Napoleon

O plano da véspera de Natal para acabar com Napoleão

Em 24 de dezembro de 1800, rebeldes monarquistas tentaram assassinar Napoleão Bonaparte com uma bomba quando ele estava a caminho da ópera.

Um detalhe de “Napoleão como Primeiro Cônsul” em uma pintura de 1802 de Antoine-Jean Gros, do Museu da Legião de Honra de Paris, França.

Foto de Erich Lessing ALBUM
Por Juan José Sánchez Arreseigor
Publicado 24 de nov. de 2023, 12:00 BRT

Na noite de 24 de dezembro de 1800, a primeira apresentação francesa de A Criação, uma ópera do famoso compositor Joseph Haydn, estreou no Teatro da República e das Artes em Paris, na França. Pouco depois de a orquestra começar a tocar, um som estrondoso vindo de fora do prédio interrompeu o movimento de abertura da apresentação, "Representação do Caos". Caos, de fato, pois uma bomba caseira, destinada a Napoleão Bonaparte, foi a fonte da comoção.

Napoleão foi o primeiro cônsul da República Francesa por quase um ano. Buscando restaurar a ordem e a unidade da França pós-revolucionária, ele instituiu reformas populares, incluindo o estabelecimento do sistema de lycée para o ensino secundário (escolas secundárias estatais) e a criação do Banco da França para melhorar a estabilidade financeira do país. Sua ascensão ao poder também lhe rendeu muitos inimigos. 

Os radicais jacobinos, que eram leais ao governo que precedeu o golpe de Napoleão, consideravam o primeiro cônsul um traidor da revolução, enquanto os monarquistas buscavam a restauração do antigo regime monárquico e da dinastia Bourbon.

O caos se seguiu após a explosão da "máquina infernal" em 24 de dezembro de 1800, conforme mostrado nessa gravura da tentativa de assassinato.

Foto de Gérard Blot, RMN-Grand Palais

No primeiro ano de Napoleão como primeiro cônsul, a oposição passou a criar planos de assassinato e conspirações contra ele. Malmaison, uma propriedade a oeste de Paris de propriedade de sua esposa, Joséphine, foi o local de vários supostos planos, mas nenhum deles foi levado a cabo. Em outubro de 1800, quatro homens, que se acreditava serem jacobinos, armaram-se com facas e planejaram esfaquear Napoleão até a morte em seu camarote na Ópera, na chamada “Conspiração do Punhal”. Os conspiradores foram capturados, presos e posteriormente executados por planejarem matar o novo líder francês.

Planejando o ataque

A imprensa havia anunciado que Napoleão participaria da estreia francesa desse novo oratório no teatro em 24 de dezembrovéspera de Natal. Georges Cadoudal, um ex-líder dos rebeldes realistas chamados Chouans, cujos os exércitos Napoleão havia derrotado no início daquele ano, planejou sua própria grande "estreia" para aquela noite também. Cadoudal alistou três outros veteranos em sua operação: Pierre Robinault de Saint-Régent, Joseph Picot de Limoëlan e François-Jean Carbon de Paris. Esses co-conspiradores pretendiam matar Napoleão e, assim, remover o homem que consideravam o maior obstáculo para a restauração da dinastia Bourbon.

Em 17 de dezembro, Carbon comprou uma pequena carroça e um cavalo de um negociante de grãos de Paris. No anoitecer de 24 de dezembro, Limoëlan e Carbon dirigiram a carroça de um prédio vazio nos arredores da capital e chegaram ao arco do triunfo de Porte Saint-Denis, no centro de Paris. Eles prenderam à carroça um grande barril de vinho carregado com 90 quilos de pólvora e pedras afiadas. O barril transformado em bomba, conhecido como a "máquina infernal", seria detonado com um estopim aceso à mão.

Era sabido que Napoleão sempre fazia o mesmo trajeto até o teatro. Sua carruagem saía do Palais des Tuileries, atravessava a Place du Carrousel e virava à esquerda pela Rue Saint-Nicaise. Robinault colocou o cavalo e a carroça no final da Saint-Nicaise, empilhando pedras e entulho ao redor para dar a impressão de que ela havia quebrado. A carroça foi posicionada de modo a bloquear parcialmente a rua. A bomba foi escondida com feno, palha e um saco de aveia.

Limoëlan esperou na Place du Carrousel para poder ver a escolta de cavalaria de Bonaparte saindo do Palais des Tuileries. Assim que o comboio fosse avistado, ele daria a Robinault o sinal para acender a espoleta, que levaria vários segundos para queimar. Para garantir que ninguém interferisse ou movesse a carroça, Robinault pagou a uma garota de 14 anos chamada Marianne Peusol para segurar as rédeas do cavalo enquanto ele ficava parado e segurava o pavio.

Uma noite na ópera

Enquanto os conspiradores preparavam sua armadilha, Napoleão e sua família se preparavam para o concerto. De acordo com o general Jean Rapp, assessor de Napoleão, Napoleão ficou impaciente enquanto sua esposa, Joséphine, mexia em um xale que acabara de receber. Napoleão decidiu ir embora e embarcou em sua carruagem com três de seus generais para o trajeto de 800 metros até o teatro. Joséphine seguiria em uma segunda carruagem com sua filha, Hortense; o General Rapp; e Caroline Bonaparte, irmã de Napoleão.

A carruagem do primeiro cônsul se afastou rapidamente, deixando para trás a escolta da cavalaria. Pego de surpresa pela aparição repentina da carruagem de Napoleão, Limoëlan não conseguiu dar a Robinault um sinal oportuno. Enquanto isso, o principal cavaleiro da comitiva de Napoleão, que viu uma carroça bloqueando parte da estrada à frente e uma carruagem bloqueando o outro lado da estrada, empurrou entre os dois veículos para criar um espaço para o motorista de Napoleão. Posteriormente, Robinault alegou que foi derrubado pelo cavalo do condutor, mas, na confusão, perdeu Limoëlan de vista e acendeu o pavio segundos depois. A bomba explodiu depois que Napoleão já estava longe, e apenas as janelas de sua carruagem foram danificadas.

Place du Carrousel, pela qual a carruagem de Napoleão passou no caminho para ouvir um concerto de ópera em 1800, abriga um arco do triunfo construído por volta de 1808 para homenagear as vitórias de Napoleão. Ao fundo, na imagem, o Museu do Louvre. 

Foto de Markus Lange, Getty Images

A carruagem de Joséphine tinha acabado de chegar ao portão do palácio quando a bomba explodiu. As janelas de sua carruagem também se quebraram, e um caco de vidro cortou a mão de Hortense. Uma das escoltas da cavalaria subiu para informá-las de que Napoleão não estava ferido e que elas deveriam seguir para o teatro.

Marianne Peusol e o cavalo morreram imediatamente. Os edifícios próximos à explosão foram muito danificados ou destruídos. Os relatos sobre o número de vítimas variaram, mas poucos espectadores em Saint-Nicaise, uma rua animada e movimentada, escaparam ilesos. 

Quando o General Rapp chegou ao teatro, encontrou Napoleão "calmo e tranquilo", observando a plateia que aplaudia através de seu espelho de ópera. Napoleão então disse "com muita frieza" a Rapp: "Os malandros queriam me explodir. Traga-me um livro do Oratório".

A planta da rua acima, um detalhe de uma gravura de Paris do século 18, mostra onde o ataque ocorreu. No dia seguinte, a imprensa publicou relatos vívidos sobre a atrocidade. O Moniteur Universel relatou "a terrível explosão" que ocorreu "às 8 horas, quando o Primeiro Cônsul estava sendo escoltado do pátio do Palais des Tuileries para a ópera. A explosão matou três mulheres, um lojista e uma criança. Quinze pessoas ficaram feridas... Cerca de 15 casas foram consideravelmente danificadas".

Foto de Bridgeman, ACI

Napoleão culpou os jacobinos "bebedores de sangue" pelo ataque. Furioso, ele disse ao seu chefe de polícia, Joseph Fouché: "Por um crime tão atroz, devemos nos vingar como um raio. O sangue deve correr. Devemos atirar em tantos homens culpados quantas forem as vítimas". Fouché sugeriu que os monarquistas haviam planejado o ataque, mas Napoleão continuou a culpar os jacobinos. Fouché seguiu as ordens de Napoleão e prendeu 130 deles.

A polícia localizou o negociante de grãos, que identificou os restos da carroça e descreveu o comprador, Carbon, em detalhes. A polícia também localizou o estábulo onde os conspiradores mantinham a égua, que havia sido identificada por suas ferraduras. Os policiais prenderam Carbon, que então entregou seus cúmplices. Robinault foi capturado e executado junto com Carbon em 20 de abril de 1801. Limoëlan fugiu para os Estados Unidos. Cadoudal fugiu para a Grã-Bretanha, mas depois retornou à França para embarcar em outro plano fracassado contra Napoleão. Ele foi capturado e executado em 1804.

Medo armado

A trama da "máquina infernal" marcou a primeira vez em que uma bomba foi usada em uma tentativa de assassinato. Não foi o primeiro nem o último ataque contra Napoleão. No entanto, ele foi único por ter como alvo um indivíduo, mas foi indiscriminado em seu impacto. Esse foi um ato que levou a dissidência política a uma nova direção.

Durante o Reinado do Terror da Revolução Francesa (1793-94), a palavra "terrorismo" surgiu para descrever o uso do medo para fins políticos, conforme empregado pelo regime vigente. Ele punia as pessoas que se opunham à revolução, que buscava não apenas erradicar os inimigos existentes, mas também suprimir a oposição futura.

Depois de ser condenado à morte em 1804 por conspirar para assassinar Napoleão, Georges Cadoudal recusou-se a implorar por misericórdia. Em junho daquele ano, Cadoudal foi o primeiro dos 12 prisioneiros monarquistas a ser guilhotinado. Armand de Polignac, um artista e monarquista, retratou a cena nesta pintura em aquarela do século 19.

Foto de Bridgeman, ACI

No turbulento rescaldo da revolução, o significado da palavra "terrorismo" mudou para se aplicar não à violência perpetrada por um governo, mas àquela perpetrada contra um governo. O ato de terrorismo dos rebeldes monarquistas foi uma tentativa de desmantelar um líder e uma ideologia que eles detestavam.

Mas sua trama teve consequências inesperadas. Embora os verdadeiros culpados fossem os monarquistas, Napoleão aproveitou a oportunidade para reprimir os jacobinos, insistindo em seu exílio da França. Napoleão conseguiu punir e expurgar seus inimigos de ambos os lados, derrubando possíveis ameaças à sua ambição autoritária. Quatro anos depois, ele se coroaria Imperador da França.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados