Qual é a árvore mais antiga da Terra? Ela sobreviverá às mudanças climáticas?

Os pinheiros bristlecone, no oeste dos EUA, têm quase 5 mil anos, mas um cipreste da Patagônia desafia essa marca.

Este pinheiro bristlecone de 1.400 anos no Monte Washington, no Parque Nacional Grande Bacia, em Nevada, é tão icônico que sua imagem está estampada na parte de trás de alguns distritos dos EUA. Durante décadas, os pinheiros bristlecone, que podem viver até 5 mil anos, foram considerados os seres vivos mais antigos do planeta. Agora, uma árvore no Chile representa um desafio.

Foto de Keith Ladzinski National Geographic
Por Craig Welch
Publicado 15 de jul. de 2022 16:45 BRT

Milhares de metros acima do deserto de Nevada, nos Estados Unidos, em uma área do Parque Nacional Great Basin que os turistas raramente observam, a ecologista do parque, Gretchen Baker, ergueu seus binóculos ao se aproximar no topo do Monte Washington. Lá embaixo, cresciam alguns dos seres vivos mais longevos da Terra, brotando diretamente do calcário.

De troncos pálidos e retorcidos, esculpidos durante séculos pelo vento e pela chuva, os pinheiros bristlecone da Grande Bacia prosperam em condições que parecem pouco favoráveis. Em altitudes próximas a 3 mil metros, na região rochosa Snake Range de Nevada, não existem gramíneas e arbustos. Há poucas pragas e nenhuma competição. Não há pessoas que possam iniciar incêndios florestais. Não há árvores próximas que espalhem patógenos.

Sem nada por perto que possa matá-las, essas feras antigas são deixadas sozinhas ano após ano para simplesmente fazer o que fazem: armazenar água em seus troncos, que podem viver por décadas carregando o peso mínimo. Sua madeira de crescimento lento a torna densa demais, evitando que besouros ou doenças a penetrem.

À esquerda: No alto:

Jovem pinheiro bristlecone sobressai durante o incêndio do rancho Phillips, em 2000, que matou milhares da espécie. Uma razão pela qual os bristlecone são longevos é que eles crescem praticamente isolados, portanto os incêndios raramente se espalham por seus bosques. Mas à medida que os incêndios se tornam maiores e mais intensos com as mudanças climáticas, o fogo representa uma ameaça maior para esta espécie longeva.

À direita: Acima:

Pinheiros bristlecone crescem lentamente, o que dificulta a penetração de patógenos e insetos na madeira esculpida, ajudando-os a viver por mais tempo. Seus anéis de crescimento anual contêm informações sobre a variabilidade climática, que data de milhares de anos, e são um recurso valioso para os cientistas.

fotografias de Keith Ladzinski National Geographic

Outra estratégia que mantém os pinheiros bristlecone com vida é sua capacidade de “latir por tiras”. Mesmo quando partes da árvore morrem, o resto pode sobreviver enquanto uma tira de casca continua ligando os galhos vivos com suas raízes. Em alguns casos, 95% da árvore pode estar morta, e essa pequena porção continua viva.

Foto de Keith Ladzinski National Geographic

Alguns bristlecone individuais sobreviveram desta forma desde antes da construção das Pirâmides de Gizé. Isso inclui o pinheiro Matusalém, nas Montanhas Brancas da Califórnia, que com base nos dados dos anéis de crescimento, tem 4.853 anos, sendo assim o pinheiro bristlecone vivo mais antigo documentado.

Os cientistas há muito acreditam que esta árvore é o ser vivo mais antigo do planeta. Porém, recentemente, esse argumento foi questionado logo que um pesquisador chileno datou uma árvore de outra espécie utilizando técnicas pouco comuns. Se seu trabalho for comprovado, um cipreste da Patagônia passará a ser o novo organismo vivo mais antigo do mundo.

A afirmação deixou os pesquisadores de árvores impressionados, e em parte também céticos, porque o cipreste cresce em uma floresta tropical temperada, diferentemente do bristlecone. Apesar de sua longevidade, tanto o bristlecone quanto o cipreste lutarão pela sobrevivência nas próximas décadas.

Um velho rival

Os ciprestes da Patagônia, também conhecidos como alerces, são nativos do Chile e da Argentina. Há muito são reconhecidos como a segunda espécie de árvore mais longeva do mundo. O último registro foi identificado no início da década de 1990 pela contagem de anéis de árvores em um cepo cortado; tinha mais de 3.600 anos. (A terceira espécie conhecida mais antiga, uma sequoia gigante, foi identificada da mesma maneira e viveu até 3.266 anos.)

Mas, no início deste mês, um artigo na Science assinado por Gabriel Popkin revelou que o cientista ambiental Jonathan Barichivich e o pesquisador que identificou em primeira instância o velho cipreste estudavam outra árvore em um parque nacional chileno. Os pesquisadores usaram uma broca de incremento em forma de T para furar e remover uma amostra do núcleo do cipreste coberto de musgo. 

O dispositivo não conseguiu alcançar o centro da árvore, que tem mais de três metros de diâmetro. Mas, combinando a amostra do núcleo com as informações obtidas dos anéis de crescimento de outras coníferas, e usando modelagem por computador, os cientistas estimaram que a árvore tinha cerca de 5.400 anos, com 80% de probabilidades de ter mais de 5 mil.

Ao combinar uma amostra parcial com modelagem por computador, pesquisadores da América do Sul acreditam que podem mostrar que este cipreste da Patagônia, elevado em uma ravina no Chile, tem pelo menos 5 mil anos, o que o tornaria a árvore viva mais antiga da Terra. Alguns especialistas estão céticos.

Foto de Jonathan Barichivich

A pesquisa ainda não foi revisada por outros cientistas, mas Barichivich compartilhou suas descobertas em conferências. O pesquisador emérito do Serviço Geológico dos EUA, Nate Stephenson, que estuda sequoias gigantes há quatro décadas, considera os resultados interessantes, mas reterá seu julgamento até que Barichivich publique um artigo detalhando seus métodos. Ainda assim, “a perspectiva é certamente emocionante”, disse Stephenson a Popkin.

Outros, porém, são bastante céticos. Peter Brown, fundador da Rocky Mountain Tree Ring Research, que reúne informações sobre as árvores mais antigas do mundo, diz que a abordagem de Barichivich ainda é muito nova para fazer uma afirmação tão corajosa antes da publicação. “Ainda são necessárias muitas hipóteses para extrapolar a idade total a partir disso”, destaca Brown.

(Leia mais: Encontrada árvore mais antiga da Europa – e ela está tendo um estirão de crescimento)

Brown não duvida que a árvore seja significativa. Só o núcleo parcial parece indicar que a árvore tem pelo menos 2.400 anos, o que a incluiria entre as 10 árvores mais antigas da lista de Brown. Mas ele tem outros motivos para suspeitar. Por exemplo, “a nova idade estimada é mais de 1.500 anos mais velha do que a árvore (cipreste) mais antiga conhecida até hoje”, aponta.

Brown também vê diferenças importantes entre os tipos de ambientes que tendem a sustentar as árvores mais antigas e os arredores do cipreste patagônico. Em condições de isolamento e austeridade, temperaturas gélidas e solo rochoso, como é o caso dos bristlecone de crescimento lento, as árvores podem viver por muito tempo. As florestas tropicais cobertas de musgo, por outro lado, estão cheias de vida – e ameaças.

Os cientistas ainda discutem por que algumas árvores são capazes de viver tanto tempo. “Minha opinião é que as árvores não morrem necessariamente de velhice como os mamíferos”, comenta Brown. “Algo tem que surgir para matá-los.”

Barichivich entende o ceticismo. Ele explica que seu colega encontrou outro cepo de cipreste que, quando contados seus anéis de crescimento, mostram que ele tem cerca de 4.100 anos. (Esses dados também não foram publicados.) Ele também argumenta que os dados de anéis da árvore sugerem que os ciprestes crescem mais lentamente do que os bristlecone, o que significa que sua madeira também é muito densa.

Barichivich, como membro de uma equipe recente de pesquisa que analisou a relação entre as árvores mais longevas do mundo e o clima, também acredita que há semelhanças nos mundos das duas espécies nos aspectos mais importantes. A cordilheira chilena não é nada parecida com o oeste americano, diz ele, “mas também há condições especiais aqui”.

O antigo cipreste patagônico cresce em um declive orientado ao sul, onde a temperatura média anual é de aproximadamente 7°C. Encontra-se em uma ravina, protegido do fogo e até recentemente dos humanos. Barichivich diz que seu avô chileno, que trabalhava como guarda florestal no parque, descobriu a árvore no início dos anos 1970 e pode ter sido a primeira pessoa a tocá-la.

Os bristlecone vivem em ambientes hostis, frequentemente brotam de solos secos e rochosos acima de 3 mil metros, onde pouca coisa pode sobreviver. Atingidos por ventos implacáveis, com galhos torcidos e enrolados, chegam a grandes alturas, mas seu diâmetro pode continuar a se expandir por séculos.

Foto de Keith Ladzinski National Geographic

Uma ameaça em comum

Independentemente de qual seja a espécie campeã da longevidade, aqueles que estudam as árvores mais antigas do mundo têm uma preocupação comum sobre como suas espécies favoritas sobreviverão a tempos difíceis à frente.

Incêndios florestais agravados por nossas emissões de combustíveis fósseis destruíram até 19% das sequoias gigantes da Califórnia nos últimos dois anos.

(Você pode se interessar por: Enquanto desmatamento dispara, pesquisadores alertam para o risco de novas epidemias)

A localização dos bristlecone mais antigos é mantida em segredo para sua preservação, no entanto, a árvore chilena de Barichivich agora atrai muitos turistas, que pisam em sua base, potencialmente danificando as raízes. As mudanças climáticas também estão secando a região, o que pode ameaçar a absorção de água da árvore.

Os bristlecone também são testemunhas de um mundo em transformação. Em um dia claro em julho passado, Gretchen Baker subiu com sua caminhonete por uma estrada de cascalho tão íngreme que, por momentos, parecia que cairia da montanha. Anna Schoettle, ecofisiologista de plantas do Serviço Florestal dos EUA, pulou no banco de trás. O objetivo delas era explicar como os pinheiros antigos podem resistir ao aumento das temperaturas.

Há mais de 3.200 anos, na época da Guerra de Troia, as sequoias vivas mais antigas eram simplesmente mudas. Naquele período, os bristlecone vivos mais antigos já existiam há 1.600 anos.

Uma razão para isso é a capacidade do bristlecone de lidar com condições desfavoráveis. A erosão do solo ou a deterioração das raízes e a idade enfraquecem o tronco ou os galhos de um bristlecone, mas só morre a parte da árvore danificada de forma direta. Esses seres majestosos praticam o “latido por tiras”, permitindo que finas listras de tecido vivo sob a casca envolvam a árvore, fornecendo água de raízes saudáveis. Em alguns bristlecone, apenas 5% do que você vê ainda pode, de fato, estar vivo.

“Normalmente, você não verá uma árvore muito antiga com a casca completa”, esclarece Baker. "Só vive essa pequena parte. Porções inteiras da árvore são agora apenas madeira morta de aparência artística.”

Os pinheiros bristlecone residem em grandes altitudes de cerca de 1.900 a 3.000 metros. Eles sobreviveram às mais diversas condições. Entre cada árvore, existe uma distância considerável, por tanto, o fogo ocasional provocado por relâmpagos raramente se espalha além de alguns metros.

Mas ao contornarmos uma esquina no caminhão de Baker, uma imagem da nova realidade do planeta entrou em foco. Passamos várias cascas queimadas. Nas últimas décadas, ocorreram incêndios intensos e poderosos, alimentados em parte pela mudança climática, arrasando muitos pinheiros bristlecone.

Temperaturas mais altas, seca e fogo mais explosivo representam novas ameaças a essas árvores antigas, mas principalmente na parte inferior de sua extensão. Os bristlecone também são suscetíveis à ferrugem, um fungo importado que matou milhões de árvores relacionadas, incluindo pinheiros de casca branca no Parque Nacional de Yellowstone. Até agora, o fungo não apareceu nos bristlecone da Grande Bacia.

“Ferrugem é uma ameaça, absolutamente”, alerta Stanley Kitchen, um cientista emérito de pesquisa do Serviço Florestal. “Eu não sei a magnitude da ameaça. Para mim, isso é um ponto de interrogação importante."

Baker, Schoettle e Kitchen se preocupam com o fato de que a parte inferior dos bristlecone provavelmente passará por momentos difíceis nos próximos anos.

Mas “não me preocupo com os efeitos diretos das mudanças climáticas na metade superior”, diz Kitchen. “Eu acredito que seriam necessárias mais mudanças climáticas do que o projetado para fazê-los desaparecer.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
São vários os projetos de plantio de árvores. Qual você deve apoiar?
Meio Ambiente
Jane Goodall se une a campanha para plantar um trilhão de árvores até 2030
Meio Ambiente
As árvores nos arquivos fotográficos da Nat Geo marcam momentos únicos
Meio Ambiente
COP26: compromisso global para encerrar o desmatamento salvará as florestas?
Meio Ambiente
Fotos retratam os danos das mudanças climáticas – e como evitá-los

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados