Múltiplas infecções por Covid-19 podem levar a problemas crônicos de saúde

Uma infecção anterior pelo Sars-CoV-2 pode protegê-lo por algum tempo, mas a imunidade diminui – e cada nova infecção, por mais branda que seja, prejudica seu corpo.

Por Sanjay Mishra
Publicado 14 de set. de 2023, 10:35 BRT
vaccine_booster

Um farmacêutico prepara uma injeção de reforço contra a Covid-19 na clínica de vacinação do Meritus Medical Center em Hagerstown, Maryland, EUA, em 22 de fevereiro de 2022. Manter-se atualizado sobre o status da vacinação contra a Covid é atualmente a melhor maneira de evitar complicações decorrentes de múltiplas reinfecções pelo Sars-CoV-2.

Foto de Kenny Holston The New York Times

Mehnaz Qureshi foi infectada pela Covid-19 sete vezes, apesar de ter sido vacinada inclusive com a dose de reforço. Veterinária e virologista no The Pirbright Institute, na Inglaterra, ela foi infectada pela primeira vez em março de 2020, quando a pandemia de Covid-19 estava apenas começando. Em seguida, todos em sua família ficaram doentes.

Embora os sintomas de Qureshi tenham sido leves, os sintomas dos membros de sua família foram piores – alguns precisaram de hospitalização e oxigênio suplementar para respirar. Como mãe de dois filhos e principal responsável pelos cuidados da família, ela não teve muito tempo para pensar ou tratar seus próprios sintomas. "Quase esqueci de mim mesma", lembra Qureshi. Mas a Covid-19 não havia se esquecido dela.

"Para mim, foram apenas quatro a seis meses de intervalo entre cada reinfecção", relata Qureshi. Além de interromper sua vida sete vezes, seus sintomas durante as reinfecções subsequentes foram mais graves.

Embora uma infecção anterior por Sars-CoV-2 possa proteger contra uma reinfecção por uma média de sete meses, a imunidade diminui depois disso. Os surtos repetidos de Covid-19 são prejudiciais – mesmo que os episódios sejam leves – porque as consequências de longo prazo aumentam a cada infecção adicional, conforme demonstrado em um estudo com veteranos dos EUA. 

Embora os veteranos não reflitam necessariamente o público em geral, pois tendem a ser mais velhos, brancos e do sexo masculino, a pesquisa mostra que os pacientes que foram reinfectados com qualquer variante do Sars-CoV-2 têm muito mais probabilidade de desenvolver problemas crônicos de saúde, como diabetes, doença renal, falência de órgãos e até mesmo problemas de saúde mental.

A primeira infecção de Qureshi foi leve, com febre que durou alguns dias, dores e sintomas de resfriado, ela lembra. "Meu principal sintoma foi que perdi o olfato e o paladar". Mas a infecção mais recente foi incapacitante. Ela ficou acamada por uma semana, mal conseguia ficar de pé e teve um grave comprometimento cognitivo. "Eu não conseguia pensar direito", recorda Qureshi. "A mais recente foi muito ruim."

Com o aumento das reinfecções, é uma boa notícia que a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) tenha aprovado novas doses de reforço das vacinas da Pfizer e da Moderna em 11 de setembro. Os dados preliminares da Moderna, que ainda não foram revisados por pares e publicados, mostram que o reforço baseado na variante XBB.1.5, que poderá estar disponível ao público norte-americano já nesta semana, gera níveis amplos de anticorpos não apenas contra a mais recente variante altamente mutante do Ômicron BA.2.86, mas também contra outras cepas atualmente em circulação: EG.5.1 e FL.1.5.1. 

Depois que o Comitê Consultivo de Práticas de Imunização dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) se reuniu e votou a favor das novas vacinas, a diretora dos CDC, Mandy Cohen, aprovou as recomendações do painel. "Os CDC agora estão recomendando a vacinação atualizada contra a Covid-19 para todas as pessoas com seis meses de idade ou mais, para proteger melhor você e seus entes queridos", declarou. 

"Certamente recomendo em todas as minhas consultas preventivas que os pacientes completem a série primária de vacinas contra a Covid-19 e mantenham as doses de reforço atualizadas", diz Natalie Paul, enfermeira de família da Lavender Spectrum Health, em Longview, Washington, EUA. Embora as vacinas e os reforços possam não bloquear novas infecções ou reinfecções, eles oferecem uma forte proteção contra complicações graves ou hospitalização. "Pessoalmente, eu mesmo a tomaria".

Aumento das taxas de reinfecção por Covid-19

Os CDC definem uma reinfecção como quando alguém apresenta resultado positivo para Sars-CoV-2 – o vírus que causa a Covid-19 – em um teste PCR 45 dias após a recuperação de uma infecção anterior confirmada. Nos Estados Unidos, cerca de 2,7% de todos os casos de Covid notificados durante o aumento da variante Delta no final de 2021 foram reinfecções. Mas o problema piorou significativamente quando surgiu a Ômicron, e suas subvariantes mais infecciosas se tornaram dominantes.

Uma análise dos CDC de casos de Covid-19 em adultos confirmados em laboratório entre setembro de 2021 e dezembro de 2022 revelou que as taxas de reinfecção aumentaram para 10,3% durante a onda Ômicron BA.1; 12,5% quando a BA.2 era dominante; 20,6% durante a BA.4/BA.5; e 28,8% durante a BQ.1/BQ.1.1. A boa notícia é que uma metanálise de 91 estudos publicados mostrou que a vacinação reduziu o risco de reinfecção, embora as vacinas tenham se tornado menos eficientes na prevenção de reinfecções contra as variantes Ômicron.

Mas é provável que o número de reinfecções seja subestimado, pois nem todos os infectados pelo Sars-CoV-2 ficam doentes o suficiente para fazer o teste. Como a reinfecção geralmente gera sintomas um pouco mais brandos, é ainda mais difícil avaliar completamente o número real. Como virologista, Qureshi faz testes de Covid com frequência quando suspeita que algo está errado, e é por isso que ela sabe que tem tido reinfecções frequentes.

Um estudo canadense estimou que 40% das pessoas que tinham anticorpos no sangue – prova de que haviam sido infectadas pelo Sars-CoV-2 – não tinham apresentado nenhum sintoma nos seis meses anteriores e não sabiam que haviam sido infectados.

Estudos realizados em vários outros países também sugerem que as taxas de reinfecção podem variar de 5% a 15%. Uma análise dos casos de Covid-19 na Sérvia, por exemplo, descobriu que o risco de ser reinfectado aumentou constantemente durante a pandemia, mas teve um pico após a chegada das variantes do Ômicron em dezembro de 2022.

Quem tem maior probabilidade de ser reinfectado pela Covid-19?

As pessoas que trabalham em empregos com muito contato pessoal, como professores e outros funcionários de escolas, profissionais da área de saúde e aqueles que vivem em lares multigeracionais, geralmente têm infecções recorrentes e frequentes por Covid, diz Paul. Por exemplo, os funcionários da área de saúde que trabalham em unidades clínicas com Covid-19 podem ter um risco quatro vezes maior de serem reinfectados em relação aos que trabalham em unidades não clínicas.

Estudos mostram que o risco de alguém ser infectado pela Covid-19 é muito maior entre famílias com crianças pequenas. De fato, mais de 70% das quase 850 000 famílias dos EUA podem ter sido infectadas pela Covid-19 por meio de uma criança durante o ano letivo.

"Agora trato muitas pessoas com várias infecções por Covid", relata o enfermeiro Paul. "Muitas delas têm fatores de risco, como ter filhos pequenos no sistema escolar."

Christine Micheel, assim como Qureshi, também é mãe de dois filhos pequenos. Ela foi infectada pela Covid-19 pela primeira vez em dezembro de 2020, pouco antes de as vacinas ficarem disponíveis. No entanto, mesmo depois de ter sido totalmente vacinada e reforçada, ela acabou pegando Covid-19 novamente em julho de 2022 durante a onda BA.5 Ômicron. Seu filho também foi infectado três vezes, enquanto sua filha pegou a doença duas vezes, embora ambas as crianças estivessem totalmente vacinadas na época.

"Seus sintomas eram tão pequenos que acho que somente eu, como mãe, poderia tê-los percebido como incomuns e feito um teste", lembra Micheel, pesquisadora de câncer no Vanderbilt-Ingram Cancer Center, em Nashville, EUA.

Com a reabertura das escolas em meio ao aumento do número de casos de Covid-19, as crianças podem, sem saber, estar espalhando a doença em suas casas. "Quantas crianças provavelmente andam por aí espalhando a Covid-19 sem que ninguém perceba?", questiona Micheel.

Os anticorpos contra o Sars-CoV-2 diminuem substancialmente em três meses, especialmente em pacientes com sintomas menos graves. Entretanto, a resposta imunológica a uma infecção anterior ou a uma vacina pode variar muito entre os indivíduos.

"Ninguém é imune a isso", alerta Qureshi. "Mais cedo ou mais tarde, você terá uma infecção".

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados