Os lábios vermelhos têm sido um símbolo de poder, rebeldia e feminilidade ao longo da história, ...

Símbolo de opulência ou de bruxaria? Conheça a história do batom vermelho

Desde seu uso inicial na Grécia antiga até um símbolo de glamour em Hollywood. De Cleópatra a Taylor Swift… O batom vermelho há muito tempo é associado à beleza, ao poder e à rebeldia.

Os lábios vermelhos têm sido um símbolo de poder, rebeldia e feminilidade ao longo da história, desde as civilizações antigas até os movimentos modernos.

Foto de Suzanne Plunkett Reuters, Redux
Por Faye Keegan
Publicado 9 de jul. de 2024, 07:00 BRT

Com nomes sugestivos, como "Dragon Girl" e "Cherries in the Snow", e usado por nomes como a rainha egípcia Cleópatra e a cantora pop Taylor Swift, o batom vermelho perdura como um emblema atemporal de beleza e poder. A recente descoberta de vestígios de pigmentos – uma mistura de cera vegetal e minerais em pó – que lembram as receitas modernas de batom em um frasco de 4 mil anos de idade no Irã só aumenta seu legado.

Atualmente, o batom vermelho continua sendo uma declaração de confiança e glamour, mas seu significado é fluido e diversificado. Para alguns, ele representa a feminilidade e a sofisticação clássicas; para outros, é uma afirmação ousada de individualidade. Seu fascínio não está apenas em sua tonalidade, mas nas inúmeras interpretações e emoções que evoca.

(Sobre História, leia também: Calígula, ex-imperador romano, era louco ou apenas incompreendido?)

As antigas origens do batom vermelho

coloração vermelha dos lábios data de 3500 a.C., quando a rainha Puabi (também conhecida como Shubad), da antiga Mesopotâmia, usava uma mistura feita de chumbo brancopedras vermelhas esmagadas para tingir os lábios e simbolizar seu status de poder. A tendência pegou: escavações arqueológicas revelaram que muitos sumérios ricos foram enterrados com corantes labiais armazenados em conchas de berbigão. 

Os aristocratas do antigo Egito preferiam o ocre vermelho misturado com resina para criar lábios vermelhos ousados. A rainha Cleópatra preferia o carmim, um pigmento vermelho escuro extraído dos insetos da cochonilha.

Já na Grécia antiga, os lábios vermelhos eram associados às profissionais do sexo, que corriam o risco de serem punidas por "se passarem por senhoras" se aparecessem em público sem a tinta labial designada, feita de ingredientes tão variados quanto amorasalgas marinhassuor de ovelhaexcremento de crocodilo, de acordo com Sarah E. Schaffer, autora do livro "Reading our Lips: The History of Lipstick Regulation in Western Seats of Power". 

(Você pode se interessar:  Qual é a origem das Olimpiadas? O maior evento esportivo do mundo)

No Império Romano, a coloração dos lábios voltou a ser comum, com tons vibrantes indicando um status mais elevado. No entanto, como escreve Schaffer, ingredientes caros, como o vermelho carregado de mercúrio, eram "veneno potencialmente mortal; as pessoas pobres que precisavam confiar no sedimento de vinho tinto para colorir os lábios provavelmente se saíam melhor no final".

Da realeza à bruxaria

Durante seu reinado no século 16, a Rainha Elizabeth I popularizou o uso do batom vermelho entre a classe aristocrática da Inglaterra.

Foto de Philip Mould Ltd London, Bridgeman Images

Schaffer escreve que durante a Idade Média, "quando as Cruzadas reintroduziram a Europa Ocidental no uso extensivo de cosméticos no Oriente Médio, o batom adquiriu um fascínio ligeiramente perverso". Os cristãos consideravam a maquiagem uma oposição aos ensinamentos religiosos que enfatizavam a humildade e a beleza natural como parte do projeto de Deus. 

Na Inglaterra, acreditava-se que o batom vermelho tinha o poder de repelir espíritos malévolos. A Rainha Elizabeth I, uma crente fervorosa, adornou seus lábios com um tom carmim personalizado feito de cochonilha, goma arábica, clara de ovo e leite de figo. Seu endosso real desencadeou uma tendência, e o batom vermelho ganhou popularidade durante seu reinado (1558-1603). 

Entretanto, com o reinado de seu sucessorJames I (1603-1625), os temores da sociedade em relação à bruxaria lançaram uma sombra sobre as práticas cosméticas. Em 1770, foi aprovada uma lei que determinava que qualquer mulher que usasse maquiagem como meio de enganar os homens para que se casassem poderia ser julgada como bruxa

mais populares

    veja mais

    As mulheres marcharam pela cidade de Nova York, nos Estados Unidos, durante o movimento pelo sufrágio de 1912 com lábios vermelhos e ousados, desafiando o patriarcado.

    Foto de Bridgeman Images

    A cor da rebeldia

    batom vermelho ganhou um novo significado durante o movimento sufragista da década de 1920, simbolizando a luta pelos direitos das mulheres. A empresária do setor de beleza Elizabeth Arden inspirou mulheres como Elizabeth Cady StantonCharlotte Perkins GilmanEmmeline Pankhurst a usarem batom vermelho como um símbolo de coragem quando distribuiu tubos de batom para as sufragistas em 1912. 

    Nas décadas seguintes, o batom vermelho tornou-se cada vez mais popular. A famosa revista de moda Vogue declarou em 1933 que "se estivéssemos perpetuando os gestos do século 20 para a posteridade, usar batom encabeçaria a lista".

    Usando um cinto de cartuchos de calibre 50, Phyllis Cotter aplica batom na fábrica da Douglas Aircraft Company em Santa Monica, Califórnia, nos Estados Unidos, nesta foto de cerca de 1943.

    Foto de Tom Stimson FPG, Getty Images

    Na Segunda Guerra Mundial, o batom vermelho evoluiu de um símbolo de rebeldia para um símbolo de feminilidade patrióticaresiliência, com tons como "Fighting Red!" e "Victory Red!" se tornando populares. Schaffer escreve que o batom vermelho era "uma parte vital do esforço de guerra". 

    A marca Elizabeth Arden produziu uma tonalidade que combinava com os enfeites carmesim brilhantes dos uniformes femininos dos fuzileiros navais, e os vestiários das fábricas eram abastecidos com batom para aumentar o moral dos trabalhadores. Hitler, aparentemente, odiou.

    lábio vermelho ousado continuou sendo uma escolha clássica após a Segunda Guerra Mundial, pois ícones de Hollywood como as atrizes Audrey Hepburn e Marilyn Monroe fizeram dele um item básico da moda. Seu legado é visto nos dias atuais em várias celebridades modernas, como a diva da música pop Taylor Swift, que costuma usar lábios escarlates.

    Ao longo de sua carreira como cantora, compositora e ícone pop, Taylor Swift sempre foi vista usando lábios escarlates, o que a tornou parte integrante de sua imagem.

    Foto de John Shearer Getty Images

    Mas seu apelo atemporal continua a cativar e capacitar as pessoas, reafirmando seu status como um emblema de rebeldia e força. Em 2018, a campanha #SoyPicoRojo na Nicarágua apresentou homens e mulheres usando batom vermelho em protesto contra a ditadura do país. Em 2019, milhares de mulheres no Chile usaram batom vermelho para denunciar a violência sexual, provando que o ousado lábio vermelho nunca saiu de moda. 

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados