Stress_MM9558- Family kitchen

Os cientistas podem "resolver" o estresse? Veja como eles estão tentando

De doenças cardiovasculares e obesidade a um sistema imunológico enfraquecido, os efeitos colaterais do estresse podem alterar a vida de uma pessoa. Mas há estudos para evitar esses resultados.

Criar os trigêmeos Hays, Presley e Millie é um desafio para o casal Caitlin e Chris Nichols, de Lawrenceville, na Geórgia, Estados Unidos. Nascidas prematuramente, as crianças têm problemas crônicos de saúde. E os cuidadores de crianças com doenças crônicas também enfrentam dificuldades, desenvolvendo estresse.

Foto de Brian Finke
Por Yudhijit Bhattacharjee
Publicado 19 de jun. de 2024, 07:00 BRT

À medida que estresse moderno atinge níveis que parecem insuportáveis, os pesquisadores estão se esforçando para aprender mais sobre os mecanismos precisos pelos quais ele afeta nosso corpo e nossa mente. Afinal, não é só nas animações da Pixar Divertida Mente (disponível no Disney+) e Divertida Mente 2 (nos cinemas) que as emoções afetam o nosso dia a dia e nossa saúde. A vida real é um constante desgaste emocional.

A esperança é que, ao desvendar mais sobre como o estresse funciona fisiologicamente, os cientistas possam encontrar maneiras de evitar que ele prejudique permanentemente as pessoas.

Nas últimas cinco décadas, os cientistas estabeleceram, sem sombra de dúvida, que o estresse persistente realmente pode envenenar nossa saúde geral. Além de aumentar o risco de doenças cardiovasculares, o estresse desempenha um papel na obesidade e no diabetes e pode enfraquecer o sistema imunológico, deixando-nos mais vulneráveis a doenças infecciosas. 

É possível recuperar-se rapidamente de um episódio de estresse agudo – por exemplo, o alarme que alguém pode sentir ao ser pego despreparado para uma apresentação. O estresse crônico, por outro lado, é mais tóxico, pois é uma circunstância implacável que oferece pouca chance de retorno à normalidade. A pressão financeira, o fato de ter um chefe agressor e o isolamento social são exemplos disso.

Dentro do Laboratório de Ambiente de Reabilitação Assistida por Computador no Walter Reed National Military Medical Center, em Bethesda, Maryland (Estados Unidos), o veterano do Exército, Wayne Christian, caminha em direção a uma foto sua que o está deixando emocionalmente abalado. Estudos indicam que, ao ajudar os pacientes a enfrentar memórias traumáticas e processar os sentimentos negativos que os cercam, esse tratamento avançado reduz os sintomas do transtorno de estresse pós-traumático grave.

Foto de Brian Finke

Atualmente, o estresse crônico parece estar aumentando em todo o mundo, à medida que as pessoas enfrentam rápidas mudanças socioeconômicas e ambientais.  Uma pesquisa norte-americana realizada em 2023 pela American Psychological Association constatou que o estresse teve um grande impacto desde o início da pandemia, com a incidência de doenças crônicas e problemas de saúde mental aumentando significativamente, especialmente entre as pessoas de 35 a 44 anos.

Até agora, uma das principais constatações dos cientistas é que o estresse prejudica a todos nós de maneiras diferentes e poderosas. Mas existe alguma maneira de evitá-lo ou, pelo menos, de se recuperar mais rapidamente? Alguns caminhos promissores de pesquisa oferecem esperança para o futuro.

mais populares

    veja mais

    Zainab Khorakiwala, aluna do segundo ano do ensino médio, é submetida a uma ressonância magnética funcional como parte de um estudo do Laboratório de Estresse e Desenvolvimento da Universidade de Harvard (Estados Unidos), que examina como o estresse diário afeta o desenvolvimento do cérebro dos adolescentes.

    Foto de Brian Finke

    Evitar que o estresse crônico o prejudique em primeiro lugar


    Estudos inovadores em órfãos mostraram como o estresse no início da vida pode deixar uma marca permanente no cérebro.

    "O estresse crônico no início da vida tem efeitos mais sérios e duradouros, porque é quando muitas conexões estão sendo estabelecidas no cérebro", explica Aniko Korosi, pesquisadora da Universidade de Amsterdã, nos Países Baixos, que vem realizando experimentos em ratos para elucidar essa ligação entre o estresse no início da vida e o desenvolvimento do cérebro.

    Korosi pode ter encontrado uma ligação surpreendente entre o estresse e a composição de nutrientes resultante no cérebro. Ela e seus colegas notaram que os filhotes de camundongos que foram expostos ao estresse na primeira semana de vida – tendo sido transferidos dos cuidados da mãe para uma gaiola – tinham níveis mais baixos de determinados ácidos graxos e aminoácidos no cérebro em comparação com os filhotes criados em um ambiente sem estresse.

    Ela se perguntou se seria possível normalizar o desenvolvimento de um filhote estressado alimentando-o com uma dieta rica em nutrientes específicos que estariam faltando em seu cérebro. Para descobrir isso, os pesquisadores primeiro deram uma dieta suplementada às mães para que ela passasse pelo leite delas e, em seguida, continuaram a fornecê-la na alimentação dos filhotes por duas semanas após o desmame. 

    Alguns meses depois, os pesquisadores testaram o aprendizado e a memória dos camundongos já adultos. Ao contrário dos camundongos estressados que nunca haviam recebido uma dieta enriquecida, esses camundongos não apresentaram deficiências cognitivas.

    Em um laboratório de Amsterdã, nos Países Baixos, um rato procura o buraco que lhe permite escapar de um labirinto. Os pesquisadores estressaram as fêmeas que estavam amamentando, limitando o material de nidificação, para ver os efeitos em seus filhotes. Depois de crescidos, os camundongos foram testados no labirinto. Em contraste com os camundongos que tiveram um parto mais fácil, os camundongos criados por mães estressadas se saíram mal, levando mais tempo para lembrar onde estava o buraco de fuga.

    Foto de Brian Finke

    O estresse na infância altera a forma como o cérebro dos ratos funciona. Examinando fatias finas de tecido cerebral, os pesquisadores da Universidade de Amsterdã observaram anormalidades na microglia – células cuja função é regular a reação imunológica no cérebro e manter o cérebro limpo, removendo os neurônios que estão morrendo e outros resíduos.

    Foto de Brian Finke

    "Fiquei surpresa com o fato de que a mudança na nutrição poderia ter um efeito tão poderoso, porque é uma intervenção muito fácil", diz Korosi.

    Segundo ela, se outros estudos fornecerem mais evidências da via nutricional, haverá uma base sólida para suplementar as dietas de bebês nascidos de mães que vivem em condições estressantes.

    Desenvolver um sistema de alerta precoce para estresse


    Katie McLaughlin, psicóloga da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, está investigando como os problemas de saúde mental surgem em adolescentes quando eles estão passando por um momento particularmente vulnerável em suas vidas, a transição para a vida adulta.

    Ela e seus colegas ainda estão coletando dados, mas um estudo menor e precursor que acompanhou 30 adolescentes oferece pistas sobre o que os pesquisadores podem aprender – e como isso pode ajudá-los a identificar o estresse antes que ele vá longe demais.

    A varredura monocromática do cérebro de uma menina destaca duas seções em laranja brilhante onde o estímulo emocional indica sinais de maus-tratos na infância. Pesquisas sobre indivíduos que sofreram abuso quando crianças mostram que seus cérebros reagem fortemente a estímulos emocionais.

    Foto de Tyler C. Hein and Christopher S. Monk, University of Michigan

    Nesse estudo, McLaughlin descobriu que o grau de estresse vivenciado por um indivíduo no mês anterior à visita ao laboratório alterava a forma como o cérebro respondia a informações emocionalmente impactantes, como quando era mostrada a imagem de um rosto ameaçador. O córtex pré-frontal do cérebro, que ajuda a regular as emoções, apresentou menor ativação quando o indivíduo havia passado por níveis mais altos de estresse.

    McLaughlin está otimista de que os dados do estudo em andamento ajudarão a identificar mudanças no comportamento na atividade cerebral que preveem o surgimento de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão. Isso poderia permitir o desenvolvimento de intervenções direcionadas aos adolescentes no momento certo, comenta ela. Se o marcador de estresse identificado fosse uma diminuição repentina na duração do sono ou um declínio acentuado nas interações sociais, por exemplo, seria possível enviar a intervenção para o indivíduo em seu smartphone.

    "Por exemplo, aqui está um lembrete sobre uma boa higiene do sono, ou este pode ser um bom momento para conversar com seu orientador na escola sobre o que está acontecendo em sua vida", explica McLaughlin.

    Prevenção da inflamação causada pelo estresse crônico


    Obter uma compreensão mais profunda de como o estresse afeta o sistema imunológico também pode ajudar a encontrar uma maneira de reverter esses efeitos.

    Na década de 1980, a psicóloga Janice Kiecolt-Glaser e seu marido virologista, Ronald Glaser, começaram a explorar o impacto fisiológico do estresse em dois segmentos notavelmente estressados da sociedade: estudantes de medicina e cuidadores de idosos. Os pesquisadores descobriram que o sistema imunológico dos estudantes era menos robusto quando eles estavam fazendo exames do que nos períodos sem exames – e que o estresse alterava a resposta do corpo às vacinas.

    Antes de seu marido, Tommy, que sofre do mal de Alzheimer, mudar-se para uma casa de repouso assistido este ano, cuidar dele consumia quase todo o tempo e energia de Ellen Ebe. Ela participou de um estudo da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, sobre como esse tipo de cuidado afeta a capacidade do corpo de combater doenças, bem como o risco de depressão e ansiedade.

    Foto de Brian Finke

    Em seguida, os pesquisadores administraram as vacinas contra gripe e pneumonia em indivíduos responsáveis por um cônjuge com demência. Ao contrário dos estudantes de medicina que faziam exames, que provavelmente estavam estressados apenas no curto prazo, essas pessoas estavam passando por um estresse incessante

    Quando testadas em períodos determinados após a inoculação, elas tinham menos anticorpos em comparação com um grupo de controle – elas não conseguiam manter sua resposta protetora. "Isso nos deu boas evidências de que as mudanças provocadas pelo estresse eram biologicamente significativas", afirma Kiecolt-Glaser, hoje professor emérito da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos.

    Na mesma época, pesquisadores liderados por Sheldon Cohen, hoje professor emérito de psicologia da Carnegie Mellon University, introduziram vírus causadores de resfriado nas narinas de cerca de 400 voluntários adultos no Reino Unido. "Quanto mais estresse eles relatavam antes de serem expostos a um vírus, maior era o risco de desenvolverem um resfriado", diz Cohen. A duração e o tipo de estresse foram importantes: o estresse econômico ou interpessoal crônico era o que realmente colocava as pessoas em alto risco e, quanto mais tempo passava, maior era a suscetibilidade de adoecer.

    Agentes do centro de detenção participam de uma sessão de treinamento de atirador ativo em uma antiga escola de ensino médio no Texas, Estados Unidos. Os agentes da lei têm um risco maior de doenças cardiovasculares em comparação com a população em geral. Até mesmo situações que os policiais sabem que são exercícios demonstraram aumentar os marcadores fisiológicos de estresse.

    Foto de Brian Finke

    Cohen e seus colegas também descobriram que, quando expostas a vírus, as pessoas cronicamente estressadas tendiam a produzir um excesso de citocinas – proteínas que servem como mensageiros do sistema imunológico, viajando para locais de infecção e lesão e ativando a inflamação e outros processos celulares para proteger o corpo. O excesso de citocinas causa um excesso de inflamação.

    Os pesquisadores ainda não sabem o suficiente sobre como o estresse altera a capacidade do sistema imunológico de regular as citocinas para elaborar uma intervenção para reduzir a inflamação, mas, de certa forma, essas descobertas sinalizam alguma esperança: há alvos claros para mais trabalho a ser feito. 

    Entendendo o estresse em nível celular


    O futuro da compreensão e do combate ao estresse pode estar em nosso DNA.

    Em 2023, Ursula Beattie, então estudante de doutorado na Universidade Tufts, e seus colegas encontraram possíveis evidências de que o estresse pode sobrecarregar os mecanismos de reparo do DNA. Em seu estudo, os pesquisadores bateram repetidamente em gaiolas de pardais com canetas, tocaram o rádio em volume alto e outras ações destinadas a causar angústia, mas sem danos físicos. 

    Amostras de sangue e tecido dos pardais após três semanas desse tratamento desagradável revelaram danos ao DNA. "É como se você tivesse dois pedaços de barbante enrolados, exatamente como o DNA, e pegasse uma tesoura e os cortasse", afirma Beattie.

    A estudante de doutorado da Universidade Tufts, em Massachusetts, nos Estados Unidos, Ursula Beattie, segura um pardal recém-capturado. Para um estudo, ela submeteu pássaros semelhantes a estresse, como ficar em uma gaiola rolando pelo laboratório. Amostras de sangue revelam danos ao DNA, sugerindo que os mecanismos de reparo ficam sobrecarregados.

    Foto de Brian Finke

    Em um estudo separado, Beattie mediu as penas dos pardais em busca de corticosterona – o hormônio relacionado ao estresse nas aves. "Gostamos de compará-lo aos anéis das árvores, que podem fornecer informações sobre como uma árvore cresceu retrospectivamente", explicou ela. As penas registram um momento estressante no tempo.

    Foto de Brian Finke

    Embora esses tipos de quebras de fita dupla no DNA ocorram o tempo todo em pardais e em outras espécies, inclusive em humanos, o dano é normalmente revertido por meio de mecanismos de autorreparo. Em um ambiente de estresse crônico, "esses mecanismos de reparo ficam sobrecarregados, e é assim que vemos um acúmulo de danos ao DNA", explica Beattie. O dano nas aves parece ser mais grave nas células do fígado, acrescenta ela, sugerindo que, também nos seres humanos, a extensão e o tipo de dano infligido pelo estresse podem ser variados e para diferentes tecidos do corpo.

    Separadamente, Kiecolt-Glaser e a psicóloga Lisa Christian, da OSU, estão realizando um estudo longitudinal para determinar se o estresse crônico envelhece mais rapidamente. Se os resultados corroborarem um estudo menor e anterior, parece que os cuidadores cronicamente estressados não apenas têm maior probabilidade de adoecer e se curar mais lentamente, mas também apresentam sinais de envelhecimento acelerado.

    Ainda estamos aprendendo como o estresse penetra profundamente em nossos corpos. Mas essas descobertas exploratórias significam que estamos cada vez mais perto de resolver o quebra-cabeça que é o estresse, o que promete um futuro em que poderemos atender melhor à demanda contínua por mudanças para não sofrermos tanto com o estresse e suas consequências.

    Carline Raphael (à esquerda), funcionária da área de saúde pública na cidade de Nova York, visita a nova mãe Marisela Bravo Berrera e sua filha de dois meses, Angel, para dar conselhos sobre amamentação e bons hábitos de sono para recém-nascidos. Pesquisas mostram que o estresse crônico altera os componentes nutricionais do leite materno, portanto, o controle do estresse para mães de bebês é fundamental para o desenvolvimento saudável dos bebês.

    Foto de Brian Finke

    Yudhijit Bhattacharjee escreveu mais de uma dúzia de reportagens para a National Geographic, muitas das quais se aprofundam na ciência da experiência humana, incluindo nossa matéria de capa sobre estresse. Escritor colaborador da New York Times Magazine e autor de The Spy Who Couldn't Spell (O espião que não sabia soletrar), ele controla o estresse cantando.

    Brian Finke fotografou várias reportagens para a National Geographic, incluindo a ciência do paladar e The Carnivore's Dilemma. Seu trabalho foi publicado em vários livros e apresentado em coleções de museus em todo o mundo. Ele controla o estresse andando de bicicleta pela cidade de Nova York.

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados