Aquecimento global: qual é o problema da Terra ficar 2°C mais quente?

O aumento de temperatura é inconsequente e perigoso – e os cientistas dizem que há sérias ramificações para a vida como a conhecemos se o planeta ultrapassar esta meta climática.

Por Kieran Mulvaney
Publicado 5 de dez. de 2023, 08:00 BRT

Apenas 2°C pode não parecer um grande aumento, mas os cientistas dizem que ele tem potencial para causar condições climáticas extremas em todo o mundo e desestabilizar o clima.

Foto de GODDARD SPACE FLIGHT CENTER, NASA

Depois de 35 anos que o cientista da Nasa James Hansen testemunhou perante o Congresso dos Estados Unidos sobre o espectro da mudança climática, a Terra está a caminho de sofrer um aquecimento de 2,7°C até 2100

E, embora haja pouco consenso entre as nações sobre como e com que rapidez reduzir as emissões de carbono responsáveis por esse aquecimento global, há um consenso quase universal de que esse aumento de temperatura seria desastroso.

Por esse motivo, os 196 signatários do Acordo de Paris, assinado em 2015, comprometeram-se a manter o aumento médio das temperaturas globais abaixo de 2° C acima dos níveis pré-industriais e, de preferência, limitar qualquer aumento a 1,5° C. Espera-se que os participantes da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (a COP 28), que ocorre em Dubai de 30 de novembro a 12 de dezembro, atualizem seu progresso no cumprimento dessas metas.

Considerando que o planeta Terra já está cerca de 1,2 °C mais quente do que era antes da Revolução Industrial, essa meta pode parecer, dependendo do seu nível de otimismo, muito ambiciosa ou perfeitamente alcançável. Mas do que exatamente essa meta nos salva, e como ela foi selecionada em primeiro lugar?

Como os 2°C se tornaram uma meta

De acordo com Daniel Swain, cientista climático da Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos Estados Unidos, as metas são tanto políticas quanto científicas.

“Em última análise, não há nada geofisicamente sacrossanto sobre 1,5, ou dois, ou três, ou qualquer outro número específico”, explica Daniel. O que é mais importante reconhecer, argumenta ele, é que a cada grau cresce o alerta, pois é maior a probabilidade de a Terra atingir "pontos de inflexão" irreversíveis – ou, como ele diz, “maior é a probabilidade de experimentarmos o que às vezes chamo de ‘surpresas desagradáveis’”.

Além disso, explica Maria Ivanova, diretora da Escola de Políticas Públicas e Assuntos Urbanos da Northeastern University, em Boston, o conceito de limitar o aquecimento2ºC é muito anterior ao Acordo de Paris. Segundo ela, tratava-se de um “cálculo de trás para frente” feito na década de 1970 por um economista da Universidade de Yale, William Nordhaus, que argumentou em dois artigos que um aumento de dois graus levaria o clima para além dos limites da experiência humana.

No entanto, seria errado inferir que os dois graus foram simplesmente retirados do “nada”, adverte Michael Mann, diretor do Penn Center for Science, Sustainability and the Media da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

"É evidente que não existe um limite absoluto", afirma  Mann. É mais uma definição um tanto objetiva de onde passamos do território "ruim" para o "muito ruim". Os 2ºC é uma linha divisória razoável onde passamos para o 'vermelho' em todas as áreas de preocupação."

Alguns lugares estão se aquecendo mais rápido que outros

O aquecimento de dois graus é de fato excessivo? "Bem, os 1,2°C de aquecimento global, que é onde estamos, já é demais", revela Mann. "Já estamos vendo consequências devastadoras. Portanto, é realmente uma questão de quão ruim estamos dispostos a deixar as coisas ficarem. Se 1,5°C seria ruim, dois graus seria muito ruim e três graus talvez seja, como defendo em meu novo livro “Our Fragile Moment”, o fim da civilização."

Mann observa que um relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (Ipcc) constatou que a diferença entre 1,5°C de aquecimento e dois graus poderia ser devastadora.

"Basicamente, o que ele mostra é que o aquecimento adicional de 0,5°C provavelmente significaria a perda do gelo marinho do Ártico, três vezes mais calor extremo, níveis muito maiores de extinção e a possível perda de recifes de coral em todo o planeta. Isso nos levaria ainda mais perto dos pontos de inflexão para a perda dos mantos de gelo da Groenlândia e da Antártida Ocidental (e os metros de elevação do nível do mar que os acompanham). É uma situação bastante difícil", diz ele.

Além disso, é claro, um aumento global médio é apenas isso – uma média. Alguns lugares, como o Ártico, estão se aquecendo quatro vezes mais rapidamente do que o resto do planeta; o que pode parecer uma quantidade moderada de aumento do nível do mar em partes dos Estados Unidos, pode ser catastrófico em estados de baixa altitude das ilhas do Pacífico.

Por esse motivo, esses países têm estado na vanguarda da ênfase da importância de limitar o aquecimento a 1,5°C.

Um argumento a favor das metas de temperatura

Mas se 1,2°C de aquecimento já é demais2°C é potencialmente cataclísmico, será que deveríamos estabelecer metas mais baixas? Deveríamos sequer nos preocupar com as metas de temperatura?

É imperativo ter uma meta”, argumenta Ivanova. "Ter uma meta é fundamental. É como ter um limite de velocidade, especialmente quando você pensa em como os limites de velocidade são comunicados. Uma coisa é quando você tem uma placa estática que diz 60 km/h. Mas outra coisa é quando você está se aproximando de uma dessas placas que mostra a sua velocidade. Porque então o que você faz é pisar no freio, porque esse feedback em tempo real de 'Oh, estou acima do limite' realmente leva a uma mudança de comportamento."

No entanto, argumenta Swain, os freios não estão nem perto de serem acionados o suficiente no momento. 

"Se pudéssemos agitar uma varinha mágica e [eliminar] as emissões de carbono amanhã, provavelmente poderíamos manter [o aumento] abaixo de 1,5°C", diz Swain. "Mas é claro que não podemos; essa varinha mágica não existe. E acho que o mesmo se aplica em grande parte aos dois graus. Acho que dois graus também é, a esta altura, uma meta muito ambiciosa em relação à nossa trajetória atual."

É inquestionável, reconhece Swain, que houve muito progresso na redução das emissões de carbono.

"Estamos em um caminho muito melhor do que estávamos, digamos, em 2005? Sim, estamos. Houve uma explosão na energia limpa. Há uma ciência incrível em andamento. As políticas públicas têm sido extremamente bem-sucedidas." Mas, segundo ela, é necessário muito mais, em um ritmo muito mais rápido, para que o aquecimento não apenas diminua, mas pare.

Se isso puder acontecer a tempo de evitar o aquecimento da Terra em dois graus, será uma espécie de conquista. Mas se isso puder ser feito bem antes que esse limite seja atingido, será um sucesso significativamente maior para todos.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados