Até mesmo as figuras mais bem-sucedidas da história – como o imperador romano Marco Aurélio– tinham ...

Você tem uma rotina matinal? Veja como algumas figuras históricas começavam o seu dia e se inspire!

O imperador romano Marco Aurélio não seria fã do botão “soneca”. Já um dos fundadores dos Estados Unidos, Benjamin Franklin, adorava sentar-se nu. Essas figuras históricas tinham fortes opiniões sobre como começar bem o dia – descubra!

Até mesmo as figuras mais bem-sucedidas da história – como o imperador romano Marco Aurélio– tinham dificuldade para sair da cama. Esse era o quarto principal do Palazzo Sagredo, situado na margem direita do Grande Canal em Veneza, na Itália.

Foto de Rogers Fund, 1906, The Metropolitan Museum of Art, New York
Por Parissa DJangi
Publicado 8 de dez. de 2023, 08:00 BRT

É melhor acordar cedo ou dormir até mais tarde? Tomar um café expresso ou se deliciar com um chá? Você pode amá-los ou detestá-los, mas os rituais matinais podem dar o tom para o resto do seu dia.

Os criadores de tendências estão sempre criando novas maneiras de otimizar as horas do dia, mas esse impulso para deixar os dias mais ativos e produtivos não é novo. Do antigo imperador romano Marco AurélioLudwig van Beethoven, os seres humanos vêm criando rotinas matinais que inspiram produtividade e foco há séculos.

Que sabedoria algumas das figuras mais bem-sucedidas da história podem oferecer aos que buscam uma rotina boa e produtiva do século 21? Veja as dicas, a seguir:

Marcus Aurelius não iria querer apertar a tecla "soneca"

Antes de existirem os “gurus de autoajuda”, havia Marco Aurélio. Nascido em 121 d.C., ele se tornou imperador de Roma 40 anos depois e reinou até sua morte em 180 d.C.. Ele pode ter comandado um dos impérios mais influentes da história, mas seus interesses se estendiam muito além das paredes de mármore da Cúria Júlia: ele também era um filósofo estoico que buscava uma vida virtuosa, uma vida que promovia a sabedoria, a justiça, a moderação e a coragem.

Marco Aurélio refletiu sobre essas ideias em um diário que viria a ser publicado como “Meditações”. Nele, ele delineou maneiras de trabalhar no aprimoramento pessoal.

Uma coisa com a qual ele tinha dificuldade: as rotinas matinais. Como observou o biógrafo Frank McLynn: "Marco era um insone que odiava sair da cama pela manhã – uma falha grave na cultura de Roma, onde as pessoas consideravam uma virtude estar de pé logo cedo”.

Como resultado, Marco Aurélio fez um esforço concentrado para se arrastar da cama todos os dias. "Na manhã em que você se levantar sem vontade, deixe este pensamento estar presente: ‘estou me levantando para o trabalho de um ser humano’", escreveu ele. Ele usava esse mantra como motivação para iniciar seu dia, não para "deitar na cama e me manter aquecido", o equivalente no século 2 ao que hoje em dia é apertar o botão de “soneca”. Era o primeiro passo para fazer o trabalho de viver um dia virtuoso.

Planeje o dia como Benjamin Franklin

Benjamin Franklin pode não ter sido um imperador romano, mas é considerado o “Pai Fundador” dos Estados Unidos da América, um inventor se debateu com a mesma questão que Marco Aurélio: o que significa levar uma vida virtuosa? Franklin manteve sua própria lista de virtudes: temperança, silêncio, ordem, resolução, frugalidade, indústria, sinceridade, justiça, moderação, limpeza, tranquilidade, castidade e humildade.

Ele acreditava que as ações falam mais alto do que as palavras, por isso Franklin não queria apenas endossar essas virtudes, ele queria praticá-las por meio de hábitos cotidianos. Para isso, Franklin planejava seu dia hora a hora.

Todos os seus dias começava com um despertar matinal. Ele saía da cama às 5h da manhã e passava as três horas seguintes lavando-se, tomando café da manhãplanejando o dia e contemplando uma pergunta-chave: "O que devo fazer de bom neste dia?" Essa meditação matinal provavelmente o ajudava a ter intenção, foco e significado em seu trabalho.

Outro de seus rituais matinais pode ter sido menos contemplativo, mas aparentemente não menos revigorante: sentar-se nu por pelo menos meia hora. Em uma carta de 1768 para o médico francês Jacques Barbeu-Dubourg, Franklin descreveu a prática de sentar-se no ar frio como sendo "um banho revigorante ou tônico" – uma prática que ele preferia ao "choque" de um banho de água fria.

Georgia O'Keeffe encontrou inspiração em caminhadas na natureza

Assim como Marco Aurélio e Benjamin Franklin, a artista Georgia O'Keeffe acordava cedo. "Gosto de me levantar quando amanhece", disse ela à revista Life em 1968.

Embora O'Keeffe preferisse "sentar-se na cama e ver o sol nascer", ela não ficava lá por muito tempo. Às vezes, ela começava o dia com uma caminhada matinal pelo Ghost Ranch, sua casa nos arredores de Abiquiu, Novo México. Às vezes, ela tropeçava em cascavéis, matava-as e guardava seus chocalhos.

No entanto, ela não limitava suas caminhadas às manhãs e era igualmente provável que saísse para passear à noite. Mas, independentemente da hora do dia em que o fazia, caminhar na natureza parece ter sido uma parte essencial de seu processo artístico

A sujeira sob seus pés e o céu coberto de nuvens acima inspiraram suas muitas pinturas das paisagens vibrantes e escaldantes do sudoeste norte-americano.

"Todas as cores da terra da paleta do pintor estão lá fora, nos muitos quilômetros de caminhadas", escreveu ela em um catálogo de exposição em 1939. O'Keeffe coletava até mesmo pedras e ossos interessantes em suas caminhadas, alguns dos quais provavelmente inspiraram suas pinturas.

Beethoven começava o dia com uma bebida

Consumido há muito tempo no Oriente Médio, o café não se tornou popular na Europa até os séculos 17 e 18. Logo se tornou uma bebida matinal muito apreciada, embora cada vez mais cara. No início do século 18, em Viena (Áustria), uma xícara de café custava aproximadamente o mesmo que um corte de meio quilo de carne bovina.

compositor alemão Ludwig van Beethoven apreciava tanto sua xícara de café matinal que a preparava da mesma forma todos os dias, chegando ao ponto de medir exatamente 60 grãos – nem mais, nem menos – para moer. Como concluiu a musicóloga Laura Tunbridge, "Beethoven contava seus grãos não apenas em busca da xícara perfeita, mas também por preocupação econômica".

O café não é a única bebida com a qual os artistas contam para dar sabor às suas manhãs. Para a escritora norte-americana Maya Angelou, as manhãs eram o momento perfeito para desfrutar de sua bebida preferida: xerez. "Posso tomá-lo às seis e quinze da manhã [...]", disse ela a George Plimpton em 1990, "mas geralmente é por volta das onze horas que tomo um copo de xerez".

Mesmo nas manhãs que não começavam com xerez, Angelou começava o dia bem cedo. Ela preferia escrever em quartos de hotel, mesmo nas cidades onde morava. Como acordava cedo, Angelou saía de casa, ia para o quarto alugado e começava a escrever às 6h30 da manhã.

Os rituais matinais sempre foram tão singulares quanto as pessoas que os praticavam, mas a ética de trabalho de Angelou antes do nascer do sol revela uma verdade maior sobre as mentes mais bem-sucedidas, motivadas e criativas da história: para eles, o pássaro madrugador, ao que parece, realmente pegou a minhoca.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados