Overtourism

O que é turismo de massa (ou turismo em excesso) e quais problemas ele vem causando pelo mundo?

Protestos por diversas cidades consideradas turísticas chamam a atenção para o aumento do número de visitantes em todo o mundo, chegando a níveis pré-pandêmicos. Com isso, a questão do turismo excessivo volta aos holofotes mais uma vez: existe solução?

As principais cidades turísticas do mundo estão começando a impor proibições, multas e impostos para combater o turismo massivo. Barcelona, na Catalunha, Espanha, é uma delas.

Foto de Photograph Maxiphoto, Getty Images
Por Kate Leahy
Publicado 10 de jul. de 2024, 14:41 BRT

Quando os moradores do charmoso vilarejo austríaco de Hallstatt, às margens de um lago, fizeram um bloqueio do túnel de acesso principal, brandindo cartazes pedindo aos visitantes que "pensassem nas crianças", isso evidenciou o que pode acontecer quando os lugares começam a se sentir invadidos por turistasHallstatt tem apenas 800 habitantes, mas abriu suas portas para cerca de 10 mil visitantes por dia – um aumento populacional de mais de 1.000%. E esse é apenas um exemplo diante do crescente número de lugares onde os residentes estão revoltados com o fluxo de viajantes.

O termo em inglês "overtourism", que se refere ao turismo excessivo ou turismo de massa, é relativamente novo, tendo sido cunhado há mais de uma década para destacar o número crescente de visitantes que está afetando as cidades, os pontos de referência e as paisagens. 

À medida que o número de turistas em todo o mundo retorna aos níveis pré-pandêmicos, o debate sobre o que constitui "excesso" de visitantes continua. Embora muitos destino que dependem da renda gerada pelo turismo ainda estejam ansiosos pela chegada de visitantes, algumas das principais cidades e locais estão agora impondo proibiçõesmultasimpostos e sistemas de horários chegando, em alguns casos, até mesmo a lançar campanhas de desestímulo em uma tentativa de reduzir o número de turistas.

(Você pode se interessar por: O rio Sena, que corta Paris, já teve sua própria deusa: conheça a história de Sequana)

O que caracteriza o turismo de massa (ou o overtourism)?

Em essência, o excesso de turismo é o excesso de pessoas em um único lugar em um determinado momento. Embora não haja um número definitivo que estipule o número de visitantes permitidos, um acúmulo de fatores econômicossociais e ambientais determina se e como os números estão aumentando.

Há os efeitos de grande alcance, como a mudança climática. Os recifes de coral, como a Grande Barreira de Corais e a Baía de Maya, na Tailândia, que ficou famosa pelo filme de Leonardo DiCaprio, “A Praia”, estão sendo degradados pelos visitantes que praticam snorkel, mergulham e tocam os corais, bem como pelos barcos de turismo que ancoram nas águas. E espera-se que as emissões de carbono relacionadas ao transporte provenientes do turismo cresçam 25% em 2030 em relação aos níveis de 2016, representando um aumento de 5% para 5,3% de todas as emissões causadas pelo homem, de acordo com a Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas (UNWTO). 

Questões mais localizadas também estão afetando os habitantes. Os inquilinos estão sendo despejados pelos proprietários em favor da transformação de propriedades em aluguéis de férias, e os preços das casas estão subindo como resultado. À medida que os visitantes e as propriedades de aluguel ultrapassam o número de residentes locais, as comunidades estão se perdendo

Além disso, a disparada dos preços, as filas excessivas, as praias lotadas, os níveis exorbitantes de ruído, somados aos danos em locais históricos e as ramificações para a natureza (à medida que as pessoas se sobrecarregam ou se desviam dos caminhos oficiais), também são motivos pelos quais os aspectos positivos do turismo podem ter um impacto negativo.

Por outro lado, criou-se também o "subturismo", um termo aplicado a destinos menos frequentados, principalmente após a pandemia. Os benefícios econômicos, sociais e ambientais do turismo nem sempre são repassados àqueles com grande capacidade e, embora os conselhos de turismo estejam sempre ansiosos para que os visitantes cheguem às suas atrações menos conhecidas, essa é uma experiência mais sustentável e gratificante tanto para os residentes quanto para os visitantes.

As vistas panorâmicas do Hallstätter See, das Montanhas Dachstein e da própria cidade austríaca são o que acaba atraindo as multidões para a minúscula Hallstatt.

Foto de Alan Tow, Getty Images

Afinal, qual é o principal problema do turismo de massa?

superlotação é um problema tanto para os habitantes locais quanto para os turistas. Ela pode arruinar a experiência de turismo para aqueles que ficam presos em longas filas, impossibilitados de visitar museus, galerias e locais sem reserva antecipada, incorrendo em custos crescentes para itens básicos, como comida, bebida e hotéis, e enfrentando a impossibilidade de vivenciar a maravilha de um lugar em relativa solidão. 

ausência de regulamentações reais fez com que os lugares tomassem para si a responsabilidade de tentar estabelecer alguma forma de controle de multidões, o que significa que não há coesão e nenhuma solução real.

Justin Francis, cofundador e CEO da Responsible Travel – uma operadora de turismo que se concentra em viagens mais sustentáveis –, diz: "A mídia social concentrou o turismo em pontos críticos e exacerbou o problema, e o número de turistas em todo o mundo está aumentando enquanto os destinos têm uma capacidade finita. Até que as pessoas locais sejam devidamente consultadas sobre o que querem e o que não querem do turismo, veremos mais protestos."

Uma startup francesa, a Murmuration, que monitora o impacto ambiental do turismo usando dados de satélite, afirma que 80% dos viajantes visitam apenas 10% dos destinos turísticos do mundo, o que significa multidões maiores em menos lugares. Além disso, a OMT prevê que, até 2030, o número de turistas em todo o mundo, que atingiu o pico de 1,5 bilhão em 2019, chegará a 1,8 bilhão, o que provavelmente levará a uma maior pressão sobre locais já populares e a mais objeções por parte dos moradores locais.

(Mais viagens pelo mundo: Como uma aurora boreal rara, "única em 20 anos", se formou no Polo Norte)

Barcelona, Veneza e mais cidades: quem está protestando contra o turismo em massa?

Dos 800 moradores do vilarejo de Hallstattlistado pela UNESCO, cerca de 100 compareceram em agosto para mostrar seu descontentamento e pressionar por um limite de visitantes diários e um toque de recolher para a chegada de ônibus de turismo.

Em outros lugares, os residentes de Veneza lutaram por muito tempo pela proibição dos navios de cruzeiro, com bandeiras de protesto frequentemente penduradas nas janelas. Em 2021, grandes navios de cruzeiro com mais de 25 mil toneladas foram proibidos de usar o principal Canal Giudecca, deixando apenas balsas de passageiros menores e navios de carga aptos a atracar.

Na França, o Marseille Provence Cruise Club introduziu um sistema de gerenciamento de fluxo para passageiros de linhas de cruzeiro em 2020, diminuindo o congestionamento em torno da popular Basílica de Notre-Dame-de-la-Garde. Um porta-voz da Cruise Lines International Association (CLIA) disse: "Os ônibus são limitados a quatro por navio durante a manhã ou à tarde na Basílica para garantir uma boa experiência para os visitantes e segurança para os residentes e empresas locais. Esse é um acordo voluntário respeitado pelas companhias de cruzeiro."

Já em Orkney, na Escóciaos moradores estão revoltados com o número de navios de cruzeiro que atracam em suas costas. No início de 2023, o conselho local confirmou que 214 escalas de navios de cruzeiro estavam programadas para o ano, trazendo cerca de 15 milhões de libras em receita para as ilhas. Após a reação dos habitantes locaiso conselho propôs um plano para restringir o número de navios em qualquer dia.

mais populares

    veja mais

    Os grandes navios de cruzeiro foram proibidos no Canal Giudecca, em Veneza, desde 2021.

    Foto de Bruce Hodd, Getty Images

    “"80% dos viajantes visitam apenas 10% dos destinos turísticos do mundo"”

    Turismo em excesso: que medidas estão sendo tomadas? 

    Os impostos municipais têm se tornado cada vez mais populares, com Barcelona aumentando sua taxa noturna em abril de 2023 – que foi originalmente introduzida em 2012 e varia de acordo com o tipo de acomodação – e Veneza espera cobrar dos excursionistas uma taxa de 5 euros a partir de 2024.

    Em Amsterdão conselho da cidade votou pela proibição de navios de cruzeiro, enquanto a prefeita, Femke Halsema, encomendou uma campanha de desestímulo, pedindo aos jovens britânicos que planejavam ter "férias morais" que ficassem longe. Em Roma, as autoridades restringiram o ato de sentar-se em locais populares, como a Fonte de Trevi e a Escadaria Espanhola.

    Enquanto isso, em Maasai Mara, no Quênia, o governador do condado de Narok introduziu multas no local para quem não estiver em condições de andar de carro. Ele também planeja dobrar as taxas noturnas do parque na alta temporada.

    (Destinos para descobrir: Bem perto de Cusco, no Peru: conheça o Vale Sagrado dos Incas)

    Quais são as previsões para o turismo global?  

    Durante a pandemia de Covido turismo foi um dos setores mais afetados – de acordo com a OMT, as chegadas de turistas internacionais caíram 72% em 2020. No entanto, desde entãoo número de viajantes tem aumentado rapidamente, com o dobro de pessoas se aventurando no exterior nos primeiros três meses de 2023 do que no mesmo período de 2022. E, de acordo com o World Travel Tourism Council, espera-se que o setor de turismo atinja 7,5 trilhões de libras este ano, 95% de seus níveis pré-pandêmicos.

    Embora a previsão seja de que o setor de turismo represente 11,6% da economia global até 2033, também se espera que um número cada vez maior de pessoas demonstrará mais interesse em viajar de forma sustentável. Em uma pesquisa realizada em 2022 pela Booking.com, 64% das pessoas entrevistadas disseram que estariam dispostas a ficar longe de locais turísticos movimentados para evitar aumentar o congestionamento.

    (Para saber mais: Quais são os 5 menores países da América Latina e do Caribe? Eles têm menos de 500 quilômetros quadrados)

    Existe solução para o turismo em excesso nas cidades?   

    Há maneiras de gerenciar melhor o turismo, promovendo mais viagens fora de temporada, limitando o número de turistas sempre que possível e com maior regulamentação no setor. O incentivo a viagens mais sustentáveis e a busca de soluções para reduzir o atrito entre residentes e turistas também podem ter impactos positivos. A promoção de locais alternativos e menos visitados para redirecionar os viajantes também pode oferecer alguns benefícios.

    Harold Goodwin, professor emérito da Manchester Metropolitan University, diz: "O excesso de turismo é uma função do volume de visitantes, mas também de comportamentos conflitantes, aglomeração em locais inadequados e privacidade. Os antropólogos sociais falam sobre espaços de palco e de bastidores. Os turistas raramente são bem-vindos nos espaços dos bastidores. Para gerenciar multidões, primeiro é necessário analisar e determinar suas causas.

    Francis acrescenta: "No entanto, devemos ter cuidado para não recriar os mesmos problemas em outros lugares. O mais importante é formar uma estratégia clara, consultando a população local sobre o que um lugar quer ou precisa do turismo."

    Atualmente, o excesso de turismo é um problema sazonal para um pequeno número de destinos. Embora não exista uma solução única para todos os casos, uma série de medidas é claramente uma opção, dependendo da escala do problema. Para a maior parte do mundo, o turismo continua sendo uma força para o bem, com muitos benefícios além do simples crescimento econômico.

    *Este artigo foi produzido pela National Geographic Traveller (Reino Unido).

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados