Vulcões não entram em erupção no horário previsto – mas na Islândia isso é diferente

Desde que a Península de Reykjanes ganhou vida em 2021, houve três erupções, cada uma separada por cerca de 320 dias. “Não víamos algo assim há algum tempo”, disseram os especialistas.

A fissura principal da erupção de 2023 brilha à distância enquanto o musgo no vale de Litli-Hrútur queima. As erupções se tornaram uma ocorrência anual na Península de Reykjanes, na Islândia.

Foto de Mike Mezeul II Photography
Por Robin George Andrews
Publicado 20 de nov. de 2023, 08:00 BRT

A Península de Reykjanes, no sudoeste da Islândia, passou impressionantes 800 anos sem ver demonstrações de lava – até 19 de março de 2021, quando, após 15 meses de terremotos cada vez mais perturbadores, a rocha derretida entrou em erupção em uma série de fissuras. No entanto, em vez de todo o magma subjacente vir para a superfície em uma torrente épica, ele saiu em várias explosões estranhas e aparentemente rítmicas.

Com base na história geológica da região, alguns vulcanólogos sugeriram que a península estava entrando em uma nova era vulcânica, imaginando que ela apresentaria uma erupção ocasional a cada poucas décadas. Mas os especialistas não esperavam que as erupções fossem tão comuns – nem tão estranhamente regulares. Depois que a primeira parou em 18 de setembro de 2021, uma segunda começou a aproximadamente apenas 319 dias depois. Essa terminou em 21 de agosto de 2022 – então, 323 dias depois, uma terceira erupção começou em 10 de julho de 2023.

Os vulcões individuais não entram em erupção de acordo com cronogramas bem definidos, e seus comportamentos já são difíceis de explicar. Reykjanes é uma vasta região vulcânica onde os labirintos magmáticos que se misturam podem encontrar várias raízes de escape. Os cientistas que investigam estão encontrando mais perguntas do que respostas, com uma questão que surge com frequência: por que o magma está saindo nesses pulsos estranhamente rítmicos em vez de entrar em erupção de uma só vez?

“É um mistério”, diz Tobias Dürig, vulcanólogo da Universidade da Islândia. Mas há algumas pistas ocultas nas três erupções, do tipo que sugerem que o depósito de magma abaixo não é um reservatório único, mas uma massa mutável de rocha derretida: que pode fundir vários bolsões de magma para disparar erupções erráticas e dramáticas que desafiam explicações fáceis.

“É muito selvagem”, conta Edward Marshall, geoquímico da Universidade da Islândia.

Os novos incêndios em Reykjanes

O subsolo vulcânico da Península de Reykjanes é uma bagunça. Ela fica na parte terrestre da Cordilheira do Meio Atlântico, uma fenda continuamente aberta na Terra que traz rocha derretida quente e escaldante para mais perto da superfície. Os terremotos frequentemente abalam a região, mas o pico de 15 meses em sua frequência e magnitude em 2021, acompanhado pelo insuflamento de partes da península, foi previsto como sinal de algum movimento relacionado à fenda que culminaria em uma erupção.

Quando a erupção profetizada começou, perto de uma montanha vulcânica chamada Fagradalsfjall, a maioria das pessoas ficou aliviada. A cidade mais próxima ficava a vários quilômetros de distância e a erupção não ameaçava nenhum evento explosivo, mas produzia fluxos de lava escorrendo que seriam confinados pelos vales ao redor.

A última vez que isso aconteceu, entre 1210 e 1240, a lava se espalhou pela terra por meio de várias fissuras – um episódio apelidado de Reykjanes Fires (Incêndios de Reykjanes). Os vulcanólogos se perguntaram se os novos incêndios de Reykjanes haviam acabado de começar. Três erupções depois, parece que sim.

Três eventos não formam necessariamente um padrão, mas a frequência e a aparente regularidade desses pulsos eruptivos são notáveis. “Há muito tempo não víamos algo assim”, afirma Sam Mitchell, vulcanólogo da Universidade de Bristol, na Inglaterra.

O intervalo de aproximadamente 320 dias entre os pulsos provavelmente não passa de mero acaso. “A coisa de 320 dias é definitivamente uma coincidência”, diz Marshall. “Se isso acontecer novamente, ficarei bastante surpreso.”

De certa forma, o padrão já foi quebrado. Depois que a erupção de 2021 terminou, outra camada de magma subiu perto da superfície em dezembro, mas não conseguiu romper a crosta superior.

Por que ela não entrou em erupção? “Não sabemos”, afirma Marshall. Essas camadas magmáticas, conhecidas como diques, às vezes perdem a flutuabilidade se esfriarem demais ou se perderem o gás aprisionado. Independentemente de como isso aconteceu, erupções fracassadas como essa mostram que a região não está apenas tentando explodir uma vez a cada 320 dias.

Mas as erupções continuam estranhas, não apenas por serem tão frequentes, mas porque há pausas. Por que não entrar em erupção em um grande paroxismo e parar quando o suprimento de magma se esgota?

Os vulcões que se transformam

A princípio, essas três erupções, apesar de suas durações diferentes, parecem difíceis de distinguir.

“Os padrões que levaram a todos os três eventos foram muito semelhantes”, explica Mitchell. Há muitos terremotos quando um dique de magma sobe à superfície, os tremores diminuem quando o magma não está mais quebrando violentamente a crosta à medida que sobe, e uma fissura eruptiva acaba se abrindo perto do local de 2021. Cada erupção rompeu um pouco mais para o nordeste, quase como se a fissura estivesse se abrindo nessa direção.

Mas uma diferença importante é a quantidade de lava que jorrou dessas fissuras ao longo do tempo. Essa medida, conhecida como taxa de efusão, “informa sobre as diferentes forças em ação no sistema vulcânico”, diz Marshall. Tanto na erupção de 2022 quanto na do verão de 2023, a taxa de efusão foi mais alta no início e caiu exponencialmente. Para as erupções islandesas com lava escorrendo, “isso é o que esperamos”, afirma ele.

Mas a erupção de 2021 foi estranha. Sua produção de lava começou moderada e se manteve assim por cerca de um mês e meio. Então, de repente, ela disparou mais de duas vezes a taxa de fluxo original, criando uma fonte muito dramática - e permaneceu assim por vários meses até que rapidamente se extinguiu. "Isso", diz Marshall, "não é como deveria funcionar".

Marshall e seus colegas analisaram a química da lava de cada erupção, o que sugeriu que todas elas exploraram a mesma fonte profunda de matéria rochosa derretida, escondida perto do limite abissal entre a crosta e o manto. Mas a química das erupções de 2022 e 2023 era praticamente a mesma, enquanto a da erupção de 2021 mudou ao longo de seus seis meses de duração.

As evidências sugerem que as erupções posteriores foram alimentadas por seus próprios bolsões individuais de magma que subiram das profundezas – e quando cada bolsão foi suficientemente exaurido, a erupção perdeu seu impulso e terminou.

O mesmo não aconteceu com a erupção de 2021. Ela pode ter começado de maneira semelhante, com um bolsão magmático solitário alimentando a fase inicial da erupção. Mas o pico no fluxo de lava pode ter sido desencadeado quando um bolsão ascendente adicional de magma se fundiu com o material que já estava em erupção. Isso teria alimentado a erupção com calor fresco, pressão, gases aprisionados e uma composição distinta de rocha derretida, como se estivesse despejando gasolina em um incêndio já intenso. E quando esses bolsões unidos ficaram sem vapor, a erupção cessou.

É difícil dizer com certeza o que realmente aconteceu, em parte por causa da paisagem em constante transmutação. Podemos pensar que o solo sob nossos pés é imutável, mas muitas vezes ele é amorfo. Toda vez que há uma erupção, “o sistema de encanamento muda”, explica Mitchell. “Não é possível zerar o sistema.”

Na Islândia não é estranha a série de erupções no estilo de fissuras. Os incêndios de Krafla no nordeste da Islândia, de 1975 a 1984, apresentaram vários derramamentos de lava. Mas, nesse caso, havia um reservatório solitário e raso de rocha derretida. “Você tem uma câmara de magma, ela se esvazia, leva um tempo para se encher novamente, depois fica cheia e tudo recomeça”, diz Dürig.

A subsuperfície metamórfica de Reykjanes é mais intrigante. Seus pulsos anuais são difíceis de explicar, mas o fato de toda a região despertar uma vez a cada 800 anos, aproximadamente, é ainda mais estranho. “Por que seria episódico não está claro para mim”, diz Marshall. “Não tenho nada além de suposições.”

Os turistas podem apreciar o espetáculo enquanto os vulcanólogos trabalham. “É um parque de diversões científico relativamente saudável”, diz Mitchell. Um bom lugar para testar teorias enquanto se pergunta discretamente se outra erupção está a menos de um ano de distância.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados