Evolução animal: enquanto os machos buscam ter melhores armas, as fêmeas desenvolvem cérebros maiores

Um novo estudo mostra que, quando os animais machos desenvolvem armas elaboradas, como chifres e galhadas, as fêmeas da mesma espécie desenvolvem cérebros maiores do que o esperado.

Três jovens ovelhas com grandes chifres em um penhasco. Uma nova pesquisa demonstrou que, à medida que os mamíferos machos – incluindo as ovelhas selvagens – evoluíram para desenvolver chifres maiores, as fêmeas das mesmas espécies evoluíram para ter cérebros maiores.

Foto de Tom Murphy Nat Geo Image Collection
Por Jason Bittel
Publicado 29 de jan. de 2024, 08:00 BRT

Existe alguma cena na natureza mais emblemática do que um carneiro selvagem batendo em seu rival com chifres enormes e curvos que podem pesar 30 quilos cada um? Você consegue fechar os olhos e ouvir o estrondo dos machos enroscando seus dentes em uma madeira escura, ou já se espantou ao ver os enormes chifres de um alce adulto de dois metros de comprimento?

Basta dizer que os seres humanos são fascinados por animais armados naturalmente há mais tempo do que se pode lembrar: algumas das obras de arte mais antigas já encontradas retratam os chifres de um antigo búfalo de água e as presas de um javali, cada um deles gravado nas paredes de cavernas há cerca de 44 mil e 45 mil e 500 anos, respectivamente.

No entanto, nossa obsessão pela majestade dos chifres, das pontas e das presas pode estar nos impedindo de ver a maravilha do que está acontecendo no sexo oposto. De fato, um estudo publicado recentemente na revista Behavioral Ecology and Sociobiology fornece a primeira evidência de que, à medida que os mamíferos machos desenvolvem armas físicas maiores para o combate e para sinalizar sua aptidão, as fêmeas dessas espécies desenvolvem cérebros maiores do que o esperado.

"Acho que as fêmeas são um aspecto realmente importante da biologia que muitas vezes é ignorado", afirma Nicole Lopez, estudante de doutorado da Universidade de Montana, nos Estados Unidos, e principal autora do estudo. "Porque geralmente elas parecem monótonas ou sem graça, ou não são tão elaboradas [como os machos]."

Entretanto, embora o foco sempre tenha sido o que está acontecendo no topo da cabeça dos machos, pode haver algo igualmente notável acontecendo dentro da cabeça das fêmeas. E isso pode mudar o que pensávamos sobre a capacidade que elas têm de escolher um parceiro.

Cabra-de-leque (Antidorcas marsupialis) no Parque Transfronteiriço de Kgalagadi, que fica na fronteira entre Botsuana e África ...

Cabra-de-leque (Antidorcas marsupialis) no Parque Transfronteiriço de Kgalagadi, que fica na fronteira entre Botsuana e África do Sul. Esses animais com chifres estavam entre as espécies estudadas para esta pesquisa.

Foto de Alex Treadway, Nat Geo Image Collection

Inteligência x força bruta

A boa notícia para todos os fisiculturistas do sexo masculino é que o estudo não sugere que armas maiores se traduzam necessariamente em menor inteligência para os rapazes.

"Não é que, à medida que os homens investem mais em suas armas, eles ficam mais burros", esclarece Ted Stankowich, ecologista comportamental evolucionário da California State University Long Beach e autor sênior do estudo.

Em vez disso, os tamanhos dos cérebros masculinos parecem permanecer os mesmos, mesmo que a evolução pareça selecionar capacetes cada vez maiores.

Ao mesmo tempo, as fêmeas parecem investir recursos no tamanho do cérebro, diz ele. E embora não esteja claro se essas duas características estão diretamente ligadas – o que nos diria muito mais – o estudo mostra que elas estão de fato correlacionadas.

Para coletar dados sobre a relação entre essas características, Stankowich, Lopez e o coautor Jonathon Moore Tupas viajaram a sete museus para medir os crânios, o volume do cérebro e o tamanho das armas de 413 espécimes de 29 espécies de ungulados. Essas espécies incluem desde veadoscaribusalces até cabrascarneirosovelhasantílopes.

Um carneiro selvagem (Ovis canadensis) se aproxima de um carneiro mais jovem.

Um carneiro selvagem (Ovis canadensis) se aproxima de um carneiro mais jovem.

Foto de Robbie George, Nat Geo Image Collection
Carneiro selvagens se enfrentam no topo de um penhasco. Os pesquisadores dizem que nosso fascínio cultural pela ...

Carneiro selvagens se enfrentam no topo de um penhasco. Os pesquisadores dizem que nosso fascínio cultural pela forma como os animais machos usam seus chifres e galhadas como armas ofuscou as características biológicas igualmente fascinantes das fêmeas.

Foto de Barrett Hedges, Nat Geo Image Collection

"Levou anos para conseguir mais de 400 espécimes", diz Lopez. Quanto ao motivo pelo qual as fêmeas podem estar aumentando o volume de massa cinzenta em relação aos machos e suas armas, bem, os cientistas ainda estão tentando descobrir.

"O que achamos que está acontecendo é que os machos investem mais em suas armas naturais, o que os torna teoricamente mais importantes para as fêmeas, e talvez os sistemas sociais também se tornem mais complexos nesse momento", afirma Stankowich. "E talvez as fêmeas precisem de cérebros maiores para descobrir com quem devem acasalar e como navegar em seu sistema social."

Ummat Somjee, biólogo evolucionista da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, e do Instituto de Pesquisa Tropical Smithsonian no Panamá, observa várias limitações no estudo. Por exemplo, como observam os autores, o tamanho do cérebro não se traduz necessariamente em inteligência. Para chegar a essa conclusão, você precisaria de dados comportamentais de todas as espécies envolvidas, o que é muito mais difícil de obter.

Da mesma forma, embora ele tenha aplaudido os autores por examinarem tantos espécimes quanto o fizeram, 29 espécies representam apenas uma fração dos ungulados armados da Terra. Quem sabe se o padrão pode mudar quando outras espécies com chifres, chifres ou presas forem avaliadas?

Mesmo assim, Somjee, que estuda armas naturais em insetos e não participou do estudo, chamou-o de "uma ideia superinteressante com enormes implicações".

Um grupo de Gnus (Connochaetes) pulam no rio Mara, no leste da África.

Um grupo de Gnus (Connochaetes) pulam no rio Mara, no leste da África.

Foto de Charlie Hamilton James

O devido crédito aos animais

De certa forma, não é surpreendente que os seres humanos tenham se fixado em observar armas de animais. Afinal de contas, chamar a atenção é o que muitas dessas estruturas evoluíram para fazer, explica Somjee.

"Ficamos intrigados com elas. Somos compelidos por essas armas. E também somos enganados por elas", afirma ele. Por exemplo, Somjee diz que achamos notável o fato de os cervídeos machos – como veados e alces – sofrerem osteoporose temporária todos os anos, pois retiram nutrientes de seus próprios esqueletos para construir chifres

O novo estudo também mostrou que o efeito cérebro x músculos foi ainda mais pronunciado em animais com chifres do que naqueles com chifres - e a natureza sazonal de seus adornos pode ter algo a ver com o motivo.

Há cerca de 500 anos, veados selvagens percorrem as terras da Knole House, um antigo palácio ...

Há cerca de 500 anos, veados selvagens percorrem as terras da Knole House, um antigo palácio de um arcebispo no Reino Unido. Esse estudo mostrou que os cervos e veados tinham uma correlação especialmente forte entre a evolução dos chifres masculinos e dos cérebros femininos.

Foto de Jim Richardson, Nat Geo Image Collection

"É um fenômeno natural incrível. É realmente estranho e esquisito", diz Somjee sobre o rápido crescimento e perda de chifres. "Mas acho que uma coisa que foi deixada de lado é que o que está acontecendo com as fêmeas também é bastante surpreendente."

Por exemplo, as fêmeas também desviam grandes quantidades de cálciofósforo outros nutrientes de seus próprios corpos para construir descendentes inteiros em seus úteros. E, é claro, todos os tecidos que dão origem a chifrescornos ou presas são criados primeiro por essas fêmeas.

Por sua vez, Lopez ressalta que grande parte da literatura científica tem se concentrado nas batalhas entre os machos para entender a seleção sexual que ocorre nessas espécies. Afinal, há muito tempo a história predominante é que os machos maiores e mais armados ficam com as fêmeas.

"Mas pode ser que não estejamos testando da maneira correta para mostrar que [as fêmeas] têm algum tipo de decisão sobre os machos com os quais acabam se acasalando", diz Lopez.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados