Quanto tempo o cérebro leva para memorizar?

As pessoas são submetidas a diferentes estímulos desde o momento em que nascem. E o cérebro é o principal órgão do corpo que capta, interpreta e codifica informações sobre o ambiente, as relações sociais e toda a experiência vivida.

Uma ilustração mostrando um cérebro e como pode ser uma onda de dopamina.

Arte de DANIEL HERTZBERG
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 25 de jul. de 2023, 15:15 BRT

A quantidade de informações que uma pessoa pode reter em seu cérebro varia não apenas para cada indivíduo, mas também para o tipo de evento episódico que ela está tentando memorizar. 

Essa particularidade torna a variável da memorização cerebral difícil de ser explicada por números, como observa o artigo “Minimal memory for details in real life events” (em tradução livre “Memória mínima para detalhes em eventos da vida real”), publicado na revista científica Nature, em 2018.

(Relacionado: Como o uso excessivo de telas afeta o cérebro)

Quanto tempo leva para o cérebro memorizar um hábito?

Para investigar como os hábitos de longo prazo são formados na vida cotidiana, uma pesquisa do European Journal of Social Psychology estudou o tempo que as pessoas levam para automatizar uma ação em um determinado número de dias (12 semanas no caso do estudo). 

A pesquisa chamada “How habits are formed: modelling habit formation in the real world” (ou “Como os hábitos são formados: modelando a formação de hábitos no mundo real”, em tradução livre) descobriu que as pessoas precisam de um total de 18 a 254 dias para atingir 95% de automaticidade na memorização de um hábito

No entanto, o estudo mostrou que uma pessoa conseguiu se adaptar à ação à sua vida diária em média 66 dias após o estudo, concluindo que o período de tempo aumenta ou diminui dependendo da complexidade do hábito a ser adquirido. 

O vídeo que desafia seu cérebro e pode mudar seu dia
Qual tipo você é: a pessoa que adia as tarefas e a lição de casa, ou a que faz as coisas? Jogue este jogo de pontos para descobrir! Show: Truques da Mente

Como uma memória é formada e armazenada

Um artigo publicado pela National Geographic em 2019 também tratando sobre a memória humana menciona três tipos de memórias que as pessoas podem reter. Elas podem ser sobre atividades rotineiras, bem como sobre trabalho ou memórias emocionais e experienciais. São elas: 

  • Memórias de curto prazo: podem durar de segundos a horas.
  • Memórias de longo prazo: podem levar anos para serem esquecidas.
  • Memória de trabalho: são capazes de armazenar informações repetitivas.

As primeiras conjecturas científicas sobre como a memória humana funciona explicam que o cérebro é composto por uma série de neurônios ou células nervosas chamadas de conjuntos de células. Essas células disparam em busca de um estímulo específico até entrarem em repouso. Assim, quando uma nova experiência ativa a célula nervosa, ela dispara junto com outras na forma de uma memória. 

(Talvez você tenha interesse em: Quais nutrientes o cérebro precisa para ser saudável?

Por exemplo, quando uma pessoa repete um número de telefone várias vezes, ela está usando a memória de trabalho. 

Já no caso das memórias de curto prazo, elas precisam ser reforçadas para desencadear uma memória de longo prazo por meio de um processo cerebral chamado consolidação da memória. Essa atividade modifica o conjunto de células mencionado acima para fazê-las crescer e se comunicar com outras áreas nervosas da mente. 

Fazer pequenos intervalos ajuda o cérebro a aprender

A consistência é uma virtude quando se trata de certas atividades artísticas e acadêmicas. Aprender a partitura de uma nova peça musical, por exemplo, pode ser fortalecido na memória se o músico fizer uma pausa acordada da prática repetitiva habitual. 

Um estudo de 2021 realizado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH) e apoiado pelo também norte-americano Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS) mostra como fazer pequenas pausas pode ajudar o cérebro a aprender novas habilidades. 

À esquerda: No alto:

Uma amostra de 50 mícrons de espessura dos hemisférios do cérebro humano, o cérebro que ajuda a controlar a linguagem e a computação numérica.

À direita: Acima:

Uma amostra de 50 mícrons de espessura do cerebelo, a parte do cérebro que ajuda a controlar as funções motoras.

fotos de Robert Clark

Os pesquisadores do NINDS mapearam a atividade cerebral que flui quando os pacientes do estudo tiveram que escrever um código numérico de cinco dígitos o maior número de vezes possível durante dez segundos. Em seguida, eles fizeram uma pausa pelo mesmo período de tempo e tiveram a chance de repetir essa atividade um total de 35 vezes. 

"Nossos resultados corroboram a ideia de que o descanso acordado desempenha um papel tão importante quanto a prática no aprendizado de uma nova habilidade", disse um dos principais pesquisadores responsáveis do Instituto. 

A equipe descobriu que a região do cérebro mais ativa no procedimento ocorreu nas áreas sensório-motoras do cérebro, que são responsáveis por acionar os movimentos do corpo. No entanto, eles ficaram surpresos ao descobrir que o hipocampo e o córtex entorrinal também apresentaram atividade nervosa no procedimento. 

"Os resultados que obtivemos sugerem que essas regiões interagem rapidamente com o córtex sensório-motor ao aprender esses tipos de habilidades", diz o estudo, concluindo que o repouso acordado pode ser uma ferramenta poderosa para ajudar as pessoas a adquirir novas habilidades.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados