Veja 4 maneiras de comemorar o Natal de uma forma mais ecológica

Pequenas ações cotidianas, como fazer compras conscientes ou evitar plásticos de uso descartável – combinadas com bons hábitos no Natal – podem ter impacto positivo.

Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 20 de dez. de 2023, 15:00 BRT
Uma casa em Boys Town, Nebraska, decorada com luzes de Natal.

Uma casa em Boys Town, Nebraska, decorada com luzes de Natal.

Foto de LANDON NORDEMAN

Natal se aproxima e, nessa época, as pessoas se preparam para comemorar com luzes, comida, presentes e árvores de Natal decoradas. A época pode ser uma ocasião para o consumismo e o desperdício, mas também pode ser um bom momento para se animar e aproveitar as festividades sem perder de vista o meio ambiente, como diz o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Conforme aponta um artigo da National Geographic publicado em dezembro de 2022, há algumas dicas gerais que devem ser levadas em conta durante as comemorações de fim de ano, como reutilizar decorações de Natal, calcular para evitar fazer comida extra e evitar desperdício, fazer compras conscientemente para evitar desperdício e preferir embalagens reutilizáveis às descartáveis.

De acordo com a organização internacional, cerca de dois terços das emissões de gases de efeito estufa (GEE) estão relacionados a escolhas domésticas. Portanto, os comportamentos cotidianos, inclusive os hábitos de férias, deixam uma pegada no planeta. 

Como cuidar do meio ambiente durante as festividades? Aqui estão quatro recomendações:

(Talvez você se interesse por: Árvores de Natal naturais economizam água – saiba como!)

1. Repensar o uso da árvore de Natal

Um dos objetos mais representativos dessa época é a árvore de Natal. A tradição de decorá-la é antiga e pode ser um momento de comunhão com a família. No entanto, ela também pode ter um impacto negativo no meio ambiente. 

É melhor usar árvores de Natal de verdade ou de plástico? "Não há uma resposta certa", diz Elisa Garza García, agricultora urbana mexicana e criadora do blog Elisa Hortaliza, no artigo da National Geographic.

A esse respeito, a The Nature Conservancy (TNC), uma organização ambiental global sem fins lucrativos fundada em 1951, ressalta que as árvores artificiais têm vários aspectos negativos, como a geração de emissões provenientes do transporte (quase 90% delas são enviadas da China para todo o mundo) e o fato de não serem recicláveis, o que faz com que acabem em aterros sanitários locais.

Embora possam ser reutilizadas por vários anos por sua vida útil, essas árvores são descartadas e se transformam em microplásticos que poluem e afetam a saúde humana, reforça Garza García.

No entanto, quem tem um pinheiro de plástico em casa deve reutilizá-lo ou adotar uma postura circular e trocá-lo com outras pessoas para dar continuidade à vida útil, sugere Dafna Nudelman, ativista ambiental e especialista em economia circular e consumo responsável, no artigo mencionado acima. 

Outra boa opção, de acordo com a Conservancy, são as árvores naturais, desde que a produção seja garantida como sustentável. As árvores externas também podem ser decoradas sem a necessidade de serem derrubadas ou criadas manualmente a partir de materiais recuperados, sugerem Garza García e Nudelman.

2. Como vestir-se de forma sustentável para o Natal

Durante as festas de fim de ano, as pessoas costumam usar roupas novas ou comprar roupas de uma cor específica. Entretanto, o custo da moda pode ser muito alto para o planeta. 

De acordo com dados do PNUMA, as pessoas compram atualmente 60% mais roupas do que compravam há 15 anos, e cada peça de roupa é guardada por apenas metade do tempo.

Isso se traduz em custos mais altos para o planeta, considerando que esse setor é o segundo maior consumidor de água e é responsável por entre 2% e 8% das emissões globais de carbono

Portanto, repensar suas roupas pode ser uma ótima maneira de reduzir sua pegada de carbono. Para isso, a agência da ONU sugere aproveitar ao máximo o que você tem em seu guarda-roupa ou comprar roupas de segunda mão.

Mas se você tiver que comprar um novo, a alternativa é escolher melhor e optar por designers ou marcas amigáveis cujas cadeias de suprimento e fabricação sejam sustentáveis pode fazer toda a diferença. 

3. Comprar e viajar localmente pode ser melhor

Para as refeições  de Ano Novo, o PNUMA sugere comprar alimentos e produtos cultivados e produzidos localmente. Esse gesto não apenas economiza dinheiro, mas também ajuda as empresas locais e minimiza a distância que os produtos precisam percorrer, o que se traduz em uma redução na quantidade de combustíveis fósseis queimados durante o transporte.

Também é possível optar por férias mais próximas de casa. O órgão internacional sugere fazer uma pausa na natureza, o que "pode ser recompensador para a saúde, a economia local, o meio ambiente e o bolso". 

No entanto, aqueles que viajam para o Exterior também podem fazer sua parte adotando medidas como ficar mais tempo (para aproveitar ao máximo a viagem), comer alimentos locais, evitar o uso de plásticos descartáveis e ser proativo no gerenciamento de sua pegada de carbono.

(Veja também: Como viver com menos plástico: dicas de especialistas para diminuir o consumo)

4. Os benefícios de experimentar uma dieta rica em vegetais

Que tal fazer sua ceia de Natal à base de vegetais? Além de serem nutritivos, esses alimentos também são mais gentis com o planeta. 

De acordo com a agência ambiental internacional, "a produção de carne é um dos principais fatores da crise climática. Devido ao esterco e às liberações gastroentéricas, o gado é responsável por 32% das emissões de metano (um potente gás de efeito estufa) causadas pelo homem".

Portanto, a incorporação de mais vegetais nas dietas poderia melhorar a saúde e reduzir as emissões de gases de efeito estufa, conclui o PNUMA.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados