As 7 descobertas arqueológicas mais interessantes em 2023

Uma cidade maia perdida, um templo submerso na Itália, espadas incrivelmente bem preservadas em uma caverna perto do Mar Morto. O ano de 2023 trouxe várias descobertas que mudaram nossa perspectiva sobre a história.

Autoridades egípcias anunciaram em maio a descoberta de antigas oficinas de mumificação egípcias na região de Saqqara, em Gizé. Os novos artefatos – incluindo camas de pedra e instrumentos para mumificação – que datam do período ptolemaico e da 30ª dinastia egípcia.

Foto de Fareed Kotb, Anadolu Agency, Getty Images
Por Tom Metcalfe
Publicado 26 de dez. de 2023, 08:00 BRT

O ano de 2023 foi um bom ano para a história mundial e para a arqueologia, em especial: testemunhamos como novas técnicas, como a IA (inteligência artificial), podem levar a avanços nas pesquisas, e os cientistas lançaram uma outra luz sobre artefatos descobertos em épocas anteriores.

Mas também foi um ano de novas descobertas arqueológicas, incluindo oficinas de mumificação no Egito que revelam alguns dos segredos da antiga técnica de sepultamento; um templo submerso na Itália construído há 2 mil anos por comerciantes dos desertos da Arábia; e uma vasta cidade maia que estava perdida na selva, mas que foi revelada com a tecnologia a laser.

Aqui estão sete das novas descobertas mais interessantes:

1. As espadas do Mar Morto

Eitan Klein, diretor do Projeto de Pesquisa do Deserto da Judéia das Autoridades de Antiguidades de Israel e vice-diretor da Unidade de Prevenção de Saques de Antiguidades, examina a cabeça de pilum (dardo) de ferro encontrada em uma caverna a sudeste de Jerusalém.

Foto de Paolo Verzone

A descoberta do dardo levou os pesquisadores a quatro espadas extraordinariamente preservadas que estavam presas atrás de estalactites na caverna. Armas como essa espada de pomo anelar eram populares entre os inimigos de Roma antes de serem adotadas pelo Império no século 2 d.C.

Foto de Paolo Verzone

Em junho de 2023, os arqueólogos encontraram quatro espadas extraordinariamente bem preservadas que foram deixadas em uma caverna no deserto da Judeia entre os séculos 1 e 3 d.C. – uma época em que a região era um refúgio para os rebeldes judeus contra o domínio do Império Romano. A madeira e o couro geralmente apodrecem rapidamente, mas aqui eles foram protegidos pelo ambiente seco, de modo que as espadas estão completas com seus cabos e bainhas.

As espadas foram descobertas depois que uma ponta de ferro de um dardo romano chamado pilumpedaços de madeira trabalhada foram encontrados pela primeira vez na caverna a sudeste de Jerusalém e ao lado do Mar Morto. Os pesquisadores então vasculharam a caverna com detectores de metal, que revelaram as quatro espadas presas atrás de estalactites

Acredita-se que as armas foram provavelmente escondidas ali por rebeldes judeus durante a revolta de Bar Kokhba, entre 132 e 136 d.C., depois de terem sido coletadas em um campo de batalha ou roubadas de unidades romanas. Os arqueólogos estão entusiasmados com a preservação da madeira e do couro, o que pode ajudar a identificar onde e quando as espadas foram feitas.

2. Uma nova cabeça gigante de pedra na Ilha de Páscoa

Em fevereiro, voluntários desenterraram uma cabeça gigante de pedra  recém-descoberta, chamada de “moai”, em Rapa Nui, como também conhecida como Ilha de Páscoa, no Oceano Pacífico, a mais de 3 mil quilômetros da costa do Chile. A nova estátua é pequena para um moai – tem um pouco mais de 1,5 metro de altura, enquanto outras das cerca de 900 existentes na ilha têm até 33 metros de altura.

maioria dos moais foi erguida entre 1250 e 1500, e a população local considera as estátuas como as "faces vivas" de seus ancestrais deificados. Não se sabe nada ainda sobre esse moai mais novo, inclusive qual ancestral ele representa, mas os arqueólogos procurarão as ferramentas usadas para moldá-lo a partir de rocha vulcânica macia. Placas de madeira com glifos chamados “rongorongo” podem explicar mais sobre o novo moai – se ao menos pudessem ser lidas.

3. Uma cidade maia perdida descoberta por uma nova tecnologia

Uma cidade maia não está mais perdida: arqueólogos descobriram a antiga cidade maia de Ocomtún este ano usando a tecnologia Lidar (Laser Detection and Ranging) – vista nessa imagem como uma visualização de dados. Os especialistas acreditam que essa cidade teria sido um importante centro de civilização.

Foto de Image by Žiga Kokalj, Research Centre of the Slovenian Academy of Sciences and Arts

O poder revolucionário do Lidar (Laser Detection and Ranging) foi demonstrado em junho de 2023 com a descoberta de uma cidade maia até então desconhecida na Península de Yucatán, no México. A técnica utiliza equipamentos aéreos para escanear a paisagem abaixo da superfície com milhares de pulsos de luz laser a cada segundo, o que pode revelar detalhes ocultos sob árvores e outras coberturas, como as curvas e canais históricos do Rio Mississippi, por exemplo, e abrigos construídos por soldados durante a Batalha do Bulge.

Os arqueólogos que visitaram o local no México a pé chamaram a cidade perdida de "Ocomtún", da palavra maia Yucatec para suas muitas colunas de pedra. Eles acreditam que cidade maia foi um importante centro desde aproximadamente 250 d.C. até ser abandonada quando a civilização maia entrou em colapso entre 900 e 1000, possivelmente devido à seca e a conflitos internos.

Ocomtún cobre mais de 400 mil m² e apresenta praças, quadras de bola, casas de elite, plataformas elevadas, altares rituais e templos piramidais. E ainda, possui os restos de uma grande pirâmide que tem mais de 24 metros de altura.

4. Um templo submerso na Itália

Um arqueólogo afasta os sedimentos dos restos de um altar de mármore branco nas águas de Puteoli, na Itália. O altar é de um antigo templo pertencente aos nabateus, comerciantes que viviam no deserto e cuja grande riqueza construiu cidades como Petra, na Jordânia. Os arqueólogos suspeitam que o próprio templo possa estar sob um ou dois metros de areia.

Foto de MINISTERO DELLA CULTURA

Arqueólogos italianos anunciaram em agosto de 2023 a descoberta, perto da cidade de Nápoles, dos restos subaquáticos de um templo de 2 mil anos, que eles acreditam ter sido construído pelos antigos nabateus. Oriundos da atual Jordânia e da Arábia Saudita, os nabateus, que também fundaram a famosa cidade de Petra, eram comerciantes do deserto que forneciam aos romanos os luxos do Oriente. 

Grande parte do comércio deles chegava ao porto de Puteoli, atual Pozzuoli, a alguns quilômetros a oeste de Nápoles. O templo na costa do porto havia sido submerso durante a atividade vulcânica na área, que fica à vista do vulcão Vesúvio.

As ruínas subaquáticas incluem um altar para os deuses nabateus, e os arqueólogos sugerem que o templo serviu como um "outdoor" para a cultura nabateia, bem como um local de adoração. Uma inscrição em latim em um pedaço de mármore relata que "Zaidu e Abdelge ofereceram dois camelos a [o deus] Dushara" – um sacrifício que pode ter sido para beneficiar as negociações comerciais ou uma bênção para uma viagem marítima arriscada.

5. Duas oficinas de múmias do antigo Egito

Arqueólogos egípcios anunciaram em maio que haviam descoberto mais duas oficinas de mumificação na necrópole de Saqqara, perto das ruínas da antiga cidade de Mênfis, a poucos quilômetros ao sul do Cairo, no Egito. As oficinas são da 30ª dinastia (380 a 345 a.C.) e do Período Ptolemaico (305 a 30 a.C.), que é tardio para o Egito antigo

A prática egípcia de mumificação para preservar um corpo morto para a vida após a morte data de milhares de anos antes, por volta de 2.600 a.C. Uma das oficinas recém-descobertas em Saqqara apresenta camas de pedra destinadas à preparação de corpos humanos, enquanto a outra tem camas menores que, segundo os arqueólogos, eram usadas para mumificar animais

Os pesquisadores também encontraram instrumentos para mumificação, jarros de argila para as entranhas e vasos rituais para órgãos embalsamados, bem como suprimentos de natrão – um tipo de carbonato de sódio, proveniente de leitos de lagos secos no deserto, que era um ingrediente fundamental no processo de embalsamamento.

6. Pedras preciosas perdidas do Império Romano em uma casa de banhos na Inglaterra

Os arqueólogos anunciaram em junho que haviam encontrado essas pedras preciosas no local de antigos banhos romanos em Carlisle, Inglaterra. No sentido horário, a partir do canto superior esquerdo: A deusa Fortuna segura uma cornucópia e um remo; um rato rói um toco de árvore; uma águia abre suas asas; um homem colhe cereais com uma foice; Vênus segura uma palmeira e talvez uma flor ou um espelho; um Marte equipado com uma lança segura um troféu.

Foto de ANNA GIECCO

Dezenas de pedras preciosas esculpidas representando deuses e animais provenientes do Império Romano foram descobertas em Carlisle, no norte da Inglaterra, em meio às ruínas de um antigo sistema de drenagem que levava a água dos banhos públicos nos séculos 3 e 4. Os arqueólogos anunciaram as descobertas em junho de 2023 e acredita-se que as pedras preciosas eram usadas em joias por banhistas ricos, mas que caíram nos drenos quando suas configurações se soltaram devido à umidade e ao calor dos banhos.

Essas gemas incluem pedras semipreciosas de ágatajaspeametistacornalina; algumas são esculpidas com imagens de deuses romanos, como Apolo, Vênus e Marte, enquanto outras mostram animais, como coelhos e pássaros. 

Pedras preciosas esculpidas como essas, chamadas intaglios, eram usadas pelos antigos romanos como um tipo de assinatura, geralmente pressionando um anel em argila ou cera para criar um selo. Os drenos antigos foram encontrados embaixo de um pavilhão pertencente ao Carlisle Cricket Club – sendo que a cidade de Carlisle era, antes, um centro regional na Grã-Bretanha romana, quando era conhecida como Luguvalium.

7. Um fatídico naufrágio de guerra no Mar do Sul da China

Em abril, pesquisadores australianos anunciaram que haviam encontrado os destroços do “Montevideo Maru”, um navio de transporte japonês que afundou em 1.942 com mais de mil prisioneiros de guerra aliados a bordo. O navio transportava tropas australianas capturadas durante a invasão japonesa da Nova Guiné, bem como um contingente de marinheiros noruegueses e mais de 200 civis capturados.

O navio estava indo para a ilha chinesa de Hainan, que na época era ocupada pelo Japão, quando foi avistado pelo submarino norte-americano U.S.S. Sturgeon perto da costa norte das Filipinas. Sem saber que o navio japonês estava transportando prisioneiros de guerra aliados, o Sturgeon o rastreou por várias horas antes de afundá-lo com torpedos. Nenhum dos prisioneiros sobreviveu, e o naufrágio é o pior desastre marítimo da história da Austrália

No entanto, alguns tripulantes japoneses sobreviveram e relataram que alguns dos prisioneiros que haviam conseguido chegar a balsas improvisadas cantaram "Auld Lang Syne" para seus companheiros mortos no navio afundado.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados