Por que a nova erupção vulcânica da Islândia pode ser a mais perigosa da história recente?

A erupção de 18 de dezembro é a quarta da região em três anos – e disparou 10 vezes mais lava por segundo do que qualquer uma das anteriores em seus picos. Veja o que acontece na região.

A Península de Reykjanes, na Islândia, explodiu em erupções vulcânicas no dia 18 de dezembro, criando uma surpreendente fissura de cerca de 4 km de comprimento, cujo segmento sul é visto aqui, perto da cidade costeira de Grindavik.

Foto de Marco Di Marco, AP Photo
Por Robin George Andrews
Publicado 21 de dez. de 2023, 08:00 BRT

Era apenas uma questão de tempo até que a Península de Reykjanes, na Islândia, começasse a sofrer novas erupções vulcânicas – já esperadas. Na noite de 18 de dezembro, a península explodiu em uma erupção vulcânica – a quarta em menos de três anos e uma entrada decididamente perigosa na saga vulcânica do país nórdico.

Apenas duas horas depois que um enxame de terremotos alertou sobre a erupção iminente, a lava estava sendo expelida 10 vezes mais por segundo do que qualquer uma das três últimas em seus picos, enquanto a própria fissura se expandia para impressionantes mais de 4 km de comprimento em questão de minutos – o que pode ampliar ainda mais nos próximos dias.

Após quase um milênio de dormência, essa região da Terra entrou em uma nova era vulcânica em março de 2021. As três últimas erupções (em 2021, 2022 e no início do verão de 2023) foram nada menos que espetáculos científicos e estéticos. A última vez que houve um período de múltiplas erupções na península foi no início do século 18. O fato de ela estar passando por outro período semelhante de erupções de lava é um dos motivos pelos quais o mundo tem observado tão atentamente.

No entanto, essa quarta erupção vulcânica chama a atenção da mídia internacional por três outros motivos: a aceleração do evento principal foi incomum em comparação com as três últimas; a localização, combinada com sua vigorosa salva inicial de rocha derretida e ameaça destruir uma cidade; e seu comportamento geral criou uma incerteza desconfortável sobre o que pode acontecer em seguida.

A cidade islandesa evacuada de Grindavik é vista aqui enquanto a fumaça se espalha e a lava é lançada no ar por uma fissura durante uma erupção vulcânica na Península de Reykjanes em 19 de dezembro. A erupção começou na noite de segunda-feira após um terremoto.

Foto de VIKEN KANTARCI, AFP, Getty Images

"Apenas no contexto dos últimos três anos na Península de Reykjanes, isso é bastante impressionante", diz Tom Winder, sismólogo de vulcões da Universidade da Islândia.

Na tarde de 19 de dezembro, apenas um terço da fissura permanecia vulcanicamente ativo, e a produção da erupção havia diminuído bastante. As coisas ainda podem mudar para pior, mas esperamos que a erupção continue a se dissipar.

Independentemente disso, essa pira vulcânica já consolidou sua reputação como uma das erupções islandesas mais cientificamente sedutoras das últimas décadas – e é por isso que cientistas de todo o mundo estão reunindo pistas sobre suas origens.

Um prelúdio caótico na região de Reykjanes

Embora a maioria das pessoas compreensivelmente pense em erupções vulcânicas como sendo provenientes de um vulcão, todas as quatro erupções mais recentes foram, na verdade, do tipo fissura: quando a lava força sua saída da crosta terrestre por meio de uma fenda fina recém-formada, geralmente em um local que não pode ser identificado antes do paroxismo. Erupções imprevisíveis de fissuras ocorrem em todo o mundo, inclusive no Havaí, nos Estados Unidos, mas não são tão conhecidas.

Mas essa última erupção é especialmente notável porque fez algo que os eventos de 2021, 2022 e meados de 2023 não fizeram. Em vez de se materializar mais uma vez em um local isolado perto da montanha vulcânica de Fagradalsfjall, ela seguiu seu caminho subterrâneo até Svartsengi – onde fica uma usina de energia geotérmica essencial para a região, o famoso spa Blue Lagoon, um ponto turístico importante, e as 3.500 pessoas que vivem na cidade costeira de Grindavík.

E fez uma entrada e tanto: no dia 10 de novembro, o magma subiu repentinamente até algumas centenas de metros da superfície, antes de parar – tudo ao som de uma cacofonia de terremotos que quebram rochas.

"Essa mudança na reabertura do sistema foi, honestamente, bastante surpreendente. Mas foi a escala da atividade do terremoto que pegou a maioria das pessoas de surpresa", revela Samuel Mitchell, vulcanólogo da Universidade de Bristol, na Inglaterra. Uma pausa entre a subida do magma e o início da erupção não é incomum em eventos de fissura, mas o prelúdio dessa erupção foi especialmente intenso e apressado.

Em meados de novembro, parecia muito provável que uma erupção ao longo de um "corredor" de 16 quilômetros de superfície aconteceria nos próximos dias ou semanas – um corredor que incluía Grindavík.

Moradores locais observam a fumaça alimentada por lava colorir o céu noturno de laranja. Essa pira vulcânica já consolidou sua reputação como uma das erupções islandesas mais consequentes e cientificamente sedutoras das últimas décadas.

Foto de KRISTIN ELISABET GUNNARSDOTTIR, AFP, Getty Images

Por que a Islândia tem tantos vulcões? A localização é a resposta

Islândia possui diversos bolsões de magma em seu território. Para os observadores internacionais da atual erupção, os pensamentos de outra nuvem de cinzas colossais, persistente e que aterrissaria voos – como foi visto durante a erupção do Eyjafjallajökull na Islândia em 2010 – atraíram preocupação. Felizmente, como desta vez o magma não está sendo injetado diretamente na parte inferior de uma camada de gelo, é extremamente improvável que ocorra uma explosividade prolífica geradora de cinzas.

Mas sua localização indicou que, diferentemente dos três eventos anteriores, essa erupção poderia causar sérios danos. Foi bom que o prelúdio da rocha derretida não tenha sido sutil: ele convenceu as autoridades a evacuar rapidamente a cidade de Grindavík naquele mesmo dia de novembro, mantendo os residentes longe de qualquer dano potencial e dando tempo aos funcionários para erguer muros de desvio de lava ao redor da usina de energia.

Ainda assim, a erupção teve um elemento de surpresa: a lava começou a ser expelida apenas duas horas depois que um terremoto ao norte da cidade sinalizou a erupção iminente, o que foi um interlúdio surpreendentemente curto. Isso "ressalta o quão perto estávamos de uma erupção logo após as evacuações iniciais no mês passado e o motivo pelo qual elas foram essenciais para garantir a segurança das pessoas", diz Winder.

O fato de o magma ter encontrado uma claraboia perto de uma série de crateras antigas a alguns quilômetros a nordeste da cidade foi um alívio momentâneo. Mas a intensidade da erupção e o crescimento chocante da fissura rapidamente deixaram claro que a cidade ao sul e a usina elétrica a oeste estavam em perigo.

Por enquanto, no entanto, a mais sombria das eventualidades pode ter sido evitada – tudo graças a uma mistura de sorte e proatividade islandesa.

A polícia fechou o entroncamento em direção à cidade de Grindavík, que foi evacuada em novembro devido à ameaça de atividade vulcânica. Especialistas afirmam que a erupção intensa e precipitada ressalta o quanto essas evacuações foram essenciais para garantir a segurança dos moradores.

Foto de Karim Iliya

O futuro nebuloso das erupções vulcânicas na Islândia

O fato de que muito pouco sobre a erupção é conhecido com certeza também reforça sua intriga. Apenas um dia após de seu início, a erupção se acalmou visivelmente, e parecia possível que ela se extinguisse em questão de dias. Como alternativa, dizem os especialistas, esse comportamento pode indicar que a erupção continuará bombeando lava a essa taxa modesta por meses.

"Se o magma armazenado em Svartsengi ainda estiver sendo renovado em profundidade, a erupção poderá atingir o equilíbrio em uma intensidade menor e continuar por algum tempo", diz Winder. "Parece que o suprimento de magma tem sido quase contínuo desde o final de outubro, portanto, parece realista que possa continuar por mais dois meses no futuro."

O fato de o magma vulcânico subterrâneo da região ser um quebra-cabeça em grande parte não resolvido apenas exacerba a incerteza dessa crise. Simplesmente não está claro por que Svartsengi foi o alvo do magma desta vez. Ele migrou de Fagradalsfjall ou veio de outro depósito subterrâneo? E por que o solo ao redor de Svartsengi já havia se inflado antes sem produzir uma erupção, ao passo que desta vez foi bem-sucedido?

Em menos de 24 horas após o início da erupção, os pesquisadores conseguiram coletar amostras da lava da nova erupção e compará-las com as três últimas ocorridas na península. E, de acordo com Ed Marshall, geocientista da Universidade da Islândia, todas elas têm uma química muito semelhante. Isso implica que há algum tipo de conexão magmática entre Svartsengi e Fagradalsfjall, mas a natureza dessa conexão é muito confusa no momento.

O que os vulcanólogos querem saber, acima de tudo, é o que aconteceu entre o drama sísmico do início de novembro e a erupção desta semana. Será que eles conseguiram prever exatamente quando e onde o magma chegaria à superfície com os dados obtidos nas semanas que antecederam a erupção? "Essa é uma pergunta grande e intrigante, que está no centro do que muitas pessoas estarão analisando nos próximos meses", afirma Mike Burton, vulcanólogo da Universidade de Manchester.

Por enquanto, tudo o que os cientistas podem fazer é monitorar os procedimentos da movimentação do magma e das erupções e esperar que suas observações acabem revelando os segredos por trás dessa nova demonstração de força vulcânica.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados