O que é o cobalto, tão essencial para as tecnologias atuais, e quais controvérsias ele esconde?

O metal azul prateado é usado para fabricar baterias de íons de lítio que fornecem energia para tudo, desde carros até cigarros eletrônicos. Ele também é tóxico e extraído no Congo, onde milhares de trabalhadores trabalham em condições "subumanas".

Por Kara Norton
Publicado 10 de jan. de 2024, 08:00 BRT, Atualizado 18 de jan. de 2024, 08:00 BRT
O cobalto é um metal que produz um pigmento azul. Ele é essencial para a fabricação ...

O cobalto é um metal que produz um pigmento azul. Ele é essencial para a fabricação de muitas das baterias que alimentam telefones, computadores e veículos elétricos, mas sua mineração está ligada a violações dos direitos humanos.

Foto de RHJ Getty Images

 O cobalto é essencial para alimentar nossa tecnologia moderna. O metal é comumente usado para fabricar baterias de íons de lítio, que são encontradas em itens como veículos elétricos, computadores, smartphones e até mesmo cigarros eletrônicos.  

Como muitos países estão se voltando para a energia renovável, a demanda por essas baterias nunca foi tão alta. Espera-se que a demanda global por cobalto se quadruplique até 2030, de acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial, em grande parte graças à adoção generalizada de veículos elétricos. 

No entanto, o cobalto que ajuda a alimentar esses veículos e outras tecnologias apresenta sérias preocupações humanitárias quando é extraído na República Democrática do Congo (RDC). 

Essas minas de cobalto têm sido objeto de investigações e reportagens, e recentemente ganharam ampla atenção em plataformas de mídia social como o TikTok. Preocupados com as condições de produção do cobalto, os usuários do TikTok se comprometeram a abandonar seus cigarros eletrônicos ou vapes, que contêm traços de cobalto em suas baterias. 

Em um vídeo de novembro de 2023, com mais de 1,8 milhão de visualizações, uma criadora de conteúdo anunciou que deixaria de usar vaporizadores devido a preocupações com a mineração de cobalto. Mas para realmente limitar a demanda por cobalto, seria preciso abrir mão de muito mais do que um cigarro eletrônico.

Aqui está o que você deve saber sobre esse metal versátil, porém controverso.

(Saiba mais sobre:  Mineração é um negócio poluente. A tecnologia pode limpá-la?)

O que é cobalto e como ele é usado?

Esse metal azul-prateado e brilhante ajuda as baterias a armazenar uma grande quantidade de energia e, ao mesmo tempo, mantém as temperaturas estáveis mesmo durante condições meteorológicas muito frias ou muito quentes, o que o tornou útil para muitas aplicações aeroespaciais, de defesa e médicas, além de ser um elemento-chave em muitas tecnologias de energia limpa

O cobalto também desempenha um papel fundamental no funcionamento das baterias de íons de lítio. Ao contrário das baterias domésticas comuns, as baterias de íon-lítio podem ser recarregadas e reutilizadas por anos, mas também são mais caras e difíceis de reciclar.  

Essas baterias fazem de tudo, desde alimentar dispositivos portáteis até armazenar energia em redes elétricas. Mas esse material dinâmico também é caro, tóxico e difícil de extrair e processar

Mais de 70% do cobalto do mundo vem de minas no Congo. Lá, de 15% a 30% são provenientes de "minas artesanais", onde milhares de mineiros autônomos trabalham em condições "subumanas" e "degradantes" por apenas alguns dólares por dia, explicou Siddharth Kara, pesquisador da Escola de Saúde Pública T.H. Chan de Harvard, à NPR. 

Kara vem pesquisando a escravidão moderna, o tráfico de pessoas e o trabalho infantil há duas décadas, e seu livro recente, “Cobalt Red” (“Vermelho Cobalto”), descreve como a chamada corrida do cobalto resultou em inúmeras mortes e na contaminação generalizada da água, do solo e do ar da região.  

Além disso, o cobre e o urânio são encontrados junto com o cobalto nas minas congolesas - este último é um conhecido agente cancerígeno

Para determinar o quanto o cobalto afeta as pessoas que vivem perto das minas, os pesquisadores da KU Leuven, na Bélgica, e da Universidade de Lubumbashi, na República Democrática del Congo, realizaram um estudo de caso em Kasulo, um bairro urbano na cidade de Kolwezi. A cidade fica no coração de um depósito de mineração congolês. Quando o minério de cobalto foi descoberto sob uma das casas, o bairro inteiro foi rapidamente engolido por uma mina artesanal, observaram os pesquisadores. 

As casas foram intercaladas com dezenas de poços de mineração onde centenas de mineiros artesanais caçavam cobalto, enquanto os moradores continuavam a viver nas proximidades, aparentemente sem nenhuma precaução de saúde ou segurança.

"As crianças que viviam no distrito de mineração tinham dez vezes mais cobalto na urina do que as crianças que viviam em outros lugares", diz Benoit Nemery, um dos autores do estudo e especialista em pulmão da KU Leuven. "Seus valores eram muito mais altos do que os que aceitaríamos para trabalhadores de fábricas europeias."

Uma grande preocupação com a saúde dos mineiros e das comunidades que vivem nas proximidades das minas é a poeira, diz Nemery. Ela contém cobalto e outros metais em suspensão no ar, inclusive urânio, que são liberados durante o processo de mineração. Alguns cientistas temem que essa exposição possa causar problemas de saúde de longo prazo, como doenças pulmonares.

"urânio também libera um gás chamado gás radônio e, nas minas, os níveis de radônio são muito altos. O radônio é um carcinógeno que pode levar ao câncer de pulmão", diz Nemery. "Mas não sabemos até que ponto há um aumento da quantidade de câncer de pulmão na área, porque trata-se de uma região mal atendida do ponto de vista médico."

Em resposta ao impacto ambiental do cobalto e às preocupações com os direitos humanos, várias empresas de alto nível, incluindo a Apple e a Tesla, se comprometeram a reduzir o uso de cobalto ou a obtê-lo de produtores mais responsáveis. A montadora BMW vem adquirindo cobalto do Marrocos e da Austrália para seus veículos elétricos desde 2020. 

Embora a Tesla tenha reduzido seu uso médio de cobalto em mais de 60% e agora esteja usando baterias sem cobalto em seus novos modelos de carros, a montadora de veículos elétricos também fechou um acordo de longo prazo com a maior empresa de mineração do mundo, a Glencore, para 6 mil toneladas de cobalto de origem do Congo por ano. 

O acordo sugere que o cobalto congolês continuará a ser um recurso crucial para os fabricantes de baterias, de acordo com o white paper do Fórum Econômico Mundial sobre a extração artesanal de cobalto na República Democrática do Congo.  

reciclagem desses dispositivos recarregáveis pode ser uma solução importante para diminuir a dependência global da mineração e, ao mesmo tempo, reduzir o custo para os consumidores e o impacto ambiental do lixo eletrônico

A Redwood Materials, uma empresa de reciclagem de baterias e lixo eletrônico fundada pelo ex-diretor de tecnologia da Tesla, JB Straubel, é especializada na recuperação de materiais como o cobaltoA empresa pega baterias de íons de lítio usadas, as quebra e extrai seus metais – incluindo cobalto, lítio, cobre e níquel – para reutilizá-los em novas baterias. 

Até 2025, a Redwood Materials estima que produzirá materiais reciclados suficientes para um milhão de veículos elétricos por ano.

(Saiba mais: Economia de energia: 7 dicas para diminuir o consumo dentro de casa)

Mineração de cobalto gera polêmica nos Estados Unidos

Para expandir seu suprimento doméstico de minerais de terras raras e reduzir sua dependência quase total de fontes estrangeiras de cobalto, os Estados Unidos aumentaram suas operações de mineração doméstica. Esses materiais fazem parte de uma estratégia nacional de longo prazo para fazer a transição para energia renovável e veículos com emissão zero. 

O setor de transporte continua sendo a maior fonte de emissões de carbono dos Estados Unidos, de acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA), e a transição para veículos elétricos desempenhará um papel fundamental na redução das emissões de gases de efeito estufa

Mas essas novas minas domésticas necessárias para produzir as matérias-primas para as baterias de veículos elétricos também podem invadir terras indígenas. Vários metais, como o cobalto, foram encontrados a menos de 35 milhas de reservas indígenas americanas. Isso inclui 97% do níquel, 89% do cobre, 79% do lítio e 68% das reservas de cobalto nos EUA, segundo a MSCI ESG Research. 

Lisa Benjamin, professora associada de direito da Lewis & Clark Law School em Portland, Oregon, diz que, embora esses metais sejam cruciais para uma revolução na energia renovável, é importante não sacrificar a saúde e a segurança das comunidades que vivem perto desses depósitos. 

 

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados