Conheça quatro lugares incríveis no mundo que precisam urgentemente de conservação

Do Peru à Zâmbia, o foco dos exploradores está em lugares selvagens e maravilhosos que estão sob ameaça.

Todo ano, aproximadamente 30 000 pessoas tentam escalar o Monte Kilimanjaro, uma experiência que o alpinista Phil Henderson encoraja qualquer um que tenha a capacidade de tentar. Ele diz que, além de ser relativamente acessível, é uma ótima maneira de ver os efeitos das mudanças climáticas em ação.

Foto de Stephen Álvarez Nat Geo Image Collection
Por Allie Yang
Publicado 21 de set. de 2022 12:32 BRT

Do líder da expedição ao Everest Phil Henderson ao cineasta da vida selvagem Bertie Gregory, os exploradores de hoje têm a conservação no centro de suas expedições. Esses aventureiros pretendem mostrar ao mundo lugares com extraordinária vida selvagem ou valor cultural e histórico – mas que estão à beira de danos irreversíveis.

O efeito dos seres humanos na natureza vai muito além das mudanças climáticas, abrangendo a caça furtiva e o tráfico de animais selvagens, o desmatamento e a poluição da água. As consequências modernas são apenas a última iteração do nosso impacto. 

Como Yuval Noah Harari escreve em seu livro Homo Deus, “Quando nossos ancestrais da Idade da Pedra se espalharam da África Oriental para os quatro cantos da terra, eles mudaram a flora e a fauna de todos os continentes e ilhas em que se estabeleceram […] mesmo antes de plantar o primeiro campo de trigo, moldar a primeira ferramenta de metal, escrever o primeiro texto ou atingir a primeira moeda.”

Aqui estão quatro lugares que alguns dos principais exploradores do mundo gostariam que você conheça antes que a paisagem mude para sempre.

1. Morcegos frugívoros da Zâmbia

Com apenas 29 anos, o cineasta da vida selvagem e explorador da National Geographic Bertie Gregory já teve uma carreira incrível, produzindo e apresentando vários documentários premiados com a Nat Geo em todo o mundo. Mas um lugar que precisa de conservação se destaca em sua memória: o Parque Nacional Kasanka, na Zâmbia.

Os morcegos frugívoros que vivem no Parque Nacional Kasanka, na Zâmbia, dependem de fontes de alimentos fora de suas fronteiras, em terras ameaçadas por causa do desmatamento.

Foto de Fabian von Poser Getty Images

Enquanto filmava um episódio de Epic Adventures para a Nat Geo, sua equipe testemunhou a migração de morcegos do Parque Nacional de Kasanka, a maior migração de mamíferos na África. Os morcegos frugívoros cor-de-palha saem para se alimentar na escuridão e correm contra o tempo: no momento em que amanhece, seus predadores (incluindo águias marciais, coroadas e pesqueiras) têm luz suficiente para caçá-los.

“Ver 10 milhões de animais invadindo o céu é totalmente alucinante e é realmente muito difícil para o seu cérebro processar o que está acontecendo”, diz ele. “Parecia uma viagem no tempo da Terra pré-histórica, enquanto os sons de suas asas batendo e chamados enchiam o ar. Ficamos lá durante um mês, e todas as manhãs eram inspiradoras.”

Os morcegos – e todos os outros animais selvagens do parque – estão ameaçados pela agricultura industrial. Gregory diz que, quando visitou, enormes áreas de floresta já haviam sido cortadas ilegalmente perto dos limites do parque nacional.

“Os cientistas colocaram etiquetas de rastreamento em alguns dos morcegos e descobriram que eles podiam voar mais de 50 quilômetros todas as noites para se alimentar. Isso está bem fora da área protegida, então, mesmo sendo importante a preservação do habitat dos morcegos, se a área ao redor do parque nacional estiver sendo desmatada, essa migração épica vai desaparecer”, alerta. “Perder esses morcegos é uma tragédia muito além de apenas perder um espetáculo alucinante da vida selvagem. Os morcegos frugívoros cor-de-palha são conhecidos como os jardineiros da África.”

Isso porque quando os morcegos comem frutas, eles engolem sementes e as “plantam” por meio de excrementos. O desmatamento arriscaria quebrar esse ciclo natural – menos frutas significaria menos morcegos, e menos morcegos significaria menos árvores novas e assim por diante.

Desde que fiz o episódio de Epic Adventures, houve algumas notícias positivas. Um juiz na Zâmbia concedeu uma ordem impedindo que duas empresas derrubassem florestas na beira do parque nacional – um passo pequeno, mas vital na longa batalha para salvar a vida selvagem de Kasanka.

“É uma verdadeira batalha. O que é crítico não é apenas manter a floresta existente. Como muitos lugares ao redor do mundo, precisamos aumentar a cobertura florestal”, diz Gregory. “Isso é vital para os morcegos, para o ecossistema, para o clima e crucialmente para nós, os humanos”.

2. Proteger o modo de vida no Vale Sagrado do Peru

Carmen Chávez é bióloga tropical e exploradora da National Geographic que iniciou sua carreira profissional participando de projetos de pesquisa na Estação Biológica Cocha Cashu, no Parque Nacional Manú, no Peru. Quando ela era jovem, sua família, muitas vezes, costumava sair no seu VW Fusca para acampar no Vale Sagrado dos Incas.

O rio Vilcanota, no Peru, atravessa a cidade de Ollantaytambo, que possui várias ruínas incas e é um local destacado do Vale Sagrado.

Foto de Javier Gogna Getty Images

Uma de suas primeiras lembranças é de seu pai dedicando a ela a pesca do dia em seu quinto aniversário – era uma truta, uma espécie invasora que havia sido introduzida intencionalmente na América do Norte para ajudar a economia décadas atrás. Sua família passou a comprar terras agrícolas no coração do Vale Sagrado e dedicou sua vida ao cultivo tradicional de milho e batata.

“Quando criança, corria livremente pelos campos e nadava em pequenos rios e riachos de águas limpas cheias de peixes”, lembra Chávez. “O mesmo afluente do rio Vilcanota da minha infância, onde nadava, é agora o coletor de águas negras da crescente cidade de Lamay. Com águas escuras, poluídas e com cheiro forte de putrefação, [é] um lugar onde não deixo meu filho andar por perto.”

Tratamento mínimo de água e sistemas de esgoto rudimentares ou inexistentes despejam águas residuais diretamente em riachos, que desembocam no sagrado rio Vilcanota, diz ela. Este rio ainda é a principal fonte de irrigação para toda a agricultura no vale. A mineração ilegal de areia e pedra também interrompe o fluxo natural do rio e contribui para a inundação de fazendas e cidades locais, acrescenta.

(Siga esta trilha para explorar a vida inca além de Machu Picchu.)

A área é um lugar sagrado para a cultura inca em grande parte porque suas terras férteis sustentavam a próspera civilização antes da chegada dos colonizadores espanhóis. O Vale Sagrado ainda fornece às comunidades quinoa, kiwicha (um cereal que pode ser usado no lugar da farinha), variedades de batata e o milho branco gigante, que só cresce aqui.

“Os agricultores, assim como meu pai e meu irmão, vivem agora na incerteza sobre as mudanças sem precedentes nos padrões climáticos e as consequências inegáveis ​​de um clima mais quente”, conta Chávez. Ela acrescenta que há pouco interesse entre a geração jovem em continuar a agricultura tradicional, e que há uma dependência crescente de fertilizantes sintéticos prejudiciais.

“A solução vem de várias maneiras, pois os problemas são muitos. A recuperação do rio, sua qualidade de água, corrente natural e valor cultural precisam de nossa atenção”, afirma. “É imperativo aprender a diversidade biológica que sustenta e mantém este vale, ajudando a formar uma nova geração de naturalistas locais, capacitados pelo acesso às ferramentas e equipamentos para complementar seus conhecimentos tradicionais.”

3. As mudanças climáticas no Kilimanjaro

Em maio de 2022, Phil Henderson liderou a primeira expedição totalmente negra para subir o Everest. Sete membros atingiram o cume com sucesso, dobrando o número de alpinistas negros para alcançar o recorde. Mas para Henderson, quando lhe perguntam sobre um lugar especial, a primeira montanha que vem à sua mente é outra.

O povo maasai caminha pela área de conservação de Elerai, perto do Parque Nacional Amboseli, no Quênia, com o Monte Kilimanjaro se erguendo ao fundo.

Foto de Roger de la Harpe Education Images, Universal Images Group, Getty Images

No ano 2000, Henderson escalou pela primeira vez o Kilimanjaro, a montanha mais alta da África, com 5894 metros.

“As pessoas, a cultura e a terra estão todas conectadas. Se você olhar para a montanha em si, ela é única porque se eleva nas planícies da África”, não em meio a uma cordilheira, diz ele. “É um lugar onde as pessoas podem realmente ser educadas sobre as mudanças climáticas e a conexão entre as pessoas. A razão pela qual vamos a um lugar como este não é por uma experiência selvagem, mas por uma experiência cultural.”

O povo Chagga, o terceiro maior grupo étnico da Tanzânia, está intimamente ligado à montanha. Eles vivem nas ladeiras sul e leste do Kilimanjaro, produzindo banana, café e milhete no solo fértil.

Suas comunidades são testemunhas da diminuição das calotas polares e glaciares da montanha, que podem desaparecer nos próximos 25 anos, segundo os especialistas, em grande parte como resultado das mudanças climáticas.

“Voltei em 2018 e houve uma mudança drástica na quantidade de gelo permanente na montanha”, lembra Henderson. “Eles estão tendo tempestades severas e temperaturas muito altas, seguidas de secas graves”.

Henderson diz que a solução deve estar em um esforço global para conter as mudanças climáticas. Ele espera que aqueles que escalam o Kilimanjaro ajudem a difundir essa mensagem.

4. Leões no Parque Nacional de South Luangwa

Thandiwe Mweetwa, bióloga da vida selvagem da Zâmbia e exploradora da National Geographic, administra a educação sobre conservação do Programa de Carnívoros da Zâmbia. A iniciativa foi projetada para obter apoio local para a proteção de grandes carnívoros e seu habitat, e para promover o interesse em carreiras de conservação entre os jovens locais.

Um bando de leões descansa sob um céu estrelado no Parque Nacional de South Luangwa.

Foto de Nature Picture Library Alamy Stock Photos

Um dos lugares favoritos de Mweeta é o Setor Nsefu, no Parque Nacional South Luangwa, na Zâmbia, que ela visita a trabalho e nas férias.

“Visitei este lugar pela primeira vez em 2009, no meu primeiro dia de trabalho como voluntária no Programa de Carnívoros da Zâmbia, e fiquei instantaneamente impressionada com a beleza desta área”, diz ela. “É um santuário de vida selvagem rico em caça na margem leste do rio Luangwa. É o lar de uma diversidade de espécies selvagens carismáticas, como cães selvagens, leões, grandes manadas de búfalos e grandes bandos de pássaros icônicos, como o grou coroado. A área também tem locais culturais e históricos muito legais, como um antigo local de chuva”, um lugar onde as comunidades do passado oravam por chuva em tempos de seca.

Mweeta descreve sua primeira visita ao local como uma experiência transcendental na sua vida. Enquanto ajudava os pesquisadores a implantar um colar de rádio para rastrear leões na área, eles tocaram sons de búfalos morrendo para atrair os grandes felinos. Três machos jovens avançaram rapidamente e pararam perto de seu veículo.

“Eu pude experimentar todo o poder dos leões rugindo de perto”, lembra. “Tudo parecia vibrar. O carro estava literalmente tremendo. Eu senti como se meus órgãos internos também estivessem vibrando em sintonia com os rugidos desses animais poderosos. Foi uma experiência tão intensa e espiritual.”

Mas os leões e outros animais selvagens em toda a África estão sob ameaça, alerta Mweeta. Nsefu não escapou do impacto de atividades ilegais, como a caça furtiva de arame conduzida pelo comércio ilegal de carne de caça. As espécies-alvo são principalmente ungulados (grandes mamíferos com cascos), como impala e puku, explica ela, mas também animais maiores, como búfalos e hipopótamos.

A convivência desconfortável dos humanos com a vida selvagem também é um problema. E leões e outros carnívoros, às vezes, atacam o gado da população local.

A mudança climática é uma ameaça iminente, com os padrões climáticos se tornando mais imprevisíveis, diz Mweeta. Com esses desafios, “corremos o risco de perder o ecossistema e a incrível diversidade de vida selvagem que existe atualmente e torna este lugar excepcional”, destaca.

Comunidades locais, agências governamentais e conservacionistas estão colaborando para lidar com essas preocupações. “Através da ciência da conservação, ação, desenvolvimento de liderança e promoção da coexistência entre pessoas e vida selvagem, estamos trabalhando para proteger a área agora e no futuro”, diz Mweeta. “A força da colaboração me dá esperança para o futuro desta magnífica parte do Parque Nacional de South Luangwa.”

Aventuras épicas com Bertie Gregory disponível agora apenas no Disney +.

A National Geographic Society, comprometida em iluminar e proteger as maravilhas do nosso mundo, trabalha em conjunto e ajuda a financiar a pesquisa de exploradores como Gregory, Chávez e Mweeta. Saiba mais aqui.

Allie Yang é editora da área Viagens da National Geographic. Você pode encontrá-la no Twitter.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Viagem
É verão na Antártida. Saiba como explorar com responsabilidade
Viagem
Conheça o melhor lugar para mergulhar no Caribe
Animais
Salmão corre risco de extinção no Canadá. Como os turistas podem ajudar?
Viagem
Descubra a história maia ao longo da primeira trilha do México
Viagem
Conheça os vários significados das tatuagens na Polinésia

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados