GettyImages-1319962802

Por que o Iêmen e o Estreito do Mar Vermelho são essenciais para o transporte marítimo global?

Por que o Iêmen e o Estreito do Mar Vermelho são essenciais para o transporte marítimo global?

Vista de satélite do estreito de Bab al-Mandeb, com 32 quilômetros de largura, localizado no Mar Vermelho, entre a ponta sudoeste da Península Arábica (à direita) e o Chifre da África (à esquerda). Até 1/4 das mercadorias do mundo são transportadas pelo Bab al-Mandeb, incluindo suprimentos essenciais de energia para a Europa provenientes do Golfo Pérsico.

Foto de Gallo Images, Orbital Horizon, Copernicus Sentinel Data 2021, Getty Images
Por Tom Metcalfe
Publicado 12 de jan. de 2024, 16:40 BRT

Bab al-Mandeb é conhecido como um estreito, um pequeno ponto de estrangulamento geográfico no Mar Vermelho com uma influência enorme nos assuntos mundiais, como o comércio internacional. Isso porque o local é a chave para o controle de quase toda a navegação entre o Oceano Índico e o Mar Mediterrâneo por meio do Canal de Suez

Os recentes ataques de drones contra a navegação comercial em Bab al-Mandeb por forças Houthi baseadas no Iêmen levaram uma coalizão liderada pelos Estados Unidos a lançar ataques militares contra alvos controlados pelos militantes Houthi. E, embora a Bab al-Mandeb esteja atualmente nas manchetes dos jornais de todo o mundo, ela também desempenhou um papel extraordinário na História da humanidade.  

A seguir, eis o que você deve saber sobre essa região tão importante no Mar Vermelho:

O que é exatamente o Bab al-Mandeb?

Bab al-Mandeb é um estreito de cerca de 32 mil km de largura e 112 mil km de comprimento entre o Chifre da África e a ponta sul da Península Arábica, que forma a entrada sul do Mar Vermelho a partir do Golfo de Aden e do Oceano Índico. Os países da Eritreia e do Djibuti fazem fronteira com o estreito a oeste, e o Iêmen fica em sua borda leste.

Uma ilha chamada Perim (também conhecida como Mayyun) domina a parte mais estreita de Bab al-Mandeb no lado iemenita, e as dispersas Ilhas dos Sete Irmãos se estendem de Djibuti alguns quilômetros mais ao sul.

Como e por que o estreito de Bab al-Mandeb recebeu esse nome?

O nome Bab al-Mandeb significa "Portão das Lágrimas" ou "Portão da Dor" em árabe, de "bab" que significa "portão" e "mandeb" (ou "mandab") que significa "lamentação".

Seu nome parece se referir aos perigos de navegar pela estreita via navegável, repleta de correntes cruzadasventos imprevisíveisrecifes. Muitos navios nos séculos e milênios passados naufragaram em Bab al-Mandeb, e os navios modernos também enfrentam os perigos das minas navais de conflitos passados.

Por que os Houthis e Bab al-Mandeb estão nas notícias agora?

Um grupo rebelde iemenita conhecido como Houthis, que leva o nome de seu fundador Hussein al-Houthi, iniciou um primeiro levante em 2004 contra o governo oficial do Iêmen, que eles acusavam de estar do lado da Arábia Saudita contra eles. Depois de vários embates, desde 2014 os Houthis controlam a capital Sanaa e grande parte do oeste e do sul do Iêmen.

Os houthis são, em sua maioria, muçulmanos xiitas com vínculos com o Irã, que financiou sua rebelião contra o governo majoritariamente muçulmano sunita do Iêmen e seus ataques à Arábia Saudita, liderada pelos sunitas. No final de 2023, os houthis anunciaram que atacariam navios em Bab al-Mandeb em apoio ao Hamas, apoiado pelo Irã, que atualmente trava uma guerra na Faixa de Gaza com Israel.

Desde então, as forças houthis dispararam mísseis contra vários navios no estreito de Bab al-Mandeb, além de disparar mísseis contra Israel.

Qual é o volume de transporte marítimo que passa pelo Bab al-Mandeb entre a Europa e a Ásia?

Bab al-Mandeb, o Mar Vermelho e o Canal de Suez são ligações vitais ao longo da principal rota de navegação do mundo, entre a Ásia e a Europa.

A Organização Marítima Internacional estima que até 1/4 da navegação mundial passe por essa rota, o que equivale a vários bilhões de toneladas de carga todos os anos. Isso inclui uma estimativa de 4,5 milhões de barris de petróleo por dia, originários do Golfo Pérsico e de países asiáticos, de acordo com a Administração de Informações sobre Energia dos Estados Unidos.

Qual é a importância pré-histórica de Bab-al Mandeb e toda essa região no Mar Vermelho?

Atualmente, a maioria dos paleoantropólogos defende a teoria "Fora da África", conhecida como teoria da "Origem Africana Recente", que afirma que a espécie humana moderna Homo sapiens evoluiu no leste da África há aproximadamente 150 mil anos.

De lá, o Homo sapiens migrou para o Oriente MédioÁsiaEuropa e Américas, substituindo outras espécies de hominídeos que já viviam em muitas dessas áreas.

Se esse for o caso, então a antiga migração do Chifre da África para a Península Arábica provavelmente foi o primeiro passo – e alguns cientistas propuseram que o estreito de Bab al-Mandeb pode ter sido uma ponte entre as duas regiões pelo menos durante parte do tempo, causada pela flutuação do nível do mar.

Um estudo de 2006, entretanto, indica que essa ponte terrestre sobre o Bab al–Mandeb não existia há vários milhões de anos, mas um estudo recente propôs que o mar entre as duas regiões era tão estreito que poderia facilmente ter sido atravessado à deriva ou a nado.

Qual a importância da Bab al-Mandeb nos tempos modernos?

O Bab al-Mandeb era conhecido como uma perigosa travessia marítima na borda do mundo mediterrâneo há milênios; sabia-se que as riquezas da Índia e do Extremo Oriente estavam além dele, mas o estreito era uma barreira temível e as rotas terrestres eram geralmente mais seguras.

No entanto, o "Portão da Dor" ganhou nova importância global após 1869com a abertura do Canal de Suez no Egito, que uniu o Golfo de Suez, no noroeste do Mar Vermelho, ao Mar Mediterrâneo. O canal levou a um aumento drástico na navegação no Mar Vermelho e através de Bab al-Mandeb, e logo se tornou a rota de navegação preferida entre a Europa e a Ásia.

Império Britânico já havia tomado a ilha de Perim em Bab al-Mandeb durante as Guerras Napoleônicas e, décadas mais tarde, temendo o ressurgimento do poder francês por meio do canal construído pela França e em construção na época, a Grã-Bretanha ocupou totalmente a ilha, posicionando tropas no local e construindo um farol. A Grã-Bretanha usava Perim principalmente como estação de reabastecimento para navios a vapor movidos a carvão que viajavam de e para sua base naval em Aden, uma cidade portuária na costa sul do Iêmen a cerca de 160 km a leste de Bab al-Mandeb.

presença britânica na área continuou até o final da década de 1960, quando Perim foi entregue aos governantes do sul do Iêmen. O sul passou então a ser apoiado pelo bloco comunista, enquanto o Egito passou a apoiar o regime do norte do Iêmen. Os dois lados travaram uma amarga guerra civil até sua unificação formal em 1990.

Qual tem sido o papel de Bab al-Mandeb desde os anos 1960?

O Bab al-Mandeb tornou-se um ponto de conflito global nas últimas décadas devido às grandes quantidades de comércio e petróleo que passam por ele. Várias potências mundiais, incluindo os Estados Unidos e a China, agora mantêm grandes bases militares no lado de Djibuti do estreito, supostamente para evitar que o Bab al-Mandeb seja vítima de hostilidades.

O último conflito em Israel não é o primeiro a envolver Bab al-Mandeb. Em 1973, após a Guerra do Yom Kippur, os membros árabes da Comunidade Econômica de Produção de Petróleo (Opep) anunciaram um bloqueio aos navios petroleiros que se dirigiam a Israel vindos do Irã, que na época era governado pelo regime pró-ocidental do Xá. Navios egípcios impuseram o bloqueio em Bab al-Mandeb e forçaram a retirada de muitos petroleiros, até que o estreito foi reaberto vários meses depois. Os eventos destacaram a importância geopolítica contínua do estreito e seu impacto crítico no fornecimento global de energia.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados