Veículos de busca pelos arredores do vulcão de Fagradalsfjall em busca de turistas feridos, na Islândia.

Qual é o vulcão mais perigoso do mundo?

Há relatos de erupções vulcânicas que tiraram a vida de milhares de pessoas. Estudos mais atuais revelam que a erupção de um supervulcão na América do Norte poderia causar danos irreparáveis à vida na Terra.

Veículos de busca pelos arredores do vulcão de Fagradalsfjall em busca de turistas feridos, na Islândia.

Foto de Chris Burkard
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 19 de jul. de 2023, 11:17 BRT

Em maio de 2023, o vulcão Popocatépetl, nas proximidades dos estados mexicanos de Morelos e Puebla, consternou seus cidadãos após entrar em atividade. Até o momento, o Centro Nacional de Prevenção de Desastres (CNPD), órgão do governo do México, mantém o sinal de alerta vulcânico na Fase 2 Amarela, o que indica maior atividade de vapor de água, gases vulcânicos e queda de filamentos incandescentes.  

De acordo com a CNPD, as cidades ao redor do vulcão foram cobertas com cinzas e é estimado um total de 108 erupções nas últimas 24 horas (dados de 17 de julho de 2023). 

Diante deste fato, National Geographic elenca três histórias sobre os vulcões mais perigosos do mundo, de acordo com especialistas da área. 

(Relacionado: Vulcões em erupção: como se formam e quais tipos existem

1. O desastre do vulcão Monte Tambora

Há 208 anos, em 10 de abril de 1815, a ilha de Sumbawa, na Indonésia, foi surpreendida pela erupção vulcânica mais devastadora de sua época e hoje representa um exemplo das catástrofes climáticas às quais os seres humanos estão expostos na Terra.

O vulcão Monte Tambora está no topo da lista devido ao número de mortes que causou e à devastação climática que provocou não apenas na ilha, mas também nos arredores. De acordo com o Índice de Explosividade Vulcânica do Serviço Geológico dos Estados Unidos, o Tambora obteve 7, o penúltimo maior índice da lista. 

Sua erupção em 1815 matou de 10 mil a 90 mil pessoas, considerando a explosão, os surtos de gás e as rochas tóxicas (fluxos piroclásticos) resultantes do fenômeno geológico. A atividade vulcânica liberou cerca de 100 megatons de enxofre na estratosfera, causando uma forte névoa que atingiu dos Estados Unidos à China.

2. Vulcão Krakatoa: a erupção que provocou um tsunami

Conforme relatado em um artigo da Organização das Nações Unidas (ONU), as erupções vulcânicas em ilhas podem resultar no deslocamento de grandes volumes de água e na geração de ondas de tsunami "extremamente destrutivas". 

Um dos maiores tsunamis já registrados ocorreu após uma erupção vulcânica em 26 de agosto de 1883. A explosão do vulcão Krakatoa, na Indonésia, gerou ondas que atingiram uma altura de 41 metros acima do nível do mar, e destruíram cidades e vilarejos nas proximidades do Estreito de Sound e das ilhas de Java e Sumatra, resultando em um total de 36.417 mortes. 

Após cessarem as explosões maciças que custaram a vida de milhares de pessoas, a caldeira do vulcão foi destruída e, em 1927, surgiu um novo vulcão no Estreito de Som, apelidado de Anak Krakatoa (filho de Krakatoa, em inglês). A informação é de um relatório das Nações Unidas de 2018 chamado "Toponímia e Patrimônio Cultural, Aspectos Históricos dos Nomes de Lugares em Yogyakarta". 

3. Yellowstone: o vulcão que pode acabar com a humanidade

Mais de um terço de Yellowstone fica dentro da caldeira de um vulcão ativo, o Yellowstone ...

Mais de um terço de Yellowstone fica dentro da caldeira de um vulcão ativo, o Yellowstone National Park, Wyoming.

Foto de Michael Nichols

Há 640 mil anos, um enorme vulcão entrou em erupção no que hoje é o Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, criando uma caldeira de 45 quilômetros de largura e 75 quilômetros de comprimento. A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) explica que essa é uma das maiores aberturas vulcânicas existentes na Terra que está em estado ativo. 

O que torna o Yellowstone um vulcão perigoso é que estudos publicados pelo Jet Propulsion Laboratory (JPL), da Nasa, o classificam como um supervulcão, cuja erupção cataclísmica seria capaz de "mergulhar o mundo em uma catástrofe e levar a humanidade à beira da extinção". O JPL diz que o reservatório raso de magma no supervulcão de Yellowstone tem um total de 15 mil quilômetros cúbicos e está localizado entre 5 e 16 quilômetros de profundidade.

Yellowstone é um vulcão tectonicamente ativo que produz uma temperatura de 310 °C a profundidades de 1 km. No entanto, o JPL estima que o Yellowstone teria entrado em erupção três vezes em um período de 2,1 milhões de anos. Portanto, as erupções do supervulcão são muito raras.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados