Seine Cleanup MM10144- Sequana statue

O rio Sena, que corta Paris, já teve sua própria deusa: conheça a história de Sequana

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Paris 2024 será realizada no lendário rio Sena. Mas você sabia que ele foi batizado em homenagem a uma divindade galo-romana?

Revelada em 2015, essa estátua do escultor Eric de Laclos representa Sequana, a antiga deusa galo-romana do Sena.

Foto de Tomas van Houtryve, National Geographic
Por Mary Winston Nicklin
Publicado 10 de jul. de 2024, 07:00 BRT

Ao pensar no rio Sena, em Paris, você pode imaginar a secular igreja Notre Dame, o Museu do Louvre, um balé de barcos sob as pontes ao lado da Torre Eiffel. "Sob o céu de Paris / corre um rio alegre", cantou Edith Piaf. Filmes sucessos de bilheteria e músicas pop de sucesso, garantiram o status de celebridade internacional do rio. Agora em 2024, o famoso Sena terá um papel de destaque nas Olimpíadas de Paris e o mundo estará com olhos nesse rio. 

No entanto, poucas pessoas sabem sobre a deusa galo-romana que dá nome ao rio Sena. De origem celta, a divindade curadora Sequana foi homenageada em um culto após a conquista romana da Gália no século 1 a.C.

Esculturas de braços, pélvis, órgãos internos... Esse era o tesouro que aguardava os arqueólogos do século 19 quando descobriram os restos de um santuário galo-romano na nascente do Sena, na Borgonha. As escavações realizadas entre 1836 e 1967 desenterraram cerca de 1.500 ex-votos (oferendas) de pedrabronze e madeira que os peregrinos ofereciam à Sequana. Acredita-se que as partes do corpo representavam ferimentos ou doenças que precisavam de cura.

"Uma dessas oferendas representa uma perna com uma esponja colocada no tornozelo, não muito diferente de uma esponja que você usaria hoje no chuveiro", explica Franck Abert, curador do Museu Arqueológico de Dijon, na França, onde a coleção está alojada. Datados de 40 a.C., as oferendas de madeira são extremamente raras, tendo sido preservadas em condições pantanosas e úmidas por mais de dois milênios

Únicas na França são as oferendas de pedra com mãos em forma de estribo e segurando uma fruta redonda. Além disso, as estatuetas incluíam crianças com filhotes de cachorro, o que, segundo Abert, poderia refletir as procissões cerimoniais que terminavam com o sacrifício do animal – esse ritual era um costume comum na Roma antiga.

À esquerda: No alto:

Começando como um gotejamento no planalto de Langres, na Borgonha, o rio Sena aumenta à medida que flui por mais de 777 km, passando por Paris antes de finalmente encontrar o mar entre as cidades de Honfleur e Le Havre, na Normandia.

À direita: Acima:

Uma ninfa reclina-se em uma gruta construída por Napoleão 3º na nascente do rio Sena, nas colinas da Borgonha, na França. As cabeceiras do rio também são o local de um santuário galo-romano onde os peregrinos faziam oferendas votivas à divindade curadora Sequana.

fotos de Tomas van Houtryve, National Geographic

Dedicatórias à deusa Sequana foram encontradas em várias inscrições, como o magnífico frasco lacrado – cheio com 300 moedas120 oferendas e quatro anéis de ouro – oferecido por um crente esperançoso chamado Rufus. Não foram encontradas referências à deusa fora da fonte do Sena. No entanto, apesar desse contexto altamente localizado, Sequana pode ter tido uma profunda influência além da vizinhança imediata.

"A importância econômica do rio talvez tenha dado a Sequana uma reputação extra-regional", escreve a arqueóloga Sylvie Robin no catálogo da exposição sobre o Sena, atualmente em exibição na cripta arqueológica da Île de la Cité, em Paris.

mais populares

    veja mais

    Um mapa da cidade galo-romana de Lutécia, antigo local onde hoje é a atual Paris, pelo gravador e ilustrador Henri de Montaut (1865).

    Foto de © Look and Learn, Bridgeman Images

    Afinal de contas, a deusa deu seu nome ao famoso rio da França, a palavra evoluindo com o tempo para o apelido "Sena" que é universalmente reconhecido hoje. Essa é uma evidência adicional das origens gaulesas de Sequana. "É um nome feminino, enquanto os romanos geralmente davam nomes masculinos aos cursos de água", explica Abert. "O rio já era atribuído como feminino na era gaulesa." 

    Os arqueólogos acreditam que os celtas traziam oferendas à deusa do rio para pedir uma cura ou para agradecer por desejos realizados – uma prática que evoluiu na era galo-romana com um amplo complexo de templos de pedra com piscinas e terraços. As ruínas ainda são visíveis hoje. 

    A fusão das mitologias celta e romana


    Ao conquistarem uma infinidade de povos, os antigos romanos adotaram divindades locais e as absorveram em seu panteão. Assim, Sequana representa uma fusão de culturas. "Como César observou, os gauleses eram conhecidos por terem muitos deuses – eles tinham deuses para tudo", afirma Abert. "Mas eles não faziam estátuas deles como os romanos faziam. Tivemos as primeiras representações de deuses gauleses com a romanização." 

    Às vezes, esses deuses são retratados lado a lado, como o Cernunnos celta e o Júpiter romano representados na icônica escultura de Paris conhecida como o Pilar dos Barqueiros. A adoração de Epona, uma deusa gaulesa associada à fertilidade e aos cavalos, espalhou-se para além da Gália, chegando às bordas do Império Romano.

    O rio Sena serpenteia ao longo de uma paisagem verdejante perto de Esclavolles-Lurey, no nordeste da França.

    Foto de Tomas van Houtryve, National Geographic

    TheA única personificação sobrevivente de Sequana está imortalizada em uma estátua de bronze do século 1 que é uma joia na coleção do Museu Arqueológico de Dijon. Descoberta com uma estátua de um cervo perto da nascente do Sena em 1933, a deusa coroada em um manto esvoaçante está montada em um barco, com a proa em forma de cabeça de pato ou cisne. "Ela é jovem, com olhos grandes e traços refinados, e tem um olhar de expectativa", escreve a autora Elaine Sciolino no livro “The Seine: The River That Made Paris”. 

    Aparentemente, a estátua foi criada inicialmente como uma deusa da abundância e depois desmontada para colocar um barco sobre o pedestal. O chifre da abundância foi removido de suas mãos e voilà! – um inteligente artesão galo-romano conjurou a divindade. O barco é o que define Sequana, a ave aquática frequentemente evocada como o animal protetor das crianças e da família. Nas ruínas de uma necrópole galo-romana perto de Port-Royal, em Paris, os arqueólogos encontraram brinquedos e talismãs infantis com formas semelhantes.

    Oferenda atual à Sequana com foco ambiental


    Os gestos antigos dos peregrinos na nascente do Sena inspiram o artistacineasta franco-polonês Yan Tomaszewski. Seu projeto recente se concentrou em oferendas contemporâneas: uma série de esculturas envoltas em algodão contendo carvão ativado. Como parte de uma procissão cerimonial artística, elas foram imersas no rio por várias semanas. "Como os bastões de carvão que você coloca em garrafas para purificar a água e torná-la potável, o carvão absorve poluentes e impurezas", explica ele. 

    "A ideia é que essas esculturas curem o rio de forma concreta e simbólica." O carvão saturado de poluição foi então enviado a um laboratório científico para análise de poluição, e as esculturas foram exibidas em várias exposições de museus. Uma delas pode ser vista atualmente na cripta arqueológica da Île de la Cité.

    O esforço em pequena escala de Tomaszewski – inspirado em um antigo ritual Sequana, carregado de simbolismo – reflete o colossal projeto de limpeza do rio Sena, que tem como objetivo tornar o Sena novamente nadável para as Olimpíadas. "A ideia é oferecer", diz ele. "Um presente por um presente."

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados