O tomate é uma fruta ou um legume? Descubra por que ele é tão benéfico para sua saúde

Esse alimento popular levou centenas de anos para ser aceito na Europa. Hoje, é um dos ingredientes mais usados na culinária em muitas receitas originais em todos os países.

Linhas de vinhas de tomate em uma estufa na Holanda.

Foto de Luca Locatelli
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 16 de ago. de 2023, 16:38 BRT

tomate vem da planta Solanum lycopersicum, conhecida como tomateiro. O delicioso alimento foi revalorizado ao longo de centenas de anos e agora é considerado um dos vegetais mais benéficos para a saúde das pessoas, informa a Encyclopedia of Life (EOL), um banco de dados que compila informações sobre todas as espécies conhecidas de seres vivos na Terra. 

Segundo a EOL, um tomate cru é composto por 95% de água, 4% de carboidratos e menos de 1% de gordura e proteína comestíveis. Assim, o tomate cru fornece um total de 18 quilocalorias (Kcal), é uma fonte moderada de vitamina C (17% do valor diário) e se destaca como um vegetal rico em antioxidantes. Uma publicação da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) até mesmo lista o tomate como um dos vegetais mais importantes depois da batata (Solanum tuberosum)

(Talvez você se interesse por: Conheça 4 alimentos anti-inflamatórios e como eles agem no corpo

Tomate: fruta ou legume?

Em botânica, a Encyclopedia of Life explica que o tomate é um fruto, pois sua composição morfológica é formada por uma baga que nasce do ovário da planta com flor, juntamente com suas sementes em seu interior. No entanto, a fruta é considerada um legume porque seu teor de açúcar é muito menor do que o de outras frutas populares.

Além disso, seu sabor é mais parecido com o umami (um sabor único que une doce, azedo, salgado e amargo), pois é mais salgado do que doce, e geralmente é servido como parte de uma salada, prato principal de uma refeição ou como ingrediente. Em qualquer forma, ele é representado em um prato de comida que não seja uma sobremesa, destaca a EOL.

O tomate é o único alimento em que as pessoas se perguntam o que ele é (fruta ou legume). Entretanto, há outros vegetais que, embora botanicamente sejam frutas, as pessoas os comem como se fossem legumes e não questionam que tipo de alimento são. A EOL menciona pimentões, pepinos, feijões verdes, berinjelas, abacates e abóboras de todos os tipos. Eles são frutas, embora sejam consumidos em pratos como se fossem legumes.

Disputa legal nos EUA sobre a definição de tomate

Você sabia que os Estados Unidos levaram a questão ao tribunal? Por volta de 1893, a Suprema Corte dos EUA informa em seu site que levou a julgamento um caso chamado "Nix v. Hedden", no qual se discutia legalmente o que era um tomate. O motivo do julgamento não foi definir que tipo de alimento era o tomate, mas submeter o tribunal a determinar se o comércio de tomates deveria ser tributado com um imposto sobre legumes que não estava sendo cobrado sobre o comércio de frutas. 

Assim, os comerciantes do porto de Nova York que traziam produtos importados das Índias Ocidentais alegaram que seus tomates não deveriam ser tributados porque a "Lei de Tarifas de 3 de março de 1883" estipulava em uma cláusula que "Frutas, verdes, maduras ou secas, não especialmente enumeradas ou previstas nesta lei estavam isentas de tributação”, relata a Suprema Corte. O contrário acontecia com os legumes, que estavam sujeitos a dez por cento de seu valor para o pagamento de impostos. 

Assim, a Suprema Corte decidiu que o tomate é um legume de acordo com a definição popular e a consulta ao júri sobre a finalidade do legume na culinária. Ou nas palavras do parágrafo original da Suprema Corte dos Estados Unidos da América: 

"Botanicamente falando, o tomate é o fruto de uma videira, assim como o pepino, a abóbora, o feijão e a ervilha. Mas na linguagem comum das pessoas, sejam elas vendedoras ou consumidoras de mantimentos, todos esses são vegetais cultivados em hortas. E que, quer sejam consumidos cozidos ou crus, são como batatas, cenouras, pastinacas, nabos, beterrabas, couve-flor, repolho, aipo e alface, geralmente servidos no jantar, com ou após a sopa, o peixe ou as carnes que constituem a parte principal da refeição. E não, como as frutas em geral, como sobremesa".

As 6 curiosidades que tornam o tomate um vegetal único 

Sem o tomate, não haveria pizza, lasanha ou espaguete à bolonhesa. O gaspacho (sopa fria espanhola) não teria tomates nem qualquer uma das centenas de pratos que incluem esse vegetal vermelho entre seus ingredientes. Entretanto, nenhum desses alimentos existiria sem a chegada dos colonizadores à América no final do século 15, explica a EOL. 

Pizza tradicional servida em Nápoles, Itália.

Pizza tradicional servida em Nápoles, Itália.

Foto de Tino Soriano

O tomate é originário da América do Sul

Embora atualmente seja encontrado em todo o mundo, acredita-se que as primeiras plantações de tomate tenham surgido no oeste da América do Sul, no que hoje é a região do Peru e do Equador. A EOL afirma que, no século 16, quando os europeus chegaram ao México, os povos nativos também já cultivavam tomates há muito tempo. 

Difusão do tomate na Europa

Muito antes da chegada de Colombo à América, o tomate já havia viajado 4000 quilômetros para o norte, de seu local de origem na América do Sul até as terras astecas no México. De lá, Colombo exportou o tomate para a Europa e para todos os cantos da Terra. A EOL estima que as primeiras plantações europeias de tomate vieram do México, mais precisamente de Tenochtitlan, conquistada por Hernán Cortés em 1519; e o primeiro registro do tomate na Europa aparece em 1544 no trabalho de um herbalista italiano chamado Matthioli. 

A domesticação do tomate

Para dar ao vegetal a forma como é conhecido hoje, os produtores de tomate nas Américas selecionaram as melhores partes dos frutos silvestres e pegaram suas sementes para replantá-las e colher um tomate de melhor qualidade a cada passo do caminho. Em geral, a EOL argumenta que a seleção se baseava em tomates maiores e mais doces. Esse método de cultivo é chamado de domesticação e levou à conversão dos tomates selvagens nos tomates que são consumidos atualmente. 

Tomates venenosos?

A enciclopédia diz que os gregos comem 129 quilos de tomates per capita por ano (862 tomates médios). Eles comem mais tomates do que qualquer outra nação da Europa, embora sua adaptação à vida cotidiana tenha tido que superar muitos obstáculos. 

No início, acreditava-se que o tomate era venenoso porque sua aparência sugeria (no século 16) que ele era da mesma família da beladona (Atropa belladonna). Suas folhas e caule, diz a EOL, têm um composto alcaloide que é prejudicial ao consumo humano. 

 Um sabor incomum para a Europa

No século 19, o tomate havia sido incorporado à dieta dos europeus, assim como sua agricultura, diz a Encyclopedia of Life. No entanto, os livros de botânica franceses de 1600 descreviam a planta como "mais agradável aos olhos do que ao paladar e ao olfato, porque comer a fruta causa nojo e vômito". Não se sabe se os tomates daquela época eram realmente ruins ou se o paladar europeu não aceitava seu novo sabor. 

Tomate como uso medicinal

O tomate foi usado na medicina após sua aceitação como alimento. A EOL diz que, em 1770, o médico inglês William Salmon começou a usar o vegetal como loção para tratar queimaduras, coceiras, úlceras, feridas, dores nas costas, dores de cabeça, gota e até ciática.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados