h_27.RTR1XRUZ

Nós estamos em uma era pós-antibióticos? Veja o que diz a ciência

Se houver um ponto em que os antibióticos não sejam mais eficazes, estaremos na fase pós-antibióticos. E há especialistas dizendo que "já chegamos lá".

O Mrsa (Staphylococcus aureus que é resistente à meticilina) é uma cepa resistente a vários medicamentos e onipresente em ambientes de assistência médica, sendo capaz de causar infecções mortais em pessoas imunocomprometidas.

Foto de Fabrizio Bensch, Reuters, Redux
Por Meryl Davids Landau
Publicado 24 de jun. de 2024, 06:00 BRT

Imediatamente após a penicilina ter sido amplamente utilizada por cerca de 80 anos, as bactérias começaram a descobrir como escapar dos medicamentos antibióticos. Desde então, a corrida “armamentista” entre os micróbios perigosos e os seres humanos tem se intensificado. Um novo estudo mostra que, em aspectos cruciais, os humanos continuam perdendo.

(Sobre saúde e ciência, veja também: Como prevenir a poliomielite? A saída está na vacinação)

"A pandemia muito lenta de resistência a antibióticos tem sido fácil de ignorar", mas isso deve mudar com as taxas crescentes de hoje, juntamente com a falta de novos antibióticos que resolvam o problema, diz Christina Yek, médica pesquisadora do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, que faz parte dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

resistência de certos germes aos antibióticos continua sendo um dos principais desafios globais de saúde pública, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Esses organismos matam cerca de 5 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano. Nos Estados Unidos, mais de 2,8 milhões de infecções resistentes a antimicrobianos ocorrem anualmente, inclusive as adquiridas em hospitais ou em outros locais. Quando os germes se tornam resistentes a antibióticos, os médicos não conseguem tratar a infecção com facilidade.

"Falamos no passado sobre entrar em uma era pós-antibiótica, em que não temos mais antibióticos [eficazes], mas em muitos aspectos já estamos lá", afirma Rick Martinello, médico infectologista da Yale Medicine e diretor médico do programa de prevenção de infecções. "Sem o benefício dos antibióticos, os resultados para esse indivíduo são mais sombrios... Mortesinfecções prolongadasinternações hospitalares mais longas."

Aumento das infecções hospitalares


número de pessoas que adquiriram bactérias resistentes em hospitais aumentou 32% durante a pandemia de Covid-19, afetando 38 pessoas a cada 10 mil hospitalizações, de acordo com um relatório preliminar apresentado nesta primavera por Christina Yek e outros pesquisadores do NIH na Sociedade Europeia de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas em Barcelona, na Espanha. As taxas caíram um pouco desde então, mas continuam acima dos níveis pré-pandêmicos.

Os maiores aumentos ocorreram em micróbios resistentes a uma classe de antibióticos comumente prescritos, os carbapenêmicos. O estudo descobriu que essa classe de antibióticos está encontrando várias bactérias resistentes, especialmente Acinetobacter baumannii, Pseudomonas aeruginosaEnterobacterales, a causa de muitas infecções hospitalares graves.

Os Centros de Controle de Doenças deram o primeiro alarme sobre as taxas acima do normal durante a pandemia, quando mais de 29.400 pessoas morreram de infecções resistentes a antimicrobianos durante o primeiro ano, sendo que quase metade adquiriu os germes em hospitais.

A esperança era que a porcentagem de pacientes com infecções resistentes retornasse à sua linha de base anterior a da pandemia, diz Yek. Mas, até agora, as infecções resistentes adquiridas em hospitais não voltaram.

Enquanto isso, os medicamentos não acompanharam esse ritmo. Quase todos os novos antibióticos aprovados pela U.S. Food and Drug Administration dos Estados Unidos, nos últimos anos foram variações de medicamentos anteriores, sem novos mecanismos de ação que visem os micróbios resistentes. "Essa constatação tem sido preocupante", revela Yek. "A resistência está aumentando enquanto nós estamos quase estagnados."

Os socialmente vulneráveis estão em maior risco


relatório do NIH incluiu dados sobre dois milhões de internações hospitalares em todo os Estados Unidos, dados coletados de empresas de seguro e sistemas médicos. Os pesquisadores também procuraram identificar os grupos mais vulneráveis a essas infecções.

Eles descobriram que pessoas com doenças crônicas ou doenças mais agudas tinham maior probabilidade de adquirir uma infecção resistente. 

Além disso, hispânicos e pessoas com renda e níveis educacionais mais baixos também apresentaram taxas mais altas. "O que se destacou nos dados foi que as pessoas socialmente mais vulneráveis corriam mais riscos", afirma Yek.

Da mesma forma, um resumo separado apresentado pela Duke Universityoutros pesquisadores no mesmo encontro internacional constatou que as mulheres negras nos Estados Unidos que desenvolveram a bactéria Enterobacterales resistentescarbapenem têm uma taxa de mortalidade mais alta do que as mulheres ou homens brancos com a mesma condição. Essas mulheres tinham maior probabilidade de apresentar doença vascular ou renal antes de serem hospitalizadas.

Os germes resistentes adquiridos em qualquer lugar são uma preocupação, mas os adquiridos em um hospital são particularmente preocupantes. Por um lado, esses germes são geralmente mais virulentos e podem ser mais resistentes a um número maior de antibióticos, razão pela qual estão associados a altos níveis de incapacidade e morte.

Além disso, "a implicação é que fizemos isso com as pessoas", diz Yek. Os germes podem entrar no corpo de um paciente por meio de intervenções hospitalares, incluindo cateteres, linhas intravenosas e/ou aberturas cirúrgicas.

Outros fatores de risco para a resistência são o maior tempo de permanência de um paciente na unidade de saúde e o uso de antibióticos nos três meses anteriores, de acordo com um artigo de revisão publicado na revista científica Cureus.

Antibióticos são usados em excesso na medicina e na agricultura


Os cientistas sabem há anos que a resistência das bactérias se espalha por meio da distribuição indiscriminada e excessiva de antibióticos, mas isso não alterou suficientemente a situação. Além do uso excessivo na área da saúde, os antibióticos são usados também  com frequência nos setores veterinário e agrícola.

"Os antibióticos podem ser usados como promotores de crescimento em galinhas e vacas, e eles também pulverizam antibióticos em plantações de pereiras e macieiras", comenta Martinello.

Quando expostos a antibióticos, muitas bactérias e fungos do corpo são mortos, mas aqueles com resistência inata não só sobrevivem e se multiplicam, como também passam a característica para outros organismos. Com o tempo, alguns germes acumulam genes de resistência não apenas a um antibiótico, mas a vários. Esses micróbios resistentes a múltiplos medicamentos são especialmente difíceis de tratar.

Nessas situações, "os pacientes recebem vários antibióticos na esperança de que haja sinergia... Mas, no geral, esses pacientes não se curam de suas infecções e muitos deles provavelmente morrem em decorrência delas", explica Yak, cuja especialidade é doenças infecciosas.

combinação de medicamentos de fato ajuda alguns pacientes. Acrescentar o antibiótico avibactam ao tratamento com ceftazidima, por exemplo, aumenta sua eficácia contra a P. aeruginosa de 65% para 94%, informou a revisão do Cureus.

Minimizar seu próprio uso de antibióticos desnecessários


Os cientistas continuam buscando novos medicamentos que possam ser eficazes. Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, descobriram recentemente uma nova maneira de interferir em uma determinada enzima bacteriana que pode levar a uma nova classe de antibióticos. Outros estão recorrendo à inteligência artificial para identificar possíveis terapias.

Nesse meio tempo, muitos hospitais instituíram protocolos para minimizar as infecções resistentes. Isso inclui estratégias de prevenção de infecções, como higiene das mãos, regimes de desinfecção de dispositivos e melhoria da limpeza hospitalar.

E isso inclui a redução da duração da prescrição de antibióticos durante as hospitalizações, conforme apropriado. A redução do uso de antibióticos pode encurtar a permanência no hospital sem aumentar a mortalidade. 

Os médicos que atendem pacientes em consultórios comunitários também devem resistir à prescrição desnecessária, que às vezes é feita para acalmar os pacientes, afirma Yek.

"Os antibióticos nem sempre são a solução certa", diz ela. Por exemplo, uma doença nasal chamada sinusite pode ser causada por alergias; a gripe é causada por um vírus. Por conta disso, nenhuma delas melhora com o uso de antibióticos. Se você tiver uma infecção bacteriana e seu médico prescrever um antibiótico de amplo espectro contra várias cepas de micróbios, pergunte se um medicamento mais específico pode ser eficaz, explica Yek.

Martinello defende a compra de alimentos orgânicos, que têm menos probabilidade de conter antibióticos, e pressiona as empresas alimentícias a reduzir seu uso em animais e na agricultura.

"Precisamos ter muito respeito por esses medicamentos", diz Martinello, "e entender que seus benefícios podem se perder com o tempo, principalmente quando são mal utilizados".

mais populares

    veja mais
    loading

    Descubra Nat Geo

    • Animais
    • Meio ambiente
    • História
    • Ciência
    • Viagem
    • Fotografia
    • Espaço
    • Vídeo

    Sobre nós

    Inscrição

    • Assine a newsletter
    • Disney+

    Siga-nos

    Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados