Os animais também sonham?

Ratos praticam corrida por labirintos, gatos imaginam caçadas futuras em suas cabeças. Os cientistas estão aprendendo mais do que nunca sobre os sonhadores animais.

Um golden retriever descansa no Vale da Lua, no deserto do Atacama, Chile.

Foto de Alex Saberi Nat Geo Image Collection
Por Brian Handwerk
Publicado 10 de nov. de 2022 14:50 BRT

Se você já assistiu a um cochilo de cachorro, provavelmente já se perguntou se os animais sonham.

É uma pergunta complicada. Ainda não sabemos exatamente por que os humanos sonham ou por que os sonhos podem ser importantes. Estudar os sonhos dos animais é ainda mais difícil; os cães não podem nos dizer o que os fez ganir ou correr durante uma soneca.

Dependendo de como são definidos, os sonhos com animais podem ter implicações intrigantes. 

“Acho que sonhar nos dá uma maneira de estender uma série de capacidades cognitivas aos animais; que inclui coisas como emoção, memória e até imaginação”, explica David M. Peña-Guzmán, que estuda filosofia da ciência na San Francisco State University e recentemente escreveu When Animals Dream: The Hidden World of Animal Consciousness.

Sabemos que os primatas têm emoções, mas considere as aranhas, que um estudo recente sugere que podem experimentar sono semelhante ao REM e até sonhos visuais. O pensamento de sonhos de aranha parece estranho, mas pode ser verdade.

“Temos essa ideia de que os sonhos são uma narrativa confabulatória, com elementos meio loucos e vívidos”, diz Matthew Wilson, neurobiólogo do MIT. “Mas quando olhamos para modelos animais, estamos simplesmente tentando entender o que acontece durante o sono que pode influenciar o aprendizado, a memória e o comportamento.”

O que os gatos sonham?

Os gatos domésticos foram alguns dos primeiros animais submetidos à pesquisa dos sonhos. Michel Jouvet, um pioneiro dos estudos do sono, descobriu evidências de sonhos felinos na década de 1960, quando observou o comportamento dos gatos enquanto dormiam e depois o alterou drasticamente.

No sono REM, os músculos humanos não se movem muito, apesar da intensa atividade mental que alimenta nossos sonhos. Esse estado de atonia garante que o corpo não represente nossos sonhos, por mais reais que pareçam. Jouvet descobriu que, em gatos, uma estrutura do tronco cerebral chamada ponte parecia regular o sono REM e produzir paralisia parcial. 

Ao remover partes da ponte, no entanto, Jouvet causou uma mudança dramática no comportamento. Com seus cérebros mergulhados no sono REM, os gatos começaram a se mover como se estivessem acordados, caçando, pulando, cuidando e se defendendo agressivamente contra ameaças invisíveis.

Jouvet chamou esse período de sono paradoxal, quando o corpo está parado, mas a mente permanece totalmente ativa. Isso forneceu uma janela para o que estava acontecendo no cérebro adormecido dos gatos.

“Os gatos realizaram comportamentos que são muito fáceis de interpretar, como mapeamento para uma experiência de vigília”, conta Peña-Guzmán.

Ratos lembram memórias de labirinto

Depois que os ratos percorrem um labirinto durante o dia, eles podem repetir o mesmo curso enquanto dormem, mostrou a pesquisa. Quando acordado, o hipocampo de um rato, uma parte do cérebro responsável por criar e armazenar memórias, lembra o padrão do neurônio de navegar pelo labirinto. Mais tarde, quando adormecido, o cérebro reproduz o padrão idêntico, sugerindo que o rato se lembra ou reaprende o labirinto novamente.

Esta descoberta de 2001 foi uma das primeiras a sugerir que os animais tinham sonhos complexos. E foi apenas o começo, diz o coautor Wilson, o neurobiólogo do MIT.

“Fizemos outros estudos que sugerem que as maneiras pelas quais as memórias de experiências passadas são trazidas novamente durante o sono podem ser semelhantes ao que experimentaríamos como sonhos”.

Esses estudos do cérebro de ratos mostram que, quando as memórias do labirinto ocorrem durante o sono, as imagens visuais que as acompanham também são reativadas, o que significa que os roedores adormecidos viram o que viram no labirinto enquanto estavam acordados. O mesmo foi encontrado para áreas auditivas e até emocionais, que se reativam quando o rato volta a percorrer o labirinto durante o sono REM. 

“Muitas coisas sugerem que há uma extensa reexperiência do estado de vigília durante o sono”, destaca Wilson. “Se queremos chamar isso de sonhos, estou perfeitamente confortável com essa descrição. A parte interessante é que, se é isso que está acontecendo, o que isso significa?”

Os tentilhões-zebra lembram músicas

Apesar de serem conhecidos por suas canções líricas, os tentilhões-zebra não nascem cantores. Os pássaros devem aprender ouvindo, praticando e, talvez, sonhando.

Em 2000, os pesquisadores descobriram que os neurônios do prosencéfalo das aves disparam com um padrão distinto enquanto cantam uma música – uma que os cientistas podem recriar nota por nota. Enquanto os pássaros dormem, o cérebro deles reproduzem esse mesmo padrão, replicando a música que ouviram e cantaram naquele dia, sugerindo que os pássaros se lembrem e pratiquem canções durante o sono.

Os autores do estudo suspeitam que os pássaros sonham em cantar. Os pássaros sonhadores revivem suas experiências de vigília? Ou os sonhos cantados são mais como algoritmos executados sem consciência? Os cientistas podem estar cada vez mais perto de descobrir.

Após mais pesquisas ao longo de duas décadas, os tentilhões foram os primeiros não mamíferos encontrados a ter uma estrutura de sono semelhante à dos humanos, incluindo o sono REM. Trabalhos mais recentes mostram que os pássaros também movem seus músculos vocais para combinar com a música em seus cérebros e podem ser solicitados a cantar uma música tocada para eles durante o sono. 

Os tentilhões adormecidos também produzem variações em suas canções, sugerindo que coletam informações sensoriais enquanto estão acordados e criam mudanças adaptativas improvisando novas versões para promover o aprendizado em estado de sonho.

Dormindo profundamente com os peixes

O peixe-zebra também experimenta um sono semelhante ao REM, de acordo com o neurobiólogo de Stanford Philippe Mourrain. Enquanto dormem, esses peixes perdem o tônus ​​​​muscular, desenvolvem batimentos cardíacos arrítmicos e mostram atividade cerebral que se parece com a de um peixe acordado. Uma diferença notável em relação aos humanos, embora não a todos os outros animais, era que os peixes não moviam os olhos.

A descoberta sugere que o sono REM, o estado em que a maioria dos sonhos ocorre, pode ter evoluído há pelo menos 450 milhões de anos – antes que os animais terrestres e aquáticos divergissem em sua evolução.

“Vinte anos atrás, as pessoas me diziam que os peixes nem dormem”, diz Mourrain. “Agora vemos… essas características comportamentais são conservadas de insetos a aranhas e vertebrados. E no sono REM, você perde o controle de seus sistemas reguladores mais vitais. A evolução não teria conservado um estado tão frágil se não importasse.”

Mas por que sonhar é importante? A conservação do sono REM ao longo da evolução significa que até os peixes podem sonhar? Isso depende da sua definição de sonho. 

Para Mourrain, o sonho é melhor explicado como simplesmente o embaralhamento das sinapses, ou em outras palavras, uma redefinição das conexões neurais que preparam nosso sistema nervoso para o dia seguinte por meio de processos como consolidação da memória e otimização da cognição.

“Eu não ficaria surpreso se sonhos reais fossem encontrados em animais, e acho que eventualmente seremos capazes de mostrar isso cientificamente”, acredita. 

“Você fez algo durante o dia e seu cérebro irá reproduzi-lo, integrá-lo e misturá-lo com outras experiências. Não somos a única espécie capaz de lembrar e aprender.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
As aranhas sonham? Novo estudo sugere que sim
Animais
Veja esta surpreendente ave híbrida colorida que tem intrigado os cientistas
Animais
Descoberta a origem das listras de gatos malhados
Animais
Abrigos de animais enfrentam nova crise
Animais
Como o calor extremo afeta animais de estimação — e como ajudá-los

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados