As fotos do ano até agora: protestos, pandemia e incêndios florestais

Ainda convivemos com o coronavírus, mas imagens publicadas neste ano mostram que a vida continua, para melhor ou para pior.

Por Eve Conant (Introdução), Whitney Johnson (edição internacional) e Miguel Vilela (edição Brasil)
Publicado 23 de out de 2020 11:45 BRT, Atualizado 5 de nov de 2020 02:56 BRST
Alena Battle, de Charlotte, Carolina do Norte, com seu filho, Tamaj Bulloch, no colo, na marcha ...

Alena Battle, de Charlotte, Carolina do Norte, com seu filho, Tamaj Bulloch, no colo, na marcha do protesto “Tire seu joelho do nosso pescoço” em Washington, D.C., 28 de agosto de 2020. O evento, na data do aniversário de 57 anos da Marcha sobre Washington pelo Trabalho e Liberdade de 1963, homenageou o protesto original e também enfatizou o trabalho que ainda precisa ser feito, especialmente nas reformas da justiça criminal e da polícia.

Foto de Joshua Rashaad McFadden, National Geographic

“Para mim, é importante fazer parte da história”, disse Schcola Chambers, de Miami, Flórida, que participava da manifestação “Tire seu joelho do nosso pescoço”, em prol da justiça racial em Washington, D.C., no último mês de agosto. Este com certeza foi um ano para se fazer história – para aqueles que estão ativamente protestando por mudanças, aqueles que estão combatendo ou se protegendo dos incêndios florestais que devastam o oeste dos Estados Unidos, e para toda a população mundial que ainda luta contra a pandemia de covid-19. As imagens vão de trágicas a inspiradoras: funerais para vítimas de covid-19, mulheres tirando selfies na Índia durante uma peregrinação, drones registrando ângulos jamais vistos do Monte Everest, e trabalhadores de serviços essenciais que continuam arriscando suas vidas para cuidar de nós quando estamos doentes e garantir que a comida chegue às nossas mesas.

O Brasil passou por situações semelhantes. Não teve grandes protestos como nos EUA, mas profissionais de saúde, coveiros e voluntários também lutaram – e continuam lutando – contra a mesma pandemia. Incêndios florestais atingiram paisagens diferentes, mas foram tão devastadores quanto os de lá. No fim desta página, montamos uma seleção com algumas das fotos importantes publicadas pela redação brasileira da National Geographic.

Alem Bekele, Herani Bekele e Bayza Anteneh se postam em frente ao Memorial Lincoln durante a marcha de protesto “Tire seu joelho do nosso pescoço”, em Washington, D.C., 28 de agosto de 2020. “Estamos aqui porque estamos cansadas das injustiças, e estamos aqui para fazer a diferença para as próximas gerações”, afirmou Alem Bekele.

Foto de Stephanie Mei-Ling, National Geographic

“Para mim, é importante fazer parte da história”, disse Schcola Chambers, de Miami, Flórida, que participava da marcha de protesto “Tire seu joelho do nosso pescoço” em Washington, D.C., em agosto. “E mostrar para os meus netos e os netos deles que isso é um ato de amor.”

Foto de Wayne Lawrence, National Geographic

Uma imagem de George Floyd, morto por policiais de Minneapolis, Minnesota, é projetada no monumento pichado de Robert E. Lee, em Richmond, Virgínia. Erguida em 1890, a estátua homenageia o general dos confederados, que lutavam pela secessão do sul dos EUA e pela manutenção da escravidão.

Foto de Kris Graves, National Geographic

Adam Canaday, no papel de um condutor de carruagens, junto ao seu cavalo, Comodoro, na Williamsburg Colonial, em Williamsburg, Virgínia. Ele é um dos diversos intérpretes negros de figuras históricas que trabalham na atração de história viva.

Foto de Jared Soares, National Geographic

Memorial improvisado homenageia a juíza Ruth Bader Ginsburg em frente à Suprema Corte, em Washington, D.C., 19 de setembro de 2020. A juíza da Suprema Corte, defensora da igualdade de gênero, faleceu no dia 18 de setembro, aos 87 anos.

Foto de Maddie McGarvey, National Geographic

Este será o primeiro ano em que a ativista jovem Winter BreeAnne, estudante da Universidade Howard, em Washington, D.C., poderá votar na eleição presidencial, por ter atingido a idade. Essa jovem veterana de diversas campanhas de incentivo ao voto, de Riverside, Califórnia, desenvolveu um programa para promover o engajamento cívico dos jovens.

Foto de Celeste Sloman, National Geographic

Uma marcha de mulheres, denominada Manifa, passou pelas ruas da Cidade Antiga de Gdańsk, na Polônia, em março passado, chamando atenção para causas ambientais e feministas com o slogan “As mulheres e o planeta estão sofrendo demais”. Gdańsk tem um passado multicultural, por isso a cidade tem sido palco de movimentos sociais progressistas.

Foto de Justyna Mielnikiewicz, National Geographic

No interior de uma das igrejas de Tver, na Rússia, uma cidade secular às margens do rio Volga, fiéis se reúnem para celebrações noturnas em comemoração à Páscoa Ortodoxa, o feriado religioso mais importante do país. A Páscoa normalmente é uma época de procissões e coros, mas as festividades deste ano foram canceladas em algumas localidades e modificadas em outras.

Foto de Nanna Heitmann

Sa Calobra é uma enseada no município de Escorca, na ilha de Maiorca, na Espanha. Maiorca é a maior das Ilhas Baleares e tem sofrido com o turismo excessivo há décadas. A enseada de Sa Calobra é um dos únicos meios de acesso ao mar a partir da Serra de Tramuntana, uma cordilheira reconhecida como Patrimônio Mundial da Unesco.

Foto de Pep Bonet, NOOR, National Geographic

Caminhonete queimada, coberta por retardante de chamas, junto aos escombros da propriedade Talent Mobile Home Estates, no estado de Oregon. Pouquíssimos imóveis da propriedade resistiram ao incêndio de Alameda, que devastou os municípios de Talent e Phoenix, no sul do Oregon.

Foto de Diana Markosian, National Geographic

Um catador de mirtilos colhe frutas na Atlantic Blueberry Co. em Mays Landing, Nova Jersey, onde a maioria dos trabalhadores reside no local e recebe entre U$ 10,30 e U$ 13,20 por hora. Os trabalhadores seguiram realizando a colheita e trabalhando durante a pandemia de Covid-19.

Foto de Katie Orlinsky, National Geographic Society Covid-19 Emergency Fund

O médico Gerald Foret (à direita) coloca uma máscara de proteção antes de atender pacientes com covid-19 no Hospital de Nossa Senhora dos Anjos, em Bogalusa, Louisiana.

Foto de Max Aguilera-Hellweg, National Geographic

Parentes e amigos se reúnem para o funeral duplo de uma mãe de 104 anos e seu filho. Ela faleceu de covid-19 em uma casa de repouso após contrair a doença em um hospital de Londres

Foto de Lynsey Addario

 

Corpo de uma vítima suspeita de covid-19 em um hospital da Indonésia. Após o óbito do paciente, enfermeiras envolveram o corpo em várias camadas de plástico e aplicaram desinfetante para impedir a disseminação do vírus.

Foto de JOSHUA IRWANDI

Incêndio florestal próximo a Oroville e à Floresta Nacional Plumas, na Califórnia, em 9 de setembro de 2020. As chamas, levadas por ventos fortes, arrasaram mais de 80 mil hectares nas 24 horas anteriores.

Foto de Stuart Palley, National Geographic

Cana-de-açúcar e lama provenientes dos pântanos encobriram a igreja católica de Santo Eugênio, em Grand Chernier, estado americano da Louisiana. O lixo foi levado pela maré de tempestade do Furacão Laura.

Foto de Kathy Anderson, National Geographic

A Park Avenue, em Nova York, praticamente deserta – quando normalmente está repleta de táxis amarelos, motoboys e pedestres – é um exemplo dramático de como os esforços para frear a disseminação do coronavírus esvaziaram os centros das cidades.

Foto de Stephen Wilkes, National Geographic

Women strain to haul precious water from a well in Dongra, in India’s desert state of Rajasthan. Wells such as this have replaced ancient stepped structures, where women had to walk down hundreds of stairs to reach available underground water.

Foto de John Stanmeyer, National Geographic

Peregrinas tiram selfies na Drolma La, o ponto mais alto dos 51 quilômetros da kora – uma caminhada circular e meditativa ao redor do Monte Kangrinboqe, no Tibete. A montanha é sagrada para quatro religiões, e quatro rios do sul da Ásia nascem próximo aos seus pontos cardeais. 

Foto de Brendan Hoffman, National Geographic

Estupas cônicas de gelo servem como torres de armazenamento de água, guardando a água do gelo derretido no inverno para ser utilizada na agricultura na primavera. O grupo de jovens que que construiu essa no vilarejo de Gya, no norte da Índia, também instalou uma cafeteria na base. Os rendimentos foram utilizados para levar anciões do vilarejo para uma peregrinação.

Foto de Ciril Jazbec, National Geographic

O fotógrafo Renan Ozturk utilizou drones especialmente modificados para registrar o Monte Everest e suas montanhas vizinhas em imagens panorâmicas de 360 graus. Ozturk operou um drone do Acampamento I da Face Norte do Everest para concluir a imagem.

Foto de Renan Ozturk, National Geographic

O fotógrafo Reuben Wu programou drones iluminados para circularem sobre as formações de arenito de Yant Flat, em Utah. Depois, combinou diversas fotos de longa exposição nesta composição de imagens.

Foto de REUBEN WU
Foto de Mélanie Wenger, National Geographic

Com pulso firme, porém delicado, uma mão robótica do Laboratório de Robótica e Biologia da Universidade Técnica de Berlim pega uma flor com seus dedos pneumáticos. Avanços recentes permitiram que os robôs reproduzissem habilidades humanas como nunca visto antes.

Foto de Spencer Lowell, National Geographic

Lua cheia ilumina o Ary Rongel, um dos navios de apoio oceanográfico da Marinha do Brasil na Antártida. No começo do ano, num passado recente que parece ter acontecido há séculos, a Marinha brasileira inaugurou uma base científica e uma nova era de pesquisas no continente gelado.

Foto de Edson Vandeira

Arinda da Silva Azevedo, paciente de 86 anos diagnosticada com Covid-19, faz sessão de fisioterapia com a profissional Dilma Fernandes. Mesmo com a idade avançada, um câncer curado, diabetes e hipertensão, Dona Arinda sobreviveu. O médico e fotógrafo Ary Bassous acompanhou o cotidiano de uma UTI em hospital no Rio de Janeiro.

Foto de Ary Bassous

Coveiros trabalham de noite iluminados por faróis de veículos no cemitério da Vila Formosa, o maior da América Latina. Enquanto a prefeitura abria mais covas para evitar sepultamentos em valas coletivas, voluntários se organizavam para reunir estatísticas e contornar a ingerência do Ministério da Saúde.

Foto de Rafael Vilela

O xeramoi Hortêncio Karai, 107 anos, em sua casa na aldeia Tekoa Pyau, no Jaraguá. Hortêncio sobreviveu à covid-19 isolado em casa, à base de ervas medicinais indígenas, como a guiné. Reportagem mostrou como a pandemia fortaleceu a solidariedade de indígenas do Jaraguá e assentados do MST em São Paulo.

Foto de Tuane Fernandes

Waxy Yawanawa lidera o Centro Espiritual Mawa Yuxyn – Montanha dos Espíritos, às margens do rio Gregório, no Acre. Ela foi personagem de uma série especial de reportagens sobre como as mulheres lutaram – e continuam lutando – em diferentes frentes no combate ao coronavírus.

Foto de Gabi Di Bella

Katielle Nunes de Araújo tem 19 anos e foi presidenta da rua Melchior Giola, em Paraisópolis, São Paulo. Desassistidos pelo Estado, os moradores da comunidade paulistana elegeram presidentes de rua que cuidavam dos vizinhos – 90% eram mulheres.

Foto de Rafael Vilela

Trecho de mata ao lado de uma estrada é engolido por chamas, na zona rural de Poconé (MT). Ainda no fim de setembro, já se estimava que uma área de pelo menos 1.654.000 hectares do Pantanal – equivalente a quase 12 cidades de São Paulo – tinha queimado em 2020. Como previsto no título da reportagem, a situação piorou e pelo menos 26,5% do bioma foi queimado.

Foto de Gustavo Basso

Uma clareira no baixo Tapajós, no Pará, serve para guardar madeira apreendida por agentes do Ibama. Levantamento inédito mostrou que – ao contrário do diz Bolsonaro, que culpou "indígenas e caboclos" – as queimadas na Amazônia estão concentradas em grandes propriedades.

Foto de Flavio Forner
Continuar a Ler