de vida. Os viajantes descobrirão que o chá está intrinsecamente ligado à cultura e à história do país, repleto de lutas dos povos nativos por equidade e inclusão. 

Os povos khoi e san (que às vezes são identificados coletivamente como khoisan) foram os primeiros a verificar as inúmeras propriedades medicinais da planta, transformá-la em chá e apresentá-la aos colonos holandeses. No entanto, até recentemente, eles não haviam sido reconhecidos por seu conhecimento tradicional nem colheram nenhum dos benefícios da moderna indústria multimilionária de rooibos.

Foto de Aric Crabb MediaNews Group, East Bay Times, Getty Images, MediaNews Group, East Bay Times, Getty Images

Em 2018, após quase uma década de negociações, os nativos foram formalmente reconhecidos como detentores do conhecimento tradicional dos rooibos e receberam a promessa de compensação por seu papel seminal no setor. Em julho de 2022, após quatro anos de atrasos do governo, as comunidades finalmente receberam seu primeiro pagamento do Conselho de Rooibos.

Chá de rooibos: história e benefícios para a saúde

Rooibos, ou Aspalathus linearis, é um arbusto cujos ramos jovens são frequentemente avermelhados. O arbusto tem agulhas verdes em vez de folhas e, na primavera, floresce com flores amarelas. 

Há apenas um lugar no mundo onde o rooibos cresce selvagem ou pode ser cultivado – a região de Cederberg, uma área montanhosa e acidentada, a duas horas a nordeste da Cidade do Cabo, que tem clima, solo e condições propícias ao crescimento saudável do arbusto vermelho. Muitos agricultores empreendedores tentaram cultivar rooibos em outros lugares, mas nenhum conseguiu até hoje.

Para processar o rooibos para o chá, as agulhas e os caules devem ser cortados e “machucados” (esmagados ou espremidos para tirar o suco), fermentados em pilhas e deixados secar ao Sol. O processo transforma as folhas em seu distinto tom marrom-avermelhado. O chá é peneirado em diferentes graus, depois esterilizado/pasteurizado para consumo humano.

Embora poucos estudos científicos tenham sido realizados, descobriu-se que o chá de rooibos pode melhorar a saúde do coração, reduzir o risco de câncer e beneficiar pessoas que sofrem de diabetes. Há também evidências anedóticas de que o rooibos alivia cólicas em bebês e ajuda a aliviar dores de cabeça, erupções cutâneas, eczema, pequenas queimaduras e distúrbios do sono, entre outros benefícios. Historicamente, os povos khoi e san pegavam as agulhas do arbusto vermelho, misturavam-nas com gordura animal e esfregavam a pomada na pele como agente antienvelhecimento ou anti-inflamatório.

À esquerda: No alto:

Folhas de chá de rooibos cultivadas são cortadas, empacotadas e carregadas em um trailer para serem transportadas até Clanwilliam para processamento adicional.

Foto de Mujahid Safodien AFP, Getty Images
À direita: Acima:

Um trabalhador da fazenda orgânica Skimmelberg classifica e trata as folhas de rooibos antes de embalá-las.

Foto de Chris Wallberg Picture-Alliance, AP Images

Os colonos chamavam o chá de “bebida de pobre”, pois era muito mais barato que o chá preto importado da Europa e da Ásia. No entanto, na década de 1930, depois de se apropriarem dos saberes tradicionais das próprias pessoas que os compartilhavam, os colonos europeus começaram a exportar rooibos e passaram a cultivá-lo como uma cultura comercial.

Hoje a África do Sul produz cerca de 20 mil toneladas da infusão aromática anualmente – mais do que o triplo da quantidade produzida na década de 1990. Pelo menos 8 mil toneladas são exportadas para mais de 50 países a cada ano. O extrato de rooibos também é adicionado a centenas de produtos, como cosméticos, produtos de panificação e bebidas alcoólicas.

Wupperthal, lar dos rooibos

“Rooibos faz parte da cultura daqui”, destaca Barend Salomo. “Você não pode separar rooibos das pessoas.”

Salomo nasceu e foi criado em Wupperthal, uma vila em Cederberg. Com seu pai, ele aprendeu a coletar rooibos na natureza; de sua mãe, como prepará-lo para consumo. Agora, seu filho está seguindo seus passos.

Na Worc, Salomo ajuda a administrar uma cooperativa de 66 produtores de rooibos cultivando 36 mil hectares de terra, usando métodos agrícolas biodinâmicos. Quando, em 2018, os khoisan souberam que finalmente estavam sendo reconhecidos por seus conhecimentos e contribuições, Salomo chorou de alegria.

O acordo com o Conselho de Rooibos, que representa a indústria, destina-se a fornecer cerca de 15 milhões de rands (cerca de R$ 4,5 mi) anualmente em perpetuidade para as milhares de pessoas khoi e san na África do Sul. Uma porcentagem do dinheiro permanecerá em um fundo destinado à educação, desenvolvimento de jovens e de habilidades – e pode incluir assistência médica e terras.

“Esse dinheiro traz algum tipo de dignidade de volta ao nosso povo”, destaca Salomo. “Ainda assim, é apenas o começo.”

Seguindo a trilha dos rooibos

Os viajantes curiosos podem aprender mais sobre a casa dos rooibos dirigindo para o norte, pela N7 da Cidade do Cabo até a pitoresca cidade de Clanwilliam, em Cederberg. Apresentando-se como a capital do chá de rooibos, Clanwilliam oferece oportunidades para degustações de chá na Rooibos Tea House e na nova House of Rooibos. Os visitantes podem visitar Skimmelberg, uma fazenda de rooibos orgânica 30 quilômetros ao sul de Clanwilliam.

Pinturas rupestres do povo san podem ser vistas na parede de uma saliência rochosa na região de Cederberg, na África do Sul, o único lugar onde crescem arbustos de rooibos.

Foto de Robert Harding Alamy Stock Photo

Aqueles que desejam se aprofundar na história dos rooibos e da conexão dos nativos com a planta devem seguir mais adiante na estrada até a remota vila – ou em inglês sul-africano, dorpie – de Wupperthal. Localizada 75 quilômetros a leste de Clanwilliam, Wupperthal é uma histórica vila missionária da Morávia com edifícios em estilo holandês do Cabo, caracterizados por telhados de palha, empenas centrais e exteriores caiados de branco.

Aqui é possível conhecer os descendentes dos habitantes originais de Cederberg. Salomo diz que a cidade está planejando a abertura de acomodações turísticas nos próximos seis meses. A comunidade espera desenvolver mais oportunidades para o ecoturismo, como a experiência de caminhada e acampamento de quatro dias oferecida pelo Live the Journey.

Degustações de chá podem ser apreciadas participando de caminhadas guiadas ao longo de uma trilha designada que leva em 13 postos avançados. Os visitantes também podem provar chás nas instalações de processamento de rooibos da Worc na cidade.

Chegando à Wupperthal, no final de uma estrada de cascalho esburacada e sinuosa, os viajantes descobrem uma terra de extraordinária diversidade botânica. A arte rupestre nativa está espalhada pela área, e o terreno pedregoso e montanhoso é repleto de cavernas, formações rochosas e árvores endêmicas, arbustos e flores, principalmente as proteas da neve e o cedro Clanwilliam, criticamente ameaçado. Cederberg também é um paraíso para os pássaros, e no início da primavera (agosto e setembro) tapetes de flores silvestres transformam esta região quase árida em uma profusão de cores.

Acima de tudo, Wupperthal é sobre rooibos. De fato, a cidade depende do chá “milagroso” para sua própria sobrevivência. Isso é um peso enorme para Salomo, que se sente responsável pelo bem-estar de seu povo. Para aliviar o clima, pergunto se ele mesmo bebe rooibos, se gosta de seu sabor distinto – um sabor doce e de nozes que muitas vezes é comparado ao chá de hibisco.

"Eu bebo durante o dia", diz ele, com um sorriso. “Tanto quente quanto frio. E quando chegar em casa, vou tomar uma xícara antes de ir para a cama. Isso me relaxa."

Elizabeth Warkentin é jornalista de viagens e fotógrafa freelance baseada no Canadá. Ela cobre cultura, história, natureza e vida selvagem para meios como Smithsonian, The Guardian, BBC e Toronto Star.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Viagem
Pode a música salvar uma língua em extinção?
Viagem
Conheça a cidade mágica que 'inspirou' o filme A Viagem de Chihiro
Viagem
'Vilas brancas' da Andaluzia foram forjadas por epidemias passadas
Viagem
O mistério dos ossos de São Valentim
Viagem
Por dentro das ‘cavernas irlandesas do inferno’, onde originou-se o Dia das Bruxas

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados